pistonudos.com

The Grand Tour, uma revisão dos episódios 1 e 2 do ex Top Gear

Porque não podemos esquecer: o Top Gear de que tanto sentimos falta, aquele com Jeremy Clarkson e companhia, deixou de ser um produto de televisão dedicado aos fãs de automóveis há muito tempo. Em vez disso, os carros mais exclusivos do mercado se tornaram acessórios para acompanhar esses três personagens de TV em suas aventuras, como se fosse apenas mais uma série fictícia. Mas, felizmente para nós, as imagens que eles fornecem nos permitem desfrutar de nossos carros favoritos de uma forma inigualável.


Dito isto, vamos saltar as apresentações e saltar logo para os dois primeiros episódios.

PERIGO! NÃO CONTINUEM SE NÃO QUEREM SPOILERS!

Clarkson nunca minou palavras; ele não minou palavras durante seu tempo no Top Gear, e ele não minará palavras agora, quando praticamente ninguém (exceto Jeff Bezos, o CEO da Amazon que paga os salários de todos) pode culpá-lo por qualquer coisa que ele possa dizer em seu programa. Portanto, não é surpreendente que a série comece com Clarkson saindo (supostamente) da sede da BBC, sozinho, em um dia cinzento, quando a chuva não deixa, e o único ser humano que o vê sair, depois de 22 anos de serviço na rede britânica, é o zelador.

Acompanhado pelo seu guarda-chuva, Clarkson apanha um táxi para o aeroporto, enquanto ouvimos segmentos de rádio a contar as notícias da sua "não-renovação" pela BBC. Depois de aterrar no Aeroporto Internacional de Los Angeles, Jeremy pega um Fisker-Galpin Ford Mustang fortemente modificado, e enquanto conduz sozinho na auto-estrada (impossível na realidade), dois outros Mustangs, Richard Hammond's e James May's, juntam-se a ele, e juntos continuam para um deserto. No verdadeiro estilo Mad Max, o trio passa por uma caravana de mais de 150 veículos - entre os quais você verá algumas jóias de verdade - antes de chegar a uma etapa no meio do deserto. Para aqueles que conhecem um pouco da cultura americana, a cena irá lembrá-los do festival Burning Man realizado em Nevada e, na verdade, o nome da caravana, Burning Van, reflete essa inspiração. E, segundo o jornal The Sun, esta cena de abertura custou 3 milhões de euros.


Uma vez no palco, os três apresentaram-se no palco a brincar sobre si próprios, mas vale a pena notar, claro, a apresentação de Richard Hammond do seu companheiro Jeremy: "Tecnicamente, ele nunca foi despedido, por ninguém", ao que o próprio Clarkson acrescenta:

"Muito obrigado. E o bom é que é pouco provável que eu seja demitido agora, porque estamos na internet. O que significa que eu poderia dar prazer a um cavalo."

Em vez de uma brincadeira para celebrar o apresentador e sua trajetória profissional, como é o caso de seus colegas, parece mais uma máscara, escondendo o que parece ser uma necessidade premente de afirmar que ele não foi demitido pela BBC. Pelo menos, tendo visto os dois primeiros episódios, ele parece ter deixado a questão para trás. Mas conhecendo-o, não me surpreenderia se ocasionalmente ele fizesse um ou dois comentários sobre o seu antigo patrão.

Continuando com o programa, depois de nos dar um vislumbre do que nos espera nesta temporada, somos apresentados à tenda gigante que servirá de estúdio, que para cada episódio se mudará para um local diferente. O do primeiro episódio, claro, é a casa de Hollywood, o país que financia esta produção massiva.

Uma vez na tenda, acompanhamos o trio enquanto eles apresentam o formato do novo show, incluindo a rodada clássica de notícias, e uma lição sobre as diferenças entre os ingleses de cada lado do lago, onde destaco o comentário aos americanos censurando-os porque eles não sabem pronunciar a palavra francesa "coupé" (Muito obrigado! Estou cansado de ouvir os ianques dizerem "coup").


E finalmente, chegou o prato principal, aquele que foi previsto durante a última temporada do trio no Top Gear, mas que não chegamos a ver por razões que todos já conhecemos. Sim, é verdade; o evento chega tarde, quando outros (como Chris Harris) já colocaram os três carros juntos em um circuito. Mas ver o trio finalmente ter os hipercarros do momento juntos, em um único circuito, não é uma questão de dizer "eu posso fazer isso também", mas de cumprir o que eles nos prometeram aos fãs em sua anterior temporada na TV. E entregaram. O segmento começa com Jeremy e Richard numa McLaren P1 e Porsche 918 Spyder, conduzindo pelo circuito do Algarve em Portugal, e é um regresso às fantásticas vistas a que nos trataram em anos anteriores.

Pessoalmente, fiquei surpreso que com um orçamento tão grande por episódio (fala-se de quase 6 milhões e meio de euros), as cenas do circuito não estavam longe da qualidade que Chris Harris nos ofereceu com sua câmera Neil Carey no YouTube, e é que com drones é muito mais acessível para filmar tais cenas em ambientes fechados. Se por alguma razão as imagens te deixaram um pouco frio, lembra-te disto: toda a série foi filmada em qualidade 4K, e também em HDR, que ao contrário daquela invenção do 3D, tem um propósito real que todos podemos apreciar: aumentar a gama de cores que podemos ver através do ecrã. Então, daqui a alguns anos, quando todos tivermos uma nova TV, vale a pena rever este conteúdo com um sorriso.

Depois de nos cansarmos de testar os dois carros, vemo-los parar no pit lane com a câmara convenientemente posicionada para nos deixar ver a entrada do pit lane ao fundo, fazendo-nos esperar ver a entrada triunfal do hipercarro vermelho. Mas ao invés de um carro Maranello, o que vemos é um caminhão com o logo de sua marca coberto (é porque é um MAN ao invés de Iveco?) entrando no fundo para, agora sim, descarregar a bela Ferrari LaFerrari acompanhada por James May. Que cena encantadora.


É claro que agora é a vez de James desfrutar de conduzir o LaFerrari pelo circuito do Algarve, e depois de o fazer sozinho e com os seus companheiros, os três planeiam realizar uma série de testes para decidir "empiricamente" qual é o melhor carro. E que melhor forma de o fazer do que com um sprint de 800 metros em modo eléctrico, para que o LaFerrari de James May não possa participar no primeiro teste. Depois da vitória silenciosa do homem Zuffenhausen, Jeremy e Richard decidem continuar sua sessão de testes dirigindo do circuito para o hotel, e aqui James é mais uma vez deixado na mão, porque o LaFerrari que eles têm não é legal na estrada. Com James May a soprar longe da cabina do camião, Clarkson e Hammond tratam-nos de algumas cenas espectaculares da McLaren e da Porsche a percorrerem as belas estradas de Portugal, com uma esplêndida gama de cores em redor do alcatrão. Aqui podemos realmente apreciar a qualidade da produção com que as cenas foram filmadas.

Terminada a primeira parte do segmento dedicado aos três veículos mais desejados do momento, somos apresentados à nova pista de teste do programa. Chamado Eboladrome devido à semelhança do seu layout com a forma da bactéria do mesmo nome, está localizado na zona de Swindon na Inglaterra (onde a Honda fabrica o seu Civic), e para nos apresentar, vemos uma Ferrari 488 GTB a fazer a corrida inaugural. Sem dúvida, o canto mais interessante é aquele chamado "Seu Nome Aqui", que na ausência de um patrocinador, é projetado explicitamente para que os carros possam passar à deriva. Embora quando mais tarde vemos o piloto de testes fazer uma volta, ele o faz deslizando o mínimo possível. Quando o 488 GTB termina, Clarkson faz o primeiro teste no novo circuito, a bordo de um hipnótico Bayerische Motoren Werke M2. Na verdade, meus dedos congelaram só de olhar as imagens novamente para escrever estas cartas.

Para terminar o M2, o trio entrega as chaves a Mike Skinner, um ex-motorista americano da NASCAR que considera comunista qualquer veículo V8 não americano, e que é o piloto de testes da série. Parece estranho que, dado o pouco carinho que estes três historicamente professaram pelos seus vizinhos do outro lado do lago (deixo-vos um exemplo), eles tenham escolhido um americano, mas Clarkson esclarece que foi um pedido expresso da Amazon.

O seu nome é "o americano", e ao contrário do seu vizinho Stig, não só sabemos o seu nome, como também podemos ver o seu rosto.

No que diz respeito ao passeio com o M2, o nível de comentários na cabine deixou muito a desejar e não parece bom para o resto dos episódios se tudo o que Mike vai fazer é reclamar que o carro é comunista. Vamos esperar que isto mude. Pelo menos não parece que o Mike vá morrer a cair de um porta-aviões.

Depois de Richard dizer que "o melhor M[2]" é o mais lento comparado com seus primos M3 e M5, chegamos ao palco do episódio onde aparece um convidado especial. E depois de copiar muitos outros aspectos do Top Gear, como os testes de carros exóticos, a seção de notícias, o circuito interno e o piloto de testes, parece que as entrevistas dos convidados não virão, pelo menos não sem mudanças, porque Jeremy Renner, também conhecido como Hawkeye/William Brandt/Aaron Cross, literalmente mergulha de um avião para a sua morte. Depois de seu duro impacto (perdoe-me, eu tive que fazê-lo), o convidado reserva, Martelo do Exército (ele tocou os gêmeos no The Social Network), morre no deserto caminhando até a tenda mordida por uma cobra.

Finalmente, a jornalista britânica Carol Vorderman, segunda convidada do programa, é mostrada morta dentro da própria tenda. Tenho que admitir, os tiros de Jeremy Renner e Armie Hammer foram muito bons, especialmente porque justamente quando eles anunciam que vão passar para entrevistas com convidados, você se pergunta se eles realmente vão fazer alguma mudança de quando eles estavam no Top Gear. E pelo aspecto das coisas, parece que os convidados terão uma vida curta em cada uma das suas aparências.

Finalmente, chega o verdadeiro showdown

Para a última parte do episódio, voltamos a Portugal, onde o McLaren P1, o Ferrari LaFerrari e o Porsche 918 Spyder vão de cabeça em cabeça, cronómetro em mãos. Para abrir as coisas, os três se enfrentam em um sprint de 800 metros, onde a Ferrari ganha, e Clarkson começa mal depois de cometer um erro ao configurar o sistema de controle de lançamento. A corrida se repete, e desta vez é o Porsche que emerge o vencedor, com James May cometendo um erro desta vez com o controle de lançamento de sua Ferrari. Na terceira vez, a McLaren ganha. Na quarta vez, é a Ferrari que ganha. No quinto, o Porsche, e no sexto, o McLaren novamente. Finalmente, eles decidem abandonar a sua tentativa de provar qual é o veículo mais rápido a acelerar, e aqui a lógica dita que, por alguma razão fora do seu controlo, eles não poderiam anunciar um vencedor. Seria uma exigência dos três fabricantes deixá-los ficar com os carros? Muito provavelmente.

Como não podiam confiar nas suas próprias capacidades, entregam as chaves ao piloto de Fórmula E Jerome D'Ambrosio, para se aclimatarem aos três carros, e depois fazem uma volta aérea com cada um deles, para que o cronómetro coloque todos no seu lugar. Enquanto o P1 faz a sua volta, Jeremy diz que se a McLaren não conseguir a volta mais rápida, vai permitir que Richard e James demolam a sua casa. Ou ele estava a fazer batota, ou está a planear mudar-se para uma casa nova, porque dadas as imagens que tínhamos visto pelo circuito, não parecia lógico que o P1 fosse o mais rápido, e não era.

Pessoalmente, acho que a diferença entre os outros dois é tão pequena que pode ser descrita como erro do condutor, ou que D'Ambrosio simplesmente teve uma volta melhor com um do que com o outro. Os apresentadores asseguraram que os testes foram feitos com os mesmos pneus e as mesmas cargas de combustível para todos os carros, por isso seria lógico pensar que o resultado final que nos dão não é o resultado de uma única volta, mas o resultado de várias voltas com cada carro, mas é difícil de saber. No final, a melhor tracção do 918 Spyder deu-lhe a vitória.

Um segundo episódio mais televisivo, mas menos parecido com um pistão.

No início do segundo programa, temos um vislumbre de toda a equipe do Grand Tour viajando para Joanesburgo, especificamente para o local conhecido como o Berço da Humanidade. Depois de entrar na tenda, seguida da esperada piada de Richard sobre as semelhanças de Jeremy com um símio, a equipe passa alguns minutos discutindo a situação política na África do Sul. Na minha opinião, não é tão ofensivo quanto poderia parecer, mas sim engraçado; leve seria a palavra certa para descrevê-lo. Mas tudo isso acabará em breve, porque o primeiro segmento do programa nos trata de uma explosão de sons maravilhosos, produzidos pelo Aston Martin Vulcan de 12 cilindros.

É um verdadeiro espetáculo ver o canto vulcano ao redor do Eboladrome; certamente um dos melhores segmentos que a equipe já fez. Também é interessante ver como Clarkson reclama não sobre a quantidade de ruído dentro do carro, mas sobre os freios guinchantes (o que me fez lembrar suas reclamações durante a prova SLR), porque é algo que não ouvimos Chris Harris mencionar quando ele o testou para o Top Gear alguns meses atrás.

Estes são detalhes que, na minha opinião, dão valor à série porque oferecem um ponto de vista diferente, mesmo que em ambos tenhamos visto o mesmo carro. Naturalmente, Chris Harris é muito mais "motorista" do que Clarkson (na verdade ele é motorista), mas são essas pequenas coisas que fazem você sentir que a pessoa que você está assistindo na TV é uma pessoa comum, e não um super-herói cujas habilidades estão disponíveis apenas para alguns. Incluo nestes detalhes, é claro, as divertidas dificuldades que Jeremy encontrou para entrar no carro.

Depois de terminar este primeiro segmento, o piloto de testes da série Mike Skinner sobe no Vulcan para uma volta cronometrada para ver onde se encontra em comparação com os outros carros que estiveram no circuito. E a resposta é óbvia: primeiro. E ao contrário do que costumavam fazer nos seus dias de Top Gear, o Vulcan permanece na lista, mesmo não sendo um carro de rua legal. Falando de Mike, os seus comentários durante a volta foram muito mais contidos nesta segunda ocasião, até mesmo (quase) engraçados. Vamos ver se ele mantém esta linha.

Depois do segmento vulcano, temos alguns minutos com as notícias habituais, antes de começar o destaque do episódio: uma viagem à Jordânia em que o trio deve completar um exercício de resgate antiterrorista saindo de um helicóptero, eliminando terroristas em um prédio, escapando do local em um veículo para chegar a um avião, resgatar um VIP (a rainha da Inglaterra) e fugir no carro para uma embaixada (a britânica, é claro). Este é um daqueles segmentos onde há pouco, realmente, para aqueles de nós que assistem a este programa só para os carros, que somos todos nós aqui. Felizmente, não fica tão pesado como nos outros tempos. Mas sem surpresas, assim como Clarkson consegue entrar num Audi S8, é aí que termina a primeira parte do vídeo.

O episódio continua com uma conversa sobre a cultura automóvel sul-africana: no país africano, os mais pistonudos são usados para fazer os seus próprios carros. Vemos alguns exemplos - o mais curioso sendo uma espécie de BMW cuja carroçaria é feita de peças de ganga - antes de apresentar Johan Ackerman, que em 18 meses construiu a sua própria réplica do Mercedes C9, vencedor do Le Mans em 1989, usando como referência um modelo à escala 1:32 do protótipo.

É uma bela homenagem aos heróis de todo o mundo cuja paixão por carros não conhece limites, e nos dá esperança de que em seus episódios menos em forma de pistão, The Grand Tour não vai esquecer aqueles de nós que assistem à série por causa da nossa paixão por carros. Se isso não bastasse, ouvir o "C9" me teletransportou para uma visão de Michael Schumacher dirigindo seu sucessor, o C11.

Antes de passar à história principal do episódio, Jeremy e Richard deixam James em um evento de fiação na capital sul-africana; a celebração consiste em uma reunião de rua onde os participantes se envolvem na fabricação de donuts com antigos veículos com tração traseira até que seus pneus arrebentem. Você pode imaginar como o pobre James não gostou, mas eu achei interessante porque agrega valor ao fato de a caravana viajar de país para país, permitindo que o público seja apresentado a outras formas de entender o automóvel em países remotos e menos explorados no resto da cultura popular (leia-se Estados Unidos, França, Itália...).

Os rumores confirmam-se: a actriz Charlize Theron aparece, mas ocupa apenas alguns pixels na tela antes de ser atacada por um leão e morta.

Após a breve aparição do convidado especial do programa, ficamos com as cenas de perseguição do Audi S8, do local onde aterram do helicóptero para o avião, e do avião para a embaixada. Mais uma vez, pode-se ver aqui onde o dinheiro foi gasto; acho que há filmes com perseguições menos divertidas do que este. O que eu espero é que ninguém acredite que os carros explodem diante das balas porque aparecem em um programa de TV (supostamente) sobre carros, mas se alguém acreditar, nós confiamos na teoria de Darwin para resolver o assunto.

Das críticas do Jeremy ao S8 por não ter um buraco para deixar a sua arma, é melhor não dizermos nada.

E é só isso. Chega um ponto em que ver Clarkson ser baleado para a eternidade deixa de ser engraçado, mas é a licença artística que eles têm para praticamente fazer do espetáculo o que eles querem. Foram dois primeiros episódios muito sólidos, especialmente o primeiro, mas do velho Top Gear já vi episódios muito piores do que o segundo. Vamos ver o que o terceiro tem para oferecer. Até lá.

Oh, e, nenhuma menção ao longo de todo o segundo episódio sobre o estado da casa do Jeremy.

Adicione um comentário a partir de The Grand Tour, uma revisão dos episódios 1 e 2 do ex Top Gear
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.