pistonudos.com

"Radares" que te multam por não usares o cinto de segurança, que grande ideia!

Qualquer um que entenda um pouco da segurança do veículo estará convencido de que o cinto de segurança é o melhor salva-vidas que existe, tanto à frente como atrás - ahem, você percebe o que quero dizer - para qualquer tipo de passageiro. Bebés e crianças menores de 12 anos têm o seu equivalente, sistemas de retenção para crianças (SRC), mas o objectivo é o mesmo: evitar que os passageiros sejam expulsos do veículo ou que se lesionem ao baterem no interior do veículo.


Algo tão básico ainda não está a ser percebido por algumas pessoas, cada vez menos, e Darwin tem a resposta: eles estão a ficar extintos. Com exceção daqueles que não têm o cinto de segurança instalado (porque é um modelo muito antigo) ou daqueles que não o usam para prescrição médica, não há desculpas. Nem motoristas de táxi, nem policiais, nem pessoal de ambulância (não incluindo aqueles que estão atendendo à pessoa ferida nas costas); estamos todos sujeitos à ditadura das leis da física.

Estas câmaras que a DGT tem instaladas não são - tecnicamente falando - radares (não utilizam ondas de rádio para detectar objectos), têm a finalidade de embalar com 200 euros e três pontos para os renegados que não apertam o cinto de segurança em estradas extra-urbanas. Sessenta por cento estão em estradas de dois sentidos, o resto em estradas de alta capacidade. Acho uma ótima idéia, desde que não gere falsos positivos (faixa de cintura na mesma cor da roupa, má visibilidade e imagem embaçada...) e os motoristas de veículos históricos não comecem a ser fritos com multas.

No ano passado, 23% dos mortos em carros de passageiros ou veículos ligeiros nas estradas extra-urbanas não estavam a usar o cinto de segurança, 159 pessoas.

O montante da pena não é muito dissuasivo, deve custar 10 vezes mais, já que o custo para a sociedade de um "desenraizado" excede facilmente 2.000 euros: perda de rendimentos, ambulâncias, hospitalização, possíveis engarrafamentos, enterros... para não falar dos danos sentimentais, por definição incalculáveis. Quando eles começaram a perder pontos por não usar o cinto o seu uso melhorou substancialmente, e é um dos grandes sucessos da licença de pontos: você pode acreditar nele, ou não, mas você vai prendê-lo por rolamentos.


O debate sobre se as suas receitas são ou não completamente estéreis e desnecessárias, a menos que haja apelos maciços para falsos positivos. Não, não se trata de angariar dinheiro, trata-se de salvar vidas, mesmo que sejam pessoas que desprezam a sua ou não a valorizam. Todos nós conhecemos o idiota que espera que a luz do cinto de segurança se apague ou um grito alto para fazer com que o cinto de segurança entre no banco. E, infelizmente, ainda há muito a ser feito. Conheço muitas pessoas, incluindo jornalistas automobilistas de renome, que, quando viajam de ônibus ou van, é como se viajassem em um veículo que não cumpre as leis da física.

Quando se viaja num autocarro com cintos de segurança, obrigatórios nos autocarros interurbanos na última década, o seu uso também é obrigatório. A penalidade é sempre para o passageiro, nunca para o condutor. Lembro-me do que um parente meu falecido costumava dizer: "ou pudim de arroz ou dois com bolos", o que pode ser traduzido como se apertasse o cinto por gancho ou por vigarista. A tecnologia permite que seja o caminho mais difícil. Leva anos dando ao coñazo a sua utilidade, a sua necessidade e a sua eficácia. É um debate que está mais que ultrapassado. Não encurvar para o caso de haver um incêndio é um argumento tão velho como as perucas brancas do Iluminismo.

Em cerca de 1% dos veículos controlados na fase de testes, foram detectados condutores sem cinto de segurança. Isso é uma percentagem muito pequena, mas ainda é muita gente.

Na primeira fase, estas câmaras não emitirão multas, mas sim cartas de aviso. Após o primeiro mês, eles vão emitir multas. O número deles logo subirá para 277, e se dependesse de mim, seriam milhares. Exceder o limite de velocidade em alguns quilómetros por hora pode ser absolutamente inofensivo, mas conduzir sem cinto de segurança não é. As coisas não acontecem, até ao momento em que acontecem. Desta vez a DGT teve a ideia certa, o que terá efeitos tangíveis na segurança rodoviária, e que poupará à sociedade milhões de dólares. Haverá aqueles que reclamam, com certeza, embora tudo isto seja para o seu próprio bem. Deixe-os reclamar o quanto quiserem, mas com os cintos de segurança apertados.




Adicione um comentário a partir de "Radares" que te multam por não usares o cinto de segurança, que grande ideia!
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.