pistonudos.com

Os padrões chineses, uma nova ameaça para a indústria

Eu li um relatório interessante da Reuters sobre o que está por vir na China. Acontece que as autoridades do país permitiam a comercialização de automóveis, tanto nacionais como importados, se cumprissem as normas externas e, portanto, não necessitavam do cumprimento das normas chinesas. Nesse sentido, o país asiático está muito atrasado, basta dizer que o padrão atual de emissões é o Euro 4, e na Europa ele foi introduzido em 2004.

A China é o maior mercado automóvel do mundo, é também o principal fabricante de automóveis do mundo. O relatório diz-nos que a Honda e a Nissan já tiveram alguns problemas com as autoridades de certificação, colocando autocolantes em modelos que já estão à venda em mercados como a Europa e o Japão. Esses solavancos podem se traduzir em muito dinheiro se as peças tiverem que ser redesenhadas.


Embora o volume vendido ali possa muito bem justificar estas remodelações, porque é dinheiro a ser recuperado, é como colocar paus nos raios da roda. Redesigns consomem recursos de P&D, e esse tempo perdido não é gasto com novas tecnologias, melhor segurança ou menor consumo. Se a China se torna arrogante e exige padrões diferentes daqueles aceitos pelo resto do mundo, o problema pode ser muito importante.

Os padrões chineses estão ultrapassados e regulam aspectos como a resistência que os pára-choques devem ter, ou a posição das diferentes luzes do veículo. Se estes padrões não se ajustam a outros padrões, é hora de redesenhar os pára-choques exclusivamente para o mercado chinês, e isso é um atraso.

Vamos voltar para o Japão, há alguns anos atrás. Todos os carros produzidos localmente tinham os espelhos retrovisores nas asas dianteiras, conhecidos como "espelhos deflectores" ou fendā mirā. Quando os japoneses queriam exportar seus carros para o exterior, eles tinham que usar o pilar A ou os espelhos das portas. Como os regulamentos japoneses aceitaram o estilo estrangeiro, por razões práticas os fabricantes adotaram um único padrão. Apenas alguns modelos não destinados à exportação do Japão, como o Toyota Century, ainda utilizam este exótico arranjo de espelhos.


O que teria acontecido se o Japão tivesse forçado todos os que queriam vender seus carros no país a adotar seu padrão? Não é bom

Precisamente o que se pretende a médio e longo prazo na engenharia é o contrário, unificar as normas à escala planetária, através das Nações Unidas, para que as normas de emissões, segurança ou iluminação sejam válidas em todo o lado: isto aceleraria o desenvolvimento, pouparia custos e impulsionaria a economia.

O outro lado da moeda é que pode prejudicar alguns fabricantes.

Alguns analistas acreditam que as autoridades chinesas estão tentando proteger seus fabricantes locais, que são naturalmente incapazes de competir com os estrangeiros. As marcas 100% chinesas estão perdendo quota de mercado ano após ano, o que é normal em linha com a globalização. Extorquir estrangeiros para fazer parcerias com fabricantes locais pela força tem servido para evitar o desaparecimento virtual de marcas indígenas. Os maiores podem aguentar, mas os menores serão de curta duração.

Os patrões chineses sabem disso, num mercado de concorrência perfeita não têm nada para fazer, a maioria deles só compete pelo preço, não pela qualidade, e fora da China dificilmente vendem. Porque é que a Europa não foi inundada por carros chineses? Os poucos que conseguiram ser aprovados deram alguns problemas de qualidade que são inaceitáveis nestas partes, por isso foram alguns milhares de unidades, e pela porta dos fundos.


Os fabricantes temem que as autoridades chinesas decidam quebrar a tendência de unificar os padrões e colocar a fiação para os estrangeiros. Outros analistas nos dirão que não, não é um movimento que irá beneficiar particularmente os locais. Mas como a torta chinesa é a mais suculenta da torta, os fabricantes terão de pular por aros vezes sem conta, o que as autoridades chinesas quiserem.

Quem diz não a um mercado de mais de 15 milhões de unidades por ano? Tens de o fazer mal para não teres um pedaço dele.

Adicione um comentário a partir de Os padrões chineses, uma nova ameaça para a indústria
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.