pistonudos.com

SEAT para basear a sua rentabilidade nos seus novos SUV

Tem sido difícil, sim, mas a chave tem sido acertar com o novo Leon, e concentrar os recursos onde eles eram necessários. SEAT tinha tido bons momentos no início do século, sem dúvida, mas a crise e a mudança de gostos e idades no setor automotivo complicaram a existência da empresa sediada em Martorell, com um Leon dirigido a jovens que não se identificaram com o novo perfil comprador do segmento C (um fugitivo do segmento D, formado por famílias de pessoas um pouco mais velhas que o típico comprador de Leon de 2005), e com muitos produtos que não eram "best-sellers" para gerar lucros (Exeo, Altea...).


Encontrar o caminho para o equilíbrio financeiro começou por concentrar todos os recursos e apostar tudo no novo Leon. E o resultado tem sido um sucesso, com um produto que vende bem, que tem uma família de carroçarias que responde à procura do mercado, que exporta bem e que não é apenas um sucesso local.

Foi este sucesso do Leon que trouxe o SEAT de volta para o preto. Mas está no ponto de equilíbrio financeiro. Agora ela tem que se reinventar ainda mais para se tornar verdadeiramente lucrativa e atender às expectativas que a VAG tem colocado nela.

A chave para conseguir isto? É claro que vai lançar uma família de SUV e crossovers com os quais poderá entrar no segmento de mercado mais ativo e atraente para os próximos anos.

A SEAT já esteve a ponto de lançar um crossover em outras ocasiões, mas faltou o apoio da empresa-mãe para avançar com o projeto. Agora as coisas foram confirmadas. O primeiro modelo a chegar será o SUV do segmento C, com o qual o SEAT responderá ao Qashqai.


Desenvolvido, como não poderia deixar de ser, a partir da plataforma modular MQB, este novo SUV terá grande parte da linguagem estética vista no protótipo 20V20 no último Salão Automóvel de Genebra, mas com dimensões um pouco mais compactas, e partilhando mecânicas com o Leon. Procurará ser uma opção mais apaixonada para o Tiguan. Também vai querer ser mais dinâmico, com variantes FR, e talvez até com um Cupra com o qual morder num nicho onde não há ninguém neste momento.

Claramente mais barato que um Audi Q3, e um cabelo mais barato que o Tiguan, deve jogar com as mesmas armas usadas pelo Leon no segmento C. Se conseguir resultados semelhantes aos dos seus irmãos, permitirá que o SEAT cresça muito no mercado europeu.

Em declarações divulgadas pela Automotive News, o CEO da empresa Juergen Stackmann explicou que a empresa poderia lançar a versão de produção do 20V20 diretamente, que é maior (praticamente um segmento D-SUV, equivalente em tamanho e capacidade a um Audi Q5 ou um BMW X3), mas comercialmente não faz sentido, pois o cliente não está pronto para assumir que a SEAT pode entrar neste nicho de mercado.

Assim, a idéia é adiar o lançamento de um veículo desse tipo por provavelmente cinco anos, até 2020 (daí o nome) enquanto o SUV do segmento C faz o "trabalho duro" de convencer o público sobre a conexão SEAT e SUV. Uma vez que a imagem da marca tenha atingido a maturidade, será a vez deste produto do segmento D, o que deverá permitir à marca aceder a um nível de cliente economicamente mais poderoso, do qual desistiu depois de eliminar o Exeo da sua gama.



SEAT poderia ter um irmão gêmeo do Taigun para o segmento B, o que é lógico dadas as semelhanças entre o Taigun e o Tributo original.

Entretanto, Stackmann evitou especificar que outros modelos de SUV SEAT poderiam ter no seu calendário, mas sabemos que a marca tem um segmento B como uma possibilidade. Este perfil de carro faz particular sentido para complementar o Ibiza, embora possa sobrepor-se talvez demasiado com o carro do segmento C. A Volkswagen já está a trabalhar para industrializar o seu Taigun, a sua visão B-SUV, que toma descaradamente a imagem estética do Tributo dos primeiros assentos, pelo que ver um "Tributo de produção" pode não ser rebuscado, como um complemento do Ibiza.

O SEAT 600 faz 60 anos! ❯
Adicione um comentário a partir de SEAT para basear a sua rentabilidade nos seus novos SUV
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.