pistonudos.com

Volkswagen Passat TDI 150 PS Sport


Pablo Mayo Sanz
@pablomayosanz
:
:
:
:

Até agora, este ano, a Volkswagen já registrou 5.373 unidades do Passat. Apenas a Insígnia está a acompanhar o ritmo (5.175), com o trio premium de seguidores A4, 3 Series e Classe C (A4, 3 Series e Classe C). 508 e Mondeo já estão muito atrasados, com metade das matrículas que o carro Volkswagen, enquanto o C5 da Citroën tem apenas 600 unidades registadas este ano, sendo uma sombra do que veio a significar no nosso mercado.

Assim, enquanto o segmento está em perigo em nosso mercado (nenhum de seus representantes está entre os 20 carros mais vendidos), as vendas continuam a apoiar o Passat, que levou o bastão do comando anos atrás para não largar.


Curiosamente, o Passat, apesar de já ter os seus anos no topo, manteve a sua posição de domínio até ao final da vida útil da geração anterior, para ser renovado para este ano com uma nova plataforma e muitas novidades que o colocam como uma alternativa sensata aos carros "aspiracionais". Mas, para além de tomar como certo que é uma excelente ferramenta de transporte, oferece mais alguma coisa? Passamos uma semana com ele para descobrir, antes de Dani lhe contar sobre uma experiência de condução de longa distância com ele em uma funcionalidade separada.

Desenho

Esperar grandes novidades estéticas no Passat foi como esperar ver Pablo Alboran fazendo um remix com Pit Bull enquanto David Guetta faz os acordes: Improbable.

A equipa de Wolfsburg seguiu o mesmo caminho já conhecido na empresa: criar um carro imediatamente reconhecível como um Volkswagen, como um Passat para ser mais específico, valorizando o trabalho "fino" dos detalhes, o cuidado com o ajuste e o jogo com pequenos ornamentos.


Assim, após este ponto de partida, o carro começa com uma frente marcada pela horizontalidade das suas linhas, dominada por uma grelha que vai para os faróis. Esse conjunto de largura extra é combinado com as proporções do carro (marginalmente mais curto do que antes, mas mais largo e mais baixo) para "atirá-lo mais ao chão" e dar uma sensação de "mais potência".

A linha lateral é tipicamente Passat. Tem uma asa dianteira marcada com o músculo que abraça a roda, a partir do qual uma linha de estilo ascendente que corre ao longo de todo o corpo apenas à altura dos puxadores das portas. Esta linha brinca com um excelente trabalho em chapa: a parte que está acima dela, que faz o ombro, é côncava, refletindo a luz, enquanto o fundo cria uma forte sombra.

Particularmente notável é o raio desta linha de estilo. Sem querer entrar no jogo da Volkswagen de prestar demasiada atenção a estes detalhes (porque no final é o todo que realmente importa), a verdade é que mesmo os olhos menos treinados vão notar que o raio é curioso, o que é um dos mais baixos vistos na indústria, demonstrando o processo de produção trabalhado e controlado do carro, e que lhe dá aquele toque de "não sei porquê, mas dá-me a sensação de bem feito, de qualidade".

O Pilar C é mais fino do que antes. O corte da janela da porta traseira segue as formas típicas do Passat, e é inconfundível, mas a queda do teto, a altura do mesmo e a espessura do pilar C acima mencionado fazem com que o carro tenha um toque dinâmico extra. Curioso também é como os arcos dos arcos das rodas são côncavos, e não rectos, como é típico em qualquer carro, brincando com a luz e querendo marcar mais a posição das rodas.


Sem muito mais história ou ornamento chegamos à retaguarda, onde a porta da cauda e os faróis jogam em estilo alisado lançado pelo Phaeton há alguns anos atrás, e onde novamente dominam as linhas horizontais, mesmo nos gráficos das luzes traseiras, para voltar a enfatizar a largura e a sensação de "deitado na estrada".

Em suma, não é um carro ousado, chocante ou cativante. Isso não te faz virar a cabeça, o que não é ajudado pelo sério esquema de cores escolhido. É evidente que o cliente típico destes carros não está à procura disso, por isso achamos que esta é uma escolha sensata. Além disso, o ajuste entre painéis, o conjunto de raios nas diferentes partes (ver como nasce a costela de estilo na asa dianteira, por exemplo, ou como esta está alinhada com o ajuste micrométrico entre a porta traseira, asa traseira e farol), fazem com que você tenha aquela sensação, como eu disse acima, de "carro bem executado no plano de estilo".

Embora bem executado, não é um carro que te fará virar a cabeça para olhar para ele duas vezes enquanto conduzes.

De qualquer forma, por mais bem feito que seja, ainda é um carro "ninguém vai gostar", mas duvido que alguém o compre pela sua aparência. Nesse sentido, a Insígnia, a segunda aluna da classe do segmento D, embora esteja no mercado há anos, acho que ainda bate por ser ousada, ousada, diferente, dinâmica...

Interior

E se por fora o Passat "ainda é um Passat", por dentro é algo semelhante. O plano diretor de design de interiores é o mesmo da última geração, convenientemente atualizado para as novas tecnologias.


As duas maiores novidades nesta frente provêm do novo elemento de acabamento visual, sob a forma de uma ventilação falsa que liga as duas saídas de ar à frente do passageiro, que serve como uma quebra visual entre a parte superior e inferior do tablier, e o novo conjunto de instrumentos totalmente digital, que continua a espalhar-se por cada novo produto VAG que aparece, e que eventualmente irá colonizar todos os segmentos.

Há espaço para um relógio analógico clássico no centro do painel de instrumentos, mas caso contrário, não há nada de surpreendente na execução ou no design, mantendo o toque funcionalista que domina a Volkswagen em todos os aspectos da vida.

O que representa uma evolução é a secção de materiais. Não porque antes eram maus, mas agora há mais espaço para plásticos macios em grande parte do painel (apenas a consola central é poupada na sua parte inferior). Há menos botões espalhados pelo carro, e o novo sistema de infoentretenimento, que estreamos no Golfe há 7 anos, continua a evoluir para melhor. É táctil (embora o sistema de comando de voz funcione muito bem), quase não tem brilho do sol e não se perde, mesmo que lhe toque muito.

O interior segue o típico desenho da Volkswagen, executado com bons materiais e integrando o sensacional painel de instrumentos digital.

Os lugares da frente são uma alegria. Na unidade de teste tivemos as ergonômicas que são opcionais em outros aviamentos, com aquecimento, ventilação e massagem. Não consigo pensar em um lugar melhor para passar longas horas de trabalho na estrada, pois eles seguram bem o corpo, são "apenas" duros o suficiente para não te cansar, e eles te pegam na posição ideal. A ventilação, especialmente nestes dias de verão, é ótima para evitar a transpiração nas costas. A massagem, no entanto, não tem muito sucesso, actuando apenas com a almofada insuflável do sistema de apoio lombar, insuflando-a até ao topo e deflacionando-a, o que não me parece ser a melhor forma de cuidar das minhas costas. Tentei um par de vezes e não repeti.

O espaço frontal e a posição de condução são perfeitos, assim como a visibilidade, não há mais nada a dizer aqui. O mostrador do relógio? Está com óptimo aspecto. VAG diz que a do Passat é uma variante mais barata do que a usada no Huracán da Lamborghini e usada no Audi TT também. Não se consegue ver a diferença de qualidade (na minha opinião), e penso que é uma óptima ideia devido à quantidade de informação que pode ser vista. O navegador, na sua posição tradicional, é um pouco baixo, por isso ser capaz de o ter repetido atrás do volante é muito bom. É claro que você tem que aprender bem todas as opções e ter os menus sob controle, em vez de brincar com a caixa na estrada, ou você vai se perder. É fácil de aprender, é tudo muito intuitivo, e em dois dias você terá isso na mão, mas repito: você aprende enquanto está parado, não dirigindo...

Esquecendo os bancos da frente, passamos para os bancos traseiros para encontrar uma agradável surpresa. O Passat cresceu consideravelmente na distância entre eixos, o que lhe confere os bancos traseiros mais generosos do segmento. Aqui bate os três carros premium e o Opel's Insignia. A altura, embora esta "queda" pelo design externo do carro, ainda é respeitável, jogando entre os melhores da categoria, e você só pode perder alguma largura se você montar três adultos, o que não é típico.

As coisas como elas são: Se você vai usar assiduamente os bancos traseiros, especialmente com adultos, este é o segmento D a comprar, se você está procurando por conforto lá atrás. O facto de ter também ar condicionado independente para a área traseira, com os seus difusores de ar dedicados, apenas acrescenta mais um ponto a seu favor.

Os bancos traseiros e o porta-malas colocam-no como líder no seu segmento, embora o acesso ao porta-malas seja complicado, e eu apostaria antes da Variante do que o sedan para ela.

Tronco? Com 586 litros disponíveis, é o maior do segmento. É cavernoso como poucos, e você raramente precisará de mais espaço do que ele oferece. O problema fundamental é a abertura da carga. É assim que as coisas são: Os sedans de três corpos têm uma vantagem intrínseca: são mais rígidos no chassis do que um hatchback. A chapa de metal que une os lados do corpo logo atrás dos apoios de cabeça torna o monobloco consideravelmente mais sólido. Mas complica a vida, se formos enfiar objectos volumosos na parte de trás.

Embora haja espaço para parar um regimento, tentei fazer as compras semanais com o anão em casa. Colocar o carrinho "lá dentro" representou um desafio considerável, especialmente arrastá-lo até às traseiras para dar lugar às outras coisas que eu queria carregar, o que significava arrastá-lo para fora quando chegámos a casa.

Nesse ponto, se você é "um de mim" que vai carregar coisas grandes no carro, e você quer acesso fácil ao porta-malas, para colocar as coisas em "pé", eu recomendo fortemente que você opte pela variante familiar. A bota é marginalmente maior (650 litros), mas a vantagem não está no espaço (duvido que alguém precise tanto quanto o normal), mas sim na facilidade de carregar e descarregar coisas sem esforço nas costas. O corpo é menos rígido em termos de torção? Provavelmente, mas você não vai ao Col de Turini para definir o tempo mais rápido da etapa especial no Passat e vencer Ogier, vai?

Tecnologia

A plataforma do carro é a familiar plataforma modular MQB do Grupo VAG, omnipresente em todos os seus novos modelos transversais de motores dianteiros.

O Passat faz a sua estreia na plataforma modular de motores front-transverse da VAG, o MQB. Sim, está relacionado com o golfe, mas puxa a modularidade para criar um carro em proporções completamente diferentes, muito maiores.

Na unidade de teste tivemos o motor que se vai tornar a estrela da gama actual, o TDI de dois litros e 150 cv, emparelhado com a caixa de seis velocidades DSG e tracção às rodas dianteiras apenas, embora a tracção integral possa ser encomendada a pedido.

O chassi tem escoras McPherson no eixo dianteiro, com uma traseira multi-link. As molas são molas helicoidais "de toda a vida", mas opcionalmente, na unidade de teste, você pode ter um amortecimento magnetoreológico que muda suas propriedades dependendo de um seletor na cabine.

O carro é mais leve do que antes, mais rígido, mais seguro... Tudo o que se pode esperar da evolução das espécies com a mudança geracional, e integra (ou pode integrar, dependendo das opções) mil e um extras tecnológicos para tornar a vida mais confortável. Desde os faróis inteligentes de LED que seguem as curvas até à assistência automática de manutenção da faixa de rodagem, controlo activo da velocidade de cruzeiro, sistema de estacionamento automático ou tampa da bagageira automatizada.

Nada falta nesta frente, e realmente não tem nada a invejar nestes extras ao equipamento dos sedans premium, que é onde eles costumavam jogar com a vantagem e a diferença.

Comportamento

E chegamos ao aspecto fatídico quando se trata de avaliar um carro: como ele dirige. Já vimos no papel que "tem tudo" para ser o derradeiro aparelho de transporte para trabalhadores que passam muitas horas na estrada ou executivos que também querem usar o carro para a sua vida familiar.

O arranque do carro dá lugar a um motor diesel muito silencioso que mal perturba a cabine, embora existam carros mais silenciosos e suaves com um motor frio (lembre-se que no outro dia eu lhe disse que o Cherokee surpreendido pela sua insonorização... bem, ele iria bater o Passat naquela frente).

Apesar do seu tamanho, na cidade você se sente confortável com ele.

Apesar de ter quase 4,8 metros de comprimento, conduzir na rua não é problema com o novo Passat, que na cidade, acompanhado pela caixa de velocidades DSG e um Start&Stop muito bem sucedido, é um companheiro perfeito, o que também mal mostra qualquer sede de gasóleo (na cidade, a média é de 6,5 litros por 100 km, em comparação com os 5,3 prometidos pelo fabricante). Nota-se que a caixa de velocidades DSG toca um pouco estranhamente de vez em quando. Há o ocasional empurrão de um impasse que nos surpreendeu marcadamente, acostumados à extrema suavidade do Passat.

A razão deste problema é que o motor TDI tem um binário muito concentrado a partir de quase 2.000 rotações por minuto, pelo que a potência do cavalo entra em acção quando se passa de uma paragem para uma determinada velocidade, pelo que a resposta do acelerador não é linear ou progressiva, mas o carro empurra um pouco primeiro para empurrar muito mais de uma só vez. A gasolina é mais suave nesse aspecto, e pode dar-lhe uma vantagem.

Mas não é na cidade que Passats tendem a passar a sua vida útil, é na estrada aberta. Nesse ambiente, com a suspensão no modo "conforto" e todos os outros ajustes definidos para o mesmo ajuste no seletor de modo à esquerda da alavanca de câmbio, o Passat se transforma em um tapete mágico, passando por solavancos e buracos sem vacilar. As rodas seguem o perfil da estrada enquanto o corpo está perfeitamente suspenso e o nosso corpo não está fatigado de todo.

Com o controlo activo de cruzeiro, a faixa que segue o assistente e boa música pode passar metade da sua vida assim, sem fadiga acumulada. A única desvantagem que encontramos aqui é a teimosia do carro quando, após ultrapassar um carro, você quer voltar à sua faixa, pois o detector de ângulo morto quer que você deixe muitos (mas muitos) metros à frente do carro que acabou de ultrapassar, e tenta evitar mover o volante para evitar que você volte "para o seu lugar". Sim, pode desactivar a faixa de rodagem para evitar este problema, mas bastaria afinar um pouco os ajustes, porque não se trata de percorrer 300 metros na faixa em sentido contrário em cada ultrapassagem para deixar dois camiões de distância de segurança para o carro que ultrapassou.

Na estrada aberta, no modo conforto, é como um tapete voador sobre os solavancos, filtrando tudo sem quebrar a trajetória ou incomodar os rins.

Neste tipo de condução e circunstâncias podes obter cerca de cinco litros e algum consumo, com uma caixa de velocidades que funciona muito bem e um motor que, acompanhado pelo DSG, está sempre pronto para te apoiar nas ultrapassagens, com um "pé no chão" 80-120 de sete segundos e meio. No nosso sistema de pontuação, esta medida, juntamente com 0-60 em 8,7 segundos, dá-lhe 24 pontos de desempenho, um valor respeitável para um carro familiar que tem a nossa aprovação para ultrapassar e fundir. Vendo os resultados com este motor, vamos dizer que achamos que ele tem a potência e torque certos para este tipo de carro, e que optar por um menos potente condicionaria essa facilidade ao ultrapassar que tinha a unidade de teste, então eu estabeleceria como base estes 150 cavalos para avaliar a compra de um Passat.

E se começarmos a ir depressa? Aqui as coisas complicam-se. O carro, sim, tinha o "Sport trim", mas isso não significa que seja um carro desportivo, como rapidamente provou. Sempre considerámos satisfatória a nossa experiência anterior com carros de plataforma MQB, com narizes sempre dispostos a entrar em curvas e comportamento de chassis neutro e exemplar, se bem que talvez um pouco pouco pouco pouco comunicativo.

Sabíamos que com o Passat e a sua generosa distância entre eixos as coisas seriam um pouco diferentes, mas talvez um pouco diferentes demais, na minha opinião, pelo menos.

Mudámos para o modo "desporto" no selector de "personalidade" do carro. Os amortecedores tornam-se mais restritivos nos seus movimentos, a direcção ganha demasiada rigidez (excessiva por todos os motivos), mas não se ganha um pingo de informação de aderência disponível, a caixa de velocidades é colocada em modo desportivo, e a resposta do acelerador torna-se mais forte, menos linear: ligeiros movimentos do tornozelo atingem grandes mudanças de carga do acelerador.

É claro que não falta motor ao carro, mas a primeira travagem no nosso passe de teste (muito rápida, com bom asfalto), faz-nos notar que a transferência de peso para o nariz é mais lenta. Colocamos o volante e notamos que a direção é muito pesada, como eu disse acima. O carro vai para o ápice, mas mais uma vez é lento na sua progressão para o suporte. Dar gás é uma brincadeira de crianças, pois há energia mais do que suficiente.

Mesmo que você escolha o modo "Sport", as molas são o que são, são muito macias, e embora os amortecedores abrande a carroceria, o carro leva muito tempo para se inclinar ou para atacar a entrada da curva com o nariz.

A caixa de velocidades, no modo desportivo, faz "uma confusão", como dizem, porque tenta levar o motor na sua zona boa, mas às vezes fica presa nos cantos, deixando o motor baixo enquanto se viaja em direcção ao ápice para depois, de repente, retirar muitas mudanças quando se pede gasolina para sair da curva. Em modo manual parte do problema está resolvido, embora esteja longe de ser aquele DSG de incrível velocidade, pois as reduções nem sempre são feitas quando o comandas, mas por vezes demora o seu tempo entre pedi-las e fazê-las (então a mudança, em si mesma, é rápida, o tempo passa entre bater na came e realizar a operação).

Pequenos solavancos na linha fazem o carro comê-los, mas está muito seco com esta configuração amortecedora. Eles não te vão tirar da linha exageradamente, mas é como ter muito poucas viagens em suspensão. Não é convincente.

Mas porquê este problema com a suspensão? Bem, por uma razão tecnicamente lógica. A Volkswagen queria ter uma suspensão "tapete mágico" no modo conforto, por isso optou por molas relativamente macias que são óptimas quando se está a viajar em silêncio. Quando você quer ir com força, brincar com transferência de massa, atacar cantos, você pode optar por restringir o movimento dos amortecedores, mas as molas permanecem as mesmas, macias. Ao restringir o amortecimento no modo "desportivo", o que se faz é abrandar a velocidade a que as rodas se podem movimentar, o que evita os lançamentos e oscilações, mas a física é o que é, e com essa configuração de mola (que é onde o carro acaba por descansar), o Passat demora algum tempo a alcançar o apoio certo numa curva, ou o lançamento "final" em travagem.

Isto condiciona o prazer de condução. Seria necessário testar o carro com suspensão standard, pois pode ter mais sucesso nestas circunstâncias, uma vez que, na minha opinião e gosto, a combinação em "modo desportivo" de uma mola tão macia com amortecimento tão restritivo está errada, e dá a sensação de estar mal afinado.

Em qualquer caso, se você não é o tipo de pessoa que ataca a montanha passa "avidamente" esperando que o carro vá como um atirador de elite, inclinando-se da esquerda para a direita quase instantaneamente, o Passat também não vai desagradar você em curva. Não é desajeitado como um Citroën C5 pode ser, mesmo que esteja perto do seu conforto. Na verdade, dos generalistas, apenas dois carros me parecem mais ágeis nos cantos: o Mazda6 (vamos trazer-lhe o seu teste dentro de algumas semanas), e o Mondeo, ambos conseguem fazer os seus movimentos de carroçaria fluir melhor nos cantos, embora à custa de perderem um pouco de conforto.

Conclusões

Agora é hora de tirar conclusões. Você pode ficar com um mau gosto na boca por estes últimos parágrafos, mas não deixe que um pequeno detalhe o faça perder de vista o quadro inteiro.

Sendo um aparelho de transporte do ponto A ao ponto B, com espaço de carga e espaço na fila de trás dos bancos, com conforto, equipamento tecnológico e eficiência energética, o Passat está entre os melhores da sua classe, sem dúvida. Se eu tiver que julgá-lo entre os generalistas e compará-lo, eu lhe direi que neste momento ele está muito à frente em tudo ou quase tudo da Insígnia. Com respeito ao Mondeo, as coisas complicam-se, sendo dois carros muito pares, o Passat é mais confortável, com um toque dinâmico extra para o Mondeo (mas não muito, não é um Fiesta ST). O Mazda6 oferece o melhor controlo de movimento corporal do segmento, mas em acabamentos interiores, equipamento de info-entretenimento e puro conforto é um passo atrás do de Wolfsburg.

E como alternativa a um prémio? É aí que as coisas se complicam. Quando se trata de leasing para automóveis de empresas, justificar um BMW, um Audi ou um Mercedes-Benz não vem dos atributos do próprio automóvel, mas da menor desvalorização que estas três marcas têm em comparação com um Passat, que desvaloriza mais, o que significa que ao mesmo preço inicial, um "premium" é melhor financeiramente.

Mas se tirarmos a questão do leasing do caminho, e pensamos que com dinheiro privado no bolso, é claro que por mais ou menos 35.000 euros (o Passat do teste custa pouco menos de 37.000 euros), o Volkswagen vem muito mais equipado do que um prémio, uma vez que para essa taxa mal se conseguia chegar ao modelo de nível básico.

É claro que uma Série 3 oferece um comportamento dinâmico superior (e um pouco menos de conforto), mas em termos de arranque, bancos traseiros e a relação preço/qualidade do carro (em termos de equipamento) os generalistas têm muito mais a dizer, como este Passat. É por isso que às vezes parece estranho ver tantos "premium" do modelo de acesso mais básico sendo vendido (sim, é o leasing que os justifica).

Eu compraria um destes Passats? Bem, não. Certamente "faz bem tudo o que precisa para fazer bem", e para o cliente certo é provavelmente a solução mais racional. Mas é esse problema, o problema do raciocínio, que o mata. Ela é a típica aluna modelo na sala de aula, que recebe todos os A e B no colegial, que é bonita na cara, mas passa sempre despercebida. Ela não tem sex appeal, nem um carácter magnético, nem é "alguém que te irrita". No final ela não acaba roubando seu coração, e isso é o que acontece comigo com este carro. Falta-lhe carácter, personalidade, "algo de que falar". Algo por que se apaixonar.

Adicione um comentário a partir de Volkswagen Passat TDI 150 PS Sport
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.