pistonudos.com

Volvo P1800, a beleza sueca

Um pouco de história

O primeiro P1800 deixou a fábrica em 1961. Mas a luz verde para o projeto foi dada 4 anos antes, em 1957. Vamos dar uma olhada em como. O presidente da Volvo na altura, Gunnar Engellau, fascinado pelos automóveis italianos, queria produzir um Volvo com um design feito em Itália, e confiou a tarefa a um dos seus adjuntos, Helmer Petterson. O bom e velho Helmer passou algum tempo comissionando projetos, chegando a quatro finalistas. Quando chegou o dia, Helmer apresentou os quatro desenhos ao presidente, que selecionou um deles para ser produzido.


Quem era o magnífico designer que tinha conseguido deslumbrar o presidente da Volvo com o seu design? Nada mais do que Pelle Peterson. O nome dele não soa italiano. Porque não foi. Acontece que ele era filho de Helmer Petterson, um sueco de 25 anos que trabalhou na Itália para o designer Pietro Frua (pai do Maserati Mistral). O Helmer não lhe tinha dito. Mas, de alguma forma, o presidente soube a verdade e voou em fúria, prometendo que o nome de Pelle Petersen nunca apareceria em conexão com o design do carro. Só vários anos depois é que o mérito do jovem Pelle foi reconhecido, mas isso não importava. Nasceu um dos carros mais bonitos da Volvo.

A produção começou...no Reino Unido. Aço prensado fez a carroçaria, e a montagem final foi feita na Jensen Motors (os fabricantes do Interceptor Jensen). Espere um minuto: um Volvo da Suécia, desenhado na Itália e feito no Reino Unido? É isso mesmo. Muito internacional para a época. Em 1963, parece que Jensen tinha alguns problemas de qualidade na montagem, por isso a Volvo decidiu parar a produção do P1800 e mudou a produção para Lundby, em Gotemburgo. O Volvo 1800S nasceu e já era fabricado na Suécia.


Havia 4 versões deste modelo: P1800, 1800S, 1800E e 1800ES. A versão P1800 foi a primeira a ser montada no Reino Unido, e durou de 1961 a 1963. Foram produzidas 6000 unidades. O 1800S começou em 1963, sem alterações no design (embora o motor o tenha feito), e durou até 1970. A partir deste ano nasceu o 1800E, com ligeiras alterações de design (perdeu a curva lateral cromada, passando para linear, e o piscar dos pára-choques) e actualizações técnicas, que chegariam até 1972, quando terminaria a sua produção. No total, foram produzidos pouco mais de 39.000 cupês, acrescentando as três versões.

Nesse mesmo ano, a Volvo introduziria a variante 1800ES, um tipo de carroçaria do rancho (estado desportivo), muito pouco graciosa, já agora, das quais pouco mais de 8.000 unidades foram vendidas. A produção da série 1800 terminaria em 1973, devido a mudanças na regulamentação de segurança e emissões em 1974.

Desenho

Vamos nos concentrar na versão S e vamos separar esta seção nas três partes mais importantes no design de um carro: dianteira, lateral e traseira.

Começando pela frente, vemos a pureza das linhas e a simplicidade (não a simplicidade) no design que a Volvo empregou. Faróis redondos, logo acima dos sinais de viragem, flanqueando a grelha ligeiramente oval e terminando com um pára-choques que guincha para cima para encontrar a matrícula, dividindo-a em duas partes. Esta inclinação do pára-choques era bastante peculiar na altura, onde os pára-choques rectos de uma só peça eram a norma. O design realça o equilíbrio do carro, escolhendo uma boa relação entre altura e largura, realçada pelas linhas horizontais do seu design.


Agora vamos falar sobre o lado, um dos pontos fortes do 1800S. Com base no design do Volvo P1900, Pelle Petersen fez algumas linhas que marcaram o carácter desportivo deste Volvo: linha recta e cintura alta, maior proporção da carroçaria do que o vidro, pára-brisas e queda da janela semelhante ao Porsche 356, e a linha de expressão mais característica: a que nos leva da frente, até à extremidade da janela da frente, fazendo uma ligeira curvatura quando esta chega até ele. Como um taco de hóquei. Não se limitou a colocar uma faixa cromada, mas deu profundidade na impressão dos painéis das portas. Esta linha evolui para a retaguarda, enfatizando a falsa linearidade da cintura. Porquê falsa?

Vamos passar para a retaguarda. Quando se olha para a vista traseira de três quartos, a bagageira tem uma certa inclinação para ela. Está escondido por aquelas asas traseiras, que se estendem para cima, e escondem a parte de trás. Como se o desenhador tivesse beliscado a carroçaria. Parece que o carro foi ladeado por duas peças, protegendo os ocupantes. Dominadora. Para completar, duas luzes ovais em cada lado que incluem o sinal de freio e de giro, e o piscar central desaparece, tornando-se linear, mas mantendo a divisão em duas partes, graças à posição da placa do veículo.

Vamos ver agora o pilar C. Como podem ver, faz uma ligeira curvatura, para se mover de um lado para o outro. Além de ser um bom detalhe, certamente ajuda a aerodinâmica. Nesta imagem também podemos apreciar a profundidade da linha lateral, desde a asa da frente até à porta.


Cabine

Entrando na cabine, vemos um simples carro, da época. Embora tenha alguns detalhes interessantes, como o espelho retrovisor, localizado no topo do painel de instrumentos. Observe também as tiras de couro nos bancos traseiros, para segurar a bagagem. O baú não era muito espaçoso.

O tablier, com linhas rectas e simples, com painéis de alumínio, tinha uma instrumentação muito adequada. Da esquerda para a direita: rotações, temperatura da água (em sueco, superior) e óleo (olja em sueco, inferior), velocímetro, nível de combustível (bensin em sueco), pressão do óleo e relógio. Um nível abaixo, encontramos os controles de luzes, aquecimento, pára-brisas e chave de ignição.

Técnico

Começando com o motor, encontramos um simples 4 na linha de 1798 cc (daí o seu nome), montado na posição longitudinal frontal. Este motor evoluiu ao longo da vida do 1800. Começou com um carburador duplo e 90 cv na versão P1800, indo até 96 cv no 1800S. Em 1968 eles elevaram o deslocamento para 1986 cc, elevando também a potência para 105 cv. A última atualização foi a introdução da injeção eletrônica em 1971 junto com a nova designação 1800E, atingindo 124 cv e esta foi a última evolução do modelo.

A caixa de velocidades era de 4 velocidades, às quais foi adicionado um overdrive em evoluções posteriores. Também pode optar por uma transmissão automática de 3 velocidades, feita pela Borg-Warner.

Passando para a suspensão, tinha ossos duplos à frente e eixo rígido atrás, com dois braços longitudinais de cada lado, e barra Panhard. Também tinha amortecedores hidráulicos. Um sistema de suspensão simples, mas eficaz.

Quanto aos travões, tinha discos dianteiros e tambores traseiros. Até o 1800E foi introduzido em 1970, equipando desde então os discos nas 4 rodas.

Na imagem que encabeça esta seção você pode ver as especificações do 1800S dos anos 68-69.

Passado e futuro

Em 2013, a Volvo apresentou o Concept Coupé, um estudo de design que definiria as directrizes para os Volvos que estamos a ver hoje (S90, XC90). Mas o que é interessante é que os actuais designers da Volvo desenharam a partir do histórico P1800 para esboçar o futuro. Observe a linha lateral na próxima foto, ou que piscar o olho para o "bastão de hóquei" no abridor de porta.

Como eu disse antes, para um fabricante é importante refletir de onde ele vem, inspirando-se em designs passados, atualizando-os e misturando-os com novas tendências, criando uma nova imagem de marca.

Curiosidades

Talvez você já tenha sido apresentado a este Volvo. Mas vamos mencionar algumas curiosidades que você pode não saber:

  • Se vai comprar um Volvo P1800, não compre um Volvo da série 3226 a 3285. Enquanto estavam a ser transportados por navio do Reino Unido para os EUA, o navio colidiu com outro navio que transportava uísque. O resultado foi que os carros nadaram e ficaram um pouco amolgados. Eles foram recondicionados e vendidos 3 anos mais tarde. Ficaram conhecidos como os carros de whisky e você pode ver um deles na foto acima.
  • Havia um Volvo P1800 com um motor Aston Martin, embora fosse apenas como um protótipo de teste em 1961.
  • Foi conduzido por Roger Moore na série "The Saint" nos anos 60, porque a Jaguar não conseguia fornecer um E-Type a tempo. Foi sugerido como alternativa pelo próprio Roger Moore, que tinha um como carro particular.
  • A Volvo nunca comercializou oficialmente um Conversível 1800S. No entanto, Harold Radford (construtor inglês) fez um Conversível 1800S para um concessionário Volvo localizado em Hull (Reino Unido), em Março de 1965. O carro não foi vendido até 1968. Embora não fosse o único Volvo 1800S Convertible: o concessionário Volvoville em Long Island (EUA) fez mais 50.
  • Em 1966, um rapaz de 25 anos que queria comprar um Volvo 1800S apareceu neste stand de Long Island (Volvoville). Ele encomendou-o a vermelho. O nome dele era Irv Gordon. Ele ainda hoje a usa e tem mais de 4,8 milhões de km, que completou em uma rodovia do Alasca.

A história de um amor para toda a vida

Este cavalheiro merece algumas linhas de admiração. Após 50 anos de vida juntos, Irv Gordon ainda ama o seu Volvo 1800S. O seu amor por ela começou em 1966, e no primeiro fim-de-semana em que a teve nas mãos, colocou 2.400 km em cima dela. Isso é um amor de conduzir. Assim, dia após dia, durante anos, o bom e velho Irv conduziu o seu Volvo, sem grandes reparações a não ser a manutenção regular, até ter percorrido 1 milhão de quilómetros (pouco mais de 1,6 milhões de km) e ter tido apenas uma reconstrução completa do motor.

Para tal proeza, a Volvo apresentou-lhe um novo Volvo 780 brilhante. Mas o Sr. Gordon não deu muita atenção e continuou a conduzir o seu 1800S. Até 1999, onde entrou no Livro dos Recordes do Guinness, percorrendo mais de 2,6 milhões de km, o carro com a maior quilometragem do planeta. Irv continuou a fazer o seu trabalho e, como dissemos anteriormente, a Volvo organizou um evento, pilotando o seu carro até ao Alasca, para celebrar os 3 milhões de quilómetros. Isso é quase nada. E parece que ele ainda está a fazer mais de 5 milhões de milhas.

Como é que isto é possível? Em um artigo no Telegraph deste mês, Irv Gordon forneceu detalhes sobre seus truques para a eterna juventude mecânica, que nós quebramos abaixo:

  1. Escolha um carro que você realmente ama.
  2. Troque o óleo todos os anos, ou a cada 15.000 quilómetros, o que vier primeiro.
  3. Peças originais sempre, para que o seu Volvo permaneça um Volvo
  4. Não mudar as marcas de óleo para manter uma qualidade consistente
  5. Procure semanalmente debaixo da tampa do compartimento do motor para fluidos de baixo nível ou deterioração das correias ou mangueiras.
  6. Lave o carro regularmente, para que qualquer dano possa ser descoberto mais cedo.
  7. A depilação duas vezes por ano é uma boa protecção contra o enferrujamento da carroçaria
  8. Manter uma boa relação com o serviço oficial ou com o mecânico de confiança.
  9. Encha os postos de gasolina ocupados, para evitar a degradação do combustível devido ao armazenamento a longo prazo.
  10. Sempre que aparecer um pequeno ruído, não o ignore. Quanto mais tempo se espera, mais danos podem ser feitos.

Claro que a Volvo para toda a vida, pelo menos no caso de Irv Gordon, está absolutamente certa. O Volvo P1800, um automóvel desportivo fiável, intemporalmente belo e simples que deve ser fantástico de conduzir, de acordo com Irv Gordon. Um verdadeiro amante dos carros e da condução. Tal como nós. É por isso que somos Pistonudos.

Se quiser desfrutar desta beleza em movimento, deixo-lhe um vídeo da Petrolicious onde pode vê-la em todo o seu esplendor, e o seu proprietário, um relojoeiro artesanal que vive no Hawaii, fala-nos dela:

Volvo Amazon ❯
Adicione um comentário a partir de Volvo P1800, a beleza sueca
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.