Kellison, um sonho tornado realidade

Um desses nomes é James Kellison. Este americano, não muito conhecido, foi o fundador de uma das companhias de kit car nos Estados Unidos nos anos 60. O termo kit car é amado e odiado em partes iguais pelos entusiastas de carros. O que é um kit car? Bem, é basicamente um "faça você mesmo" (como o Ikea), mas na versão de carro. Um mês você compra o corpo de fibra de vidro. Dois meses depois, o chassi. No mês seguinte, o motor. E quando a sua economia o permite, a suspensão e outros acessórios. No seu tempo livre, você monta pouco a pouco na sua garagem, até conseguir o carro que sempre quis. É algo feito à mão por você, que você também pode dirigir. O carro com que você sempre sonhou, por uma pequena quantia de dinheiro, que você também pode pagar em prestações e montá-lo você mesmo. Não enferruja com o tempo e é leve e poderoso. Ideal.


Foi nos Estados Unidos e no Reino Unido onde o carro kit brilhou, talvez beneficiado pelo tipo de casa que o cidadão médio comprou na época: casa separada com garagem grande. Posteriormente, outros fabricantes surgiram em todo o mundo, fazendo de tudo, desde réplicas a carros originais. Na verdade, a Lotus começou a fabricar este tipo de carro antes de se tornar uma marca tão prestigiada. Hoje eles continuam a ser feitos, e há algo de um mercado emergente para esses carros. O mais recente e exclusivo, o Scuderia Glickenhaus SCG 003, não é barato, mas um kit de carro, no entanto.

Mas de volta à Kellison e ao que este pequeno fabricante conseguiu.

Passado

James Kellison nasceu a 5 de Novembro de 1932. Desde jovem ele adorava velocidade, e foi nisso que ele focou a sua vida. Ele tornou-se piloto da força aérea e era apaixonado por corridas... carros. Por volta de 1950 uma ideia maluca lhe passou pela cabeça: "E se eu construir o meu próprio carro de corrida?" Ele queria competir frente a frente com o Porsche, Ferrari e Alfa da época. Muitos americanos teriam ido jogar boliche e esquecido a idéia, mas não o Jim. Ele pegou lápis e papel e começou a desenhar um carro, um carro de corrida. Ele passou vários anos aperfeiçoando o design, fornecendo materiais e planejando maneiras de implementá-lo. Ele construiu alguns modelos, para aprender a construí-lo.


Assim nasceu, em 1957, sete anos depois, a Kellison Engineering, apresentando oficialmente o Kellison J4, um kit de carroçaria em fibra de vidro, oferecido tanto em coupé como em carroçaria convertível, a um preço de 6.700 dólares na época, hoje cerca de 50.000 euros. Não pode ser considerado barato, mas se o compararmos com os mais de 12.000 dólares que custam uma Ferrari 250 GT, parece mais acessível.

Em 1959 a revista Motor Trend testou o Kellison J4. Eles adoraram as linhas, o ajuste, o acabamento, a qualidade do passeio... mas quando começaram a empurrar, o oversteer era tal que se tornou incontrolável. A conclusão do teste foi que estava bem como um GT para uma condução silenciosa, mas impossível como um carro de corrida. O pobre Jim ficou arrasado, mas não atirou a toalha.

Como resolver um problema com o chassi? Contratando um especialista para fazer o design. Ele contratou Chuck Manning, um experiente engenheiro de chassis de carros Indy. Ele projetou um quadro tubular "X" baseado em carros de corrida e usou a suspensão do Corvette da época, o C2. O resultado foi uma melhoria tão considerável no manuseio do carro que entre 1961 e 1965 ele começou a ganhar corridas nos Estados Unidos. Jim conseguiu o que sonhara, construir um carro de corrida e competir frente a frente com os carros da época.

Ele continuou com o desenvolvimento, evoluindo o modelo J4, dando origem ao J5 e finalmente ao J6. Em 1970, a Kellison Engineering desapareceu, ninguém sabe exactamente porquê. Suspeita-se que os problemas financeiros eram a guilhotina deles. Chuck voltou à Indy, e Jim começou a fazer buggies, até que em 1976 fundou o Red Stallion, cujo objectivo era construir uma réplica do Ford AC Cobra. Eles produziram 117 unidades, mas não teve o sucesso esperado, até 30 de setembro de 2004, quando ele partiu para sempre.


Ele foi um grande homem que teve a coragem de criar o carro dos seus sonhos, sem experiência ou grandes meios.

Mas não vamos ficar melancólicos. Vamos dar uma olhada nas suas criações.

Modelos

Vamos dar uma olhada nos principais modelos do seu melhor período.

  • J1: Foi o primeiro modelo da marca. Era um pequeno cupê, projetado para ser montado no chassi de um Sprite Austin-Healey ou de um Crosley. O telhado tinha aquela bolha dupla característica de alguns Fiat-Abarth e Ferrari desenhados por Zagato.
  • J2: Era a versão cabrio do J1 e foi vendido (sem chassi) por 380 dólares da época. Foram produzidas cerca de 20 unidades.
  • J3: Muito semelhante ao J2, mas com uma distância entre eixos curta, concebido como um carro de corrida. O seu preço, 400 dólares. Foram produzidas cerca de 15 unidades do cupê, e 60 unidades do conversível.
  • J4 GT: Como mencionado anteriormente, este foi o primeiro carro de produção da Kellison. Tinha 4,2 m de comprimento, 1,7 m de largura, 1 m de altura e uma distância entre eixos de 2,5 m, o que lhe dava proporções musculares e exageradas. Foi usado como base para vários carros de corrida. Foram produzidas 300 unidades do cupê e 25 do cabrio.

  • J5: Uma versão modificada do J4, com mais distância entre eixos e altura, para deixar mais espaço. Em 1966 a equipe Beattie construiu um dragster com este corpo, empurrado por um bloco Hemi, que alcançou o quarto de milha em 10,02 segundos a mais de 230 km/h. Para lhe dar uma ideia, a Ferrari F12 faz o quarto de milha em 11,1 segundos. Foram produzidas cerca de 400 unidades.
  • J6 Panther: Um dos desenhos mais bonitos do Kellison. Tinha 4,2 m de comprimento, 1,6 m de largura e 1,2 m de altura. Continuou a ser um selo de beleza selvagem, exagerada e sexy. Este modelo foi concebido para ser acoplado a um chassis Corvette C1. Foram produzidas mais de 500 unidades.
  • Em 1963, baseado no J6, um cavalheiro chamado Bob McNulty (foto abaixo) decidiu que não era suficiente. Ele estava fascinado por Ferraris, mas não tinha dinheiro para isso, então ele colocou outra reviravolta no Kellison J6 e mudou o nariz, os lados, as rodas e o interior. Pessoalmente acho o Kellison J6 mais bonito, ele mantém aquela beleza brutal do Kellison, com algum requinte. Uma combinação muito bem sucedida.
  • Astra X-300 GT: Este não é o Opel Astra. Em meados dos anos 60, a maioria dos Kellison's eram vendidos pela Allied Fiberglass, sob a marca Astra. Foi uma modificação do J4, para a qual eles mudaram alguns detalhes como a grade. Foram produzidas 500 unidades.


Desenho

Vamos falar sobre o design do Bob's J6, que do meu ponto de vista, é um dos mais bonitos. Na frente vemos um desenho mais elaborado da grelha, ladeado pelos faróis, muito extremo, para acentuar a sensação de largura. Os pára-choques, reduzidos ao mínimo de expressão, dão limpeza ao design. É um carro extremamente baixo, por isso o pára-brisas é muito pequeno.

Olhando para o lado vemos a razão de ser do Kellison: nariz enorme, cabine ao lado do eixo traseiro, ombro muito marcado e queda muito suave do tejadilho para trás. Devido à sua baixa altura, e às suas proporções, o lado é imponente, muito ao estilo do protótipo RX-9 da Mazda. Um carro desportivo clássico, mas brutal e exagerado. Aí reside o seu encanto.

Passando para a traseira, vemos que funde a queda do teto, com a baixa, em um pára-choque cromado, com dois pilotos de cada lado. Os enormes ombros, com o estreitamento do pilar C, muito ao estilo Porsche 911, dão muito carácter a este Kellison.

Tecnologia

Desde que tomou o chassis do Corvette C2, tinha a mesma base: suspensão dianteira de duplo braço e suspensão traseira independente, com um esquema de mola transversal, um braço longitudinal e um braço transversal em cada lado. Muito exótico para aquela época, onde o eixo rígido com barra Panhard era tão popular, embora muito eficaz, fazendo com que o suporte do veículo fosse muito melhor.

Quanto aos motores, havia liberdade total. Com aquele compartimento do motor, quase qualquer motor da época poderia ser instalado. O mais comum, o Hemi V8 RB-383 e RB-413, seu nome vem da capacidade cúbica, portanto o RB-383 tinha 6,3 litros, e o 413, 6,8 litros. O 383 tinha 305 cv enquanto o 413 oferecia 330 cv, graças ao seu carburador de dois corpos.

Presente

Até hoje, nenhum Kellison é produzido. Embora existam pessoas que vendem os corpos antigos, e alguns projetos de restauração são feitos com eles, como aquele que você pode ver no vídeo abaixo. Essa é a coisa boa da fibra de vidro, não enferruja. Mas nem tudo acaba com o Kellison. Hoje em dia é possível conseguir um carro kit, se tivermos tempo e dinheiro. Há muitos desenhos e tipos diferentes. Existem muitos fabricantes de réplicas do Lotus Seven, por exemplo, no Reino Unido ou no Canadá. Uma das réplicas oficiais pode ser encontrada em Super7Cars. Também podemos destacar no Reino Unido a Ultima Sports, fabricante de um carro de corridas como o Ultima GTR. Também deste país é Hawk Cars, talvez a melhor réplica de uma Lancia Stratos.

Em Espanha, infelizmente, devido à legislação restritiva que temos, é difícil encontrar uma empresa que nos venda um carro deste tipo.

Por outro lado, nos Estados Unidos, há um mercado com muito movimento. A partir daí podemos destacar a Fábrica Cinco, com a sua réplica da Cobra Daytona. Ou um dos mais famosos, o Superperformance, oficialmente licenciado para replicar o belo Ford GT40. Em resumo, um kit-carro é o sonho tornado realidade para construir um carro sozinho, algo que seria muito complicado se não fosse por pioneiros como James Kellison, que também realizou seu sonho, criando um dos mais originais, genuínos, brutais e autênticos kit-carros que já vimos.

Deixo-vos um vídeo de um Kellison J6 de 1962 totalmente restaurado, onde podem apreciar a sua beleza, e o grande gurgling do seu V8:



Adicione um comentário a partir de Kellison, um sonho tornado realidade
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.