pistonudos.com

Chaparral 2J

Hap Sharp e Jim Hall foram dois ex-pilotos de F1 que procuraram combinar seus conhecimentos de corrida e engenharia de corrida para desenvolver monopostos capazes de vencer campeonatos tanto nos Estados Unidos quanto na Europa.

Depois de desenvolver até 8 modelos diferentes, o objetivo do Chaparral em 1970 era ganhar a Canadian-American Challenge Cup (CanAm), um campeonato disputado entre o Canadá e os Estados Unidos nos anos 60 e 70. Após o fracasso do Chaparral 2G em 1967 e o 2H em 69, principalmente devido a problemas de confiabilidade, Chaparral trouxe à tona o modelo 2J, com o qual Sharp e Hill buscaram tirar o máximo proveito do efeito solo. O resultado deixou toda a sua concorrência sem palavras.


A Canadian-American Challenge Cup foi disputada entre o Canadá e os Estados Unidos, e foi permitido o uso de protótipos com motores de qualquer deslocamento, efeito de solo, aerodinâmica livre e materiais exóticos.

O 2J era um monolugar com uma forma nunca antes vista, uma caixa com rodas, um tijolo com um Chevrolet V8 na parte de trás. Ao contrário dos seus predecessores, os 2J não tinham spoilers, nem acessórios aerodinâmicos, nem formas complexas. A parte dianteira inclinada e dois pequenos spoilers traseiros foram os únicos elementos aerodinâmicos do 2J, para além da carenagem da roda traseira.

Este novo Chaparral tinha tiras laterais - feitas de resina policarbonato - na parte inferior do chassis, que juntamente com os elementos da suspensão traseira permitiam que o monoposto estivesse sempre a poucos milímetros do solo, apesar das forças laterais ou irregularidades na superfície da estrada. Isto selou o fundo do carro contra o asfalto e canalizou o ar que entrava pela frente do carro para a traseira, onde se encontrava o verdadeiro segredo do 2J.


Este foi nada mais nada menos que dois fãs de um tanque movido por um motor Rockwell de dois cilindros 274 CC de uma moto de neve. Desta forma, a força de sucção dos ventiladores sugou todo o ar que entrava na frente do 2J, criando uma zona de vácuo no eixo traseiro que gerava uma força descendente de mais de 1 G. Esta ideia pode parecer bastante estranha, mas a Red Bull utilizou um sistema semelhante no seu RB7. O princípio da marca de bebidas energéticas foi o mesmo que o de Jim Hall: criar um fluxo de ar no fundo do carro que provoca uma depressão na traseira do carro que cola o eixo traseiro ao alcatrão, melhorando a tração e as curvas.

Hall concebeu um sistema que criava sucção no eixo traseiro, colando literalmente o 2J ao asfalto.

Com estes elementos, o novo modelo de Chaparral não perdeu força em baixa velocidade, ou em cantos afiados, ou mesmo em ventos cruzados, situações que ainda hoje são uma dor de cabeça para engenheiros e designers.

Chaparral também não negligenciou o lado mecânico das suas criações. O 2J foi alimentado por um potente motor Chevrolet V8 7620 CC que desenvolveu um não desprezível 760 cv, ligado directamente a uma caixa de velocidades automática desenvolvida pela Chaparral. Além disso, os valores de torque desenvolvidos por este V8 - cerca de 800 Nm- em conjunto com o efeito de sucção dos ventiladores tornaram o monolugares praticamente imbatível nas fases de aceleração na saída das curvas mais apertadas. O chassis foi feito de alumínio, e os painéis da carroceria foram feitos inteiramente de fibra de carbono, o que permitiu que o novo 2J tivesse um peso sem carga de cerca de 820 kg.


A teoria de Jim Hall ganhou vida com o novo 2J, agora Chaparral tinha de testar os seus novos desenvolvimentos na pista. Depois de muitos atrasos no seu desenvolvimento, o chamado "carro de otária" estreou na terceira corrida do Campeonato CanAm de 1970, realizado em Watkins Glen, Nova Iorque. Apesar de não estar completamente pronto, Hall colocou sua criação no caminho certo, contratando para a ocasião uma certa Jackie Stewart, que conseguiu o terceiro lugar para o 2J em sua primeira sessão classificatória, dando esperança à equipe americana e gerando muita expectativa entre seus rivais. Mas na corrida, a confiabilidade de Chaparral jogou um truque sujo novamente, e depois de definir a volta mais rápida da corrida, o 2J teve que se aposentar devido a problemas de freio.

A equipa Chaparral decidiu continuar com o desenvolvimento do seu carro, perdendo as próximas três corridas do CanAm e regressando na Road Atlanta, com o "carro de sucção" aos comandos do Vic Effors, que permaneceria ao volante do carro Chaparral para as próximas três corridas. O carro branco tomou a pole position por uma larga margem sobre o segundo colocado McLaren de Denny Hulme. Na corrida, o 2J voltou a ter problemas de fiabilidade, desta vez com os fãs traseiros, e depois de várias paragens nas boxes, conseguiu terminar em sexto lugar.


Seus rivais, com McLaren na liderança, começaram a reclamar da presença dos fãs no 2J, já que eram considerados elementos móveis aerodinâmicos.

Mas os problemas para a equipa do Jim Hall estavam apenas a começar. O resto das equipes do campeonato começaram a emitir reclamações e protestos contra o sistema Chaparral, alegando que eram elementos aerodinâmicos móveis - proibidos na época. Na corrida final do campeonato de 1970, o 2J foi banido, mas Hall lutou até o último momento para convencer os comissários de bordo de que seu sistema de sucção era legal. Finalmente, o 2J estava na grelha para a última corrida, assumindo a pole position com uma vantagem de 2,2 segundos, mas mais uma vez, Efford foi forçado a retirar-se depois de perder o controlo do carro quando o motor da ventoinha falhou numa curva rápida.

Hall, cansado de lutar para defender sua criação perante as autoridades, retirou sua equipe da competição até o final da década de 70, quando Chaparral voltou à competição na Indy 500, onde venceu com os 2K, com Johnny Rutherford ao volante. Mas isso é outra história...



Adicione um comentário a partir de Chaparral 2J
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.