pistonudos.com

O abandono do acordo de Paris pelos EUA é um erro histórico.


Que diferença é que isso faz? Bem, isso altera um sistema muito delicado de equilíbrio no clima do mundo. Não só os oceanos subirão de nível, mas também os desastres naturais se tornarão mais frequentes e com eles as perdas econômicas e humanas. Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, não deve se importar muito, porque a médio prazo ele estará morto e não verá muito disso. Os Estados Unidos deixarão o acordo de Paris em 2020, não o podem fazer antes, e assim se alinha com duas grandes potências que se recusaram a assinar o acordo: Nicarágua e Síria. Quais são as razões? Por um lado, razões econômicas e, por outro, o quociente intelectual do ocupante da Casa Branca.


Até os chineses o assinaram. O dragão asiático é responsável por 30% das emissões globais, a soma de todos os territórios excepto os EUA, a UE, a Índia, a Rússia e o Japão. Os Estados Unidos contribuem com 15% do CO2 do mundo. O país norte-americano deveria reduzir as suas emissões de 26% para 28% até 2025, tomando 2025 como cenário base. Trump está cumprindo suas promessas eleitorais, como o desmantelamento de Obama Care e o compromisso com as energias renováveis e a paralisia de tecnologias poluentes, como petróleo, gás e carvão. Para um político que cumpre as suas promessas... e nós temos de lamentar.

Felizmente, os EUA não podem deixar o acordo tão rapidamente como enviar um tweet, como vários diplomatas e políticos europeus lembram a Trump. Trump tem a oposição dos grandes negócios, até mesmo Elon Musk -CEO de Tesla - o abandonou como conselheiro. O magnata decidiu virar as costas ao mundo, como se ele não fizesse parte dele.


O acordo de Paris foi concebido a longo prazo: para evitar que a temperatura do planeta suba 2 graus este século, que já subiu 1,1 graus. Parecem números ridículos, mas falando de climatologia são números muito importantes. No século 20 as emissões de carbono dispararam devido à ação humana. Ao ritmo a que as coisas iam, o cenário distópico do filme "Waterworld" está cada vez mais próximo a cada dia que passa. Nem tu nem eu viveremos, os nossos tataranetos viverão. E eles vão lembrar-se da nossa linhagem.

Teremos de aturar Donald Trump até janeiro de 2021, a menos que algo inesperado aconteça que interrompa sua presidência de repente. Até que apareça outro político capaz de retirar o Trump da Casa Branca nas próximas eleições (finais de 2020), os EUA não farão tudo o que estiver ao seu alcance, mas até o maior poluidor do mundo o fará. Os chineses começaram como um jogo de SimCity, poluindo como o inferno, mas até eles estão cientes de que precisam reduzir as emissões.

E qual é a desculpa do Donald Trump? Que o acordo prejudica a competitividade dos EUA, os seus empregos, a sua indústria... tudo a curto prazo. Décadas a partir de agora, quando talvez seja ultrapassado como poder, virão os arrependimentos de não abraçar a tese do século XXI. Esperemos que os fabricantes de automóveis do seu país não virem as costas ao mundo e, se não, continuem a recuar num mundo que já não dominam.

Como é que isto afecta o mundo automóvel? O sector dos transportes é um dos principais intervenientes quando se trata de emitir CO2 para a atmosfera. Em menos de três décadas teremos passado de um modelo baseado principalmente na queima de petróleo para um modelo eléctrico, de emissão zero, ou assim pensam algumas pessoas. Os fabricantes americanos já perderam o trem de inovação há 10 anos, e dois deles - General Motors e Chrysler - precisavam de um socorro caro com dinheiro público. A Ford como tal não foi salva, mas foi alimentada com fundos para o desenvolvimento de energias alternativas.


Sob as políticas do Trump, até 2025 os EUA terão reduzido as emissões apenas pela metade da sua quota-parte, 14-15%.

Os desafios para o século XXI são vários: reduzir a hemorragia dos acidentes de viação, avançar para uma condução autónoma e segura (*), deixar de emitir gases com efeito de estufa e poluentes... em suma, provocar outra revolução nos transportes comparável à do fim da era do cavalo animal e do arranque do cavalo mecânico. Apostar no carvão, petróleo, fracking... não é o caminho certo a seguir. Não se pode esperar muito de uma pessoa que definiu a mudança climática como um conto alto para reduzir a competitividade das indústrias americanas. Esse é o nível.


Donald Trump conseguiu algo inaudito, fazer o mundo inteiro concordar em algo: estar contra ele. Bem, a Nicarágua e a Síria estão desaparecidas, mas não são actores relevantes. Isto é um verdadeiro sucesso diplomático da sua parte.

(*): a proibição da condução manual será muito tempo, e se alguma vez vier, provavelmente já estaremos todos velhos nevoeiros nessa altura.

Adicione um comentário a partir de O abandono do acordo de Paris pelos EUA é um erro histórico.
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.