pistonudos.com

Carros antigos, clássicos, pilhas de lixo ou tudo ao mesmo tempo?

Utilizando componentes e combustível actuais com as qualidades actuais, os modelos mais antigos poluem menos do que quando eram novos - assumindo que a mecânica é boa - e têm um nível de segurança ligeiramente superior. Por exemplo, o diesel tem muito menos enxofre, as pastilhas de travão encaixam perfeitamente, mas têm melhores compostos, os pneus são muito superiores aos do equipamento original quando se fazem à estrada, e assim por diante. O que não podemos obter ou fingir é que poluem menos que um novo modelo, ou que são igualmente seguros. Isso não é realista.


Há pessoas que REALMENTE pensam que têm um carro velho, super seguro e amigo do ambiente. Gostava de saber o que eles estão a fumar?

Um leitor me lembrou que há quatro anos saiu um estudo patrocinado por uma conhecida empresa de aluguel e uma marca de pneus bem conhecida. O estudo questionou condutores de automóveis com mais de 12 anos e concluiu que eles não estavam conscientes dos riscos de segurança rodoviária a que estavam expostos. Por exemplo, já todos ouvimos a treta de que os carros modernos são feitos de plástico e os carros mais antigos são mais duros, e isso é uma mentira tão grande como a Torre Eiffel. Sim, existem peças de plástico, concebidas para não rebentar quando se atropela, mas o que é metal é muito mais rígido e resistente, outra coisa é que se dobra onde deve fazer para reduzir as consequências de uma bofetada.

Eles denunciaram a falta de percepção popular da segurança, pois os entrevistados falaram bem de carros de 16 anos que "freavam bem" e "mantinham curvas", enquanto respondiam que os pneus estavam misturados, gastos ou velhos. Estas são respostas tão consistentes como as de uma vítima de sequestro com síndrome de Estocolmo: "ele me ama, é por isso que me mantém fora da estrada". Assim, foi considerado como uma conclusão do estudo que a venda de modelos com mais de 15 anos entre indivíduos deve ser evitada, e aqueles com mais de 30 anos devem ser retirados de circulação, a menos que sejam clássicos para preservação.


Em outras palavras, carros com mais de 30 anos que não estejam em boas condições terão que ser retirados da circulação.

Mais do que um vai ter um choque, mas vejo muita razão nestas abordagens, mesmo que esteja na superfície. Por exemplo, pensemos num Renault Siete, como o dos nossos amigos Cecilio e Antonio, mantido na perfeição, bem pintado e cuidado... É um clássico. Agora vamos pensar num carro exactamente igual ao que está numa aldeia rural perdida, com pneus de quando estávamos a rastejar, travões que assobiam numa nota alta e um par de arranhões no vidro. O seu dono dirá que só costuma ir à próxima aldeia ou apanhar batatas, e que só vai à capital umas duas vezes por mês. Isso não é um clássico, é um potencial monte de sucata.

Vou dar um exemplo menos extremo. Há alguns dias atrás houve um artigo interessante no blog oficial da Mercedes na Alemanha, contando a história de um engenheiro de 55 anos da empresa, Michal Nickl, que conduz o seu Mercedes 200 D (W154) de e para o trabalho há um milhão de quilómetros e um quarto de século. Entre o combustível e a manutenção - que ele auditou - ele já gastou mais de 112.000 euros (cerca de 4.500 por ano). O carro sai nas fotos sem disfarçar os arranhões ou o veneno de vários dias. Não ganharia nenhum concurso de beleza, mas o dono gastou o que foi preciso para mantê-lo digno de estrada. É um carro para uso diário.


Também posso falar-vos de um falecido que tinha um Mercedes 300, da mesma gama e idade, cheio de sujidade (não tinha sido aspirado há anos), mantido no mínimo pela mecânica da aldeia, e melhor não perguntar pelo estado da mecânica, travões, amortecedores... Para o transformar num clássico quase teríamos de o mandar para a Alemanha para o departamento de clássicos o mimar, porque não saberia por onde começar. Que um carro como este passe a MOT é um tópico à parte.

Há certamente carros que vale a pena manter e preservar para as gerações futuras, especialmente as versões esportivas, interessantes ou mais luxuosas. O grosso, o monte... se não tem valor sentimental e não pode ser atualizado para um clássico, tem um destino claro: o ferro-velho. Nem todos os carros podem ser salvos, é uma irresponsabilidade ambiental (entre outras coisas). E aqueles que não devem ser salvos, ou são mantidos ou devem ser retirados de circulação para o bem de todos.

Se adicionarmos à equação condutores muito velhos, com suas faculdades tão prejudicadas quanto a mecânica de seu carro, estrada secundária e o menor tempo inclemente, de acordo com as estatísticas da DGT estamos falando de um aspirante a cadáver e um carro que sairá da grua no ferro-velho irreconhecível. Lamento se não gostas do que digo, mas é assim que as coisas são. É preciso deixar para as pessoas certas a preservação do património automóvel, e há outros carros que são literalmente excedentários às necessidades nas estradas, incluindo os da aldeia da avó e do avô.


É bárbaro restringir a venda de modelos com mais de 15 anos de idade? Como dizem os autores do estudo, isso não penaliza aqueles que querem manter seus carros, mas os impede de cair nas mãos daqueles que precisam de um carro muito barato e certamente não têm os recursos para mantê-lo adequadamente. Todos os carros começam a desenvolver problemas ao longo dos anos e quilómetros, por isso é inevitável... ou o carro pode ser mantido, dependendo mais da sorte do que qualquer outra coisa.

Podemos abrir outro debate sobre o direito à mobilidade daqueles que compram um carro de menos de 1.000 euros, se eles deveriam estar indo em um ciclomotor (setor deprimido onde há), transporte público ou vivendo mais perto do trabalho sob a figura injuriosa do aluguel. Mas eu não quero abrir essa caixa agora.

Uma das medidas que a DGT de María Seguí queria promover era aumentar o controle sobre os carros e seu histórico de manutenção, trazendo os carros para o sistema de reparadores profissionais e expulsando o resto, incluindo aqueles que fazem sua própria manutenção. Sinto muito, mas a menos que estejamos falando de mecânica profissional, eu considero a troca de óleo e filtros não uma manutenção adequada, é uma manutenção essencial. Um mecânico profissional vai notar muito mais coisas do que qualquer amador. Desse ponto de vista, era uma das coisas que a DGT anterior estava fazendo melhor.

Isso não significa que eu não discordo da maneira como as coisas são feitas, você não tem que perseguir o dono de um carro velho (e eu não estou dizendo isso só porque é um carro velho), você só tem que perseguir a pessoa que tem um carro em circulação que não deveria estar em circulação. O mundo da ITV precisa de uma auditoria minuciosa para retirar do sistema todas as estações que dão aprovação àqueles que devem falhar, seja por clientelismo, compadrio, falta de zelo no seu trabalho, subornos ou qualquer outro motivo. Não temos exactamente um problema de falta de ITV, ele pode ser limpo.

Se o que realmente preocupa a administração é a segurança rodoviária, ela deve facilitar as coisas para aqueles que contribuem, e tornar as coisas difíceis para aqueles que as tornam piores por suas ações ou omissões. Não devemos ir ao extremo de forçar os proprietários de carros antigos a tê-los perfeitos, com matrículas históricas (H BBx...), e em estado de competição. A propósito, aqueles que têm carros com tanta consideração, são os que cuidam melhor deles.

Por outro lado, temos pessoas com recursos económicos muito limitados, que todos os dias põem em risco a sua vida e a dos outros com lixo barato. Devemos analisar o problema em profundidade e ver como podemos conciliar o direito à mobilidade com o direito à saúde dos outros (incluindo a poluição e os acidentes). Talvez tenhamos de começar por ensinar as pessoas a avaliar mais correctamente o que é um carro em boas condições e o que é uma sepultura móvel.

Acho ótimo que existam empresas que tenham um interesse legítimo em alugar mais carros ou aumentar as vendas de pneus, mas isso não deve ser resultado do consumismo, mas de uma escolha mais racional. As pessoas devem estar conscientes do risco que estão correndo, ser informadas e tomar a decisão certa como resultado. Isso seria justo para os nossos anciãos.



Adicione um comentário a partir de Carros antigos, clássicos, pilhas de lixo ou tudo ao mesmo tempo?
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.