Espírito de Montjuïc 2015

O sucesso do evento é indubitável, como atestam os números de presenças do público, que aumentaram 8% em relação à última edição: 33.818 pessoas viveram ao vivo, durante os três dias, este salto para o passado com um programa muito extenso de corridas, na sua maioria incluídas na FIA Masters Historic Racing, tendo como principal atracção o Grand Prix Spirit of Montjuïc Historic Formula 1. Sentiu a sua falta? Siga-nos nesta pequena revisão fotográfica do fim-de-semana.

57 monolugares históricos na pista ao mesmo tempo. Um prazer em vê-los e ouvi-los.


NASCAR? Não, o Espírito de Montjuïc com dois Ford Galaxy prontos para lutar na pista.

"Quando passa l'Alfa"... todos se voltam.

O Lotus 91 (um dos últimos carros de F1 desenhado por Colin Chapman) ex Elio de Angelis nas boxes, à espera de arrancar. Os mecânicos estão a usar uniformes da Lotus. A própria marca Lotus aluga todo o equipamento mecânico para que os proprietários dos históricos carros Lotus F1 possam participar nestes campeonatos.

As boxes são uma mistura heteroclita de modelos: Ford Mustang, Maserati 250F, Porsche 911, Lotus F1 e Cortina, etc.

"Tive um sentimento de déjà vu naquele momento, como se estivesse em Le Mans no início dos anos 70?

Um projecto em curso que mostra promessa: o carro de corrida Nissan GT-R R32 com o seu RB26 em exposição junto a ele.


Na categoria Sports GT, a Ferrari 459 Italia reinou suprema; basta olhar o espaço reservado no paddock para as Ferraris (quase todas da AF Corse e Kessel Racing).

No entanto, o campeonato organizado pela SRO (Stéphane Ratel Organisation) e baseado no regulamento técnico do FIA GT3 tem mais carros presentes, tais como Lamborghini Gallardo, Audi R8 e o Aston Martin Vantage GT3 do patrão, Stéphane Ratel. A propósito, lembra-se do campeonato BPR, aquele que trouxe o renascimento do GT e das corridas de enduro entre 1994 e 1996? Stéphane Ratel foi um dos organizadores, juntamente com Jürgen Barth (vencedor do Le Mans 24 Horas com Porsche de 1977) e Patrick Peter, daí a BPR.

Entretanto, no paddock, Alejandro Mesoneros-Romano (chefe de design do SEAT) conversa com José Vicente Diez, da M&M Clásicos e "Casa dos Carros", como juízes do Concours d'Elegance que teve lugar este fim-de-semana.

Pela minha parte, eu tentei ficar o mais longe possível da cabine da Spark para não comprar metade da cabine e me arruinar instantaneamente.

E eu vaguei até à exposição de carros Tintin.

Embora um dos destaques tenha sido o Grande Prémio Histórico de F1 (FIA Masters Historic Formula One Championship).


Carros do Grand Prix de antes da Fórmula 1 estarem presentes. E com que máquinas, como esta Maserati 250F conduzida pelo espanhol Guillermo Fierro.

A coisa boa do Espírito de Montjuïc é que há algo para todos. Pessoalmente, sempre me senti mais atraído pela magia de Le Mans, os GTs, o enduro e especialmente os grupos C.

Ver novamente o Mercedes Sauber C11 ex Michael Schumacher é algo muito especial.

O Jaguar XJR14 (ex Derek Warwick e Martin Brundle), conduzido pelo belga D'Ansembourg, terminou em primeiro lugar na corrida de abertura. Na segunda corrida ele não conseguiu repetir o seu sucesso e terminou em segundo lugar.

Mesmo que sejam carros históricos, ninguém deve pensar que estão simplesmente passeando pela pista, eles atacam a todo vapor.

Às vezes até demais para a mecânica...

No final, três dias deste tipo de coisas não foram suficientes. Vamos ter de esperar pela próxima edição para voltar a um paddock tão animado.

[Fotos: D.M. e Manu Lozano].



Adicione um comentário a partir de Espírito de Montjuïc 2015
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.