Apple CarPlay em profundidade

No entanto, as notícias sobre o CarPlay têm sido bastante escassas em comparação. O CarPlay também não foi muito jogado durante a cerimônia de abertura da WWDC, ou da Conferência Mundial de Desenvolvedores. E nas sessões de desenvolvimento, eles não se aprofundaram realmente nas mudanças anunciadas. Em vez disso, eles ofereceram algumas sessões dedicadas ao funcionamento interno do CarPlay, o que é raro para a Apple. Mas dada a oportunidade, vamos rever o estado actual do CarPlay com alguns detalhes do seu funcionamento interior e depois ver o que muda a marca de maçã picada está a preparar.


Status atual

Começando pelo conceito, vale a pena perguntar "o que é CarPlay?" É um método desenvolvido pela Apple para estender o sistema operacional de seus dispositivos móveis, iOS, ao sistema de infoentretenimento de nossos carros. A sua premissa é muito semelhante à do Android Auto; não foi por acaso que o CarPlay foi introduzido 11 meses antes (Junho de 2013). As verdadeiras origens do CarPlay remontam a 2010, quando a Apple e a BMW anunciaram um acordo de colaboração cujo fruto foi o "iPod Out", uma funcionalidade que permitiu a certos carros da marca bávara exibir a interface de um iPhone ou iPod no seu sistema de infoentretenimento. Através dele, os motoristas da BMW poderiam acessar a biblioteca de músicas do seu dispositivo iOS e navegar na tela do seu carro usando os próprios controles do veículo. O iPod Out seria lançado em 2011, e quando fosse estendido aos veículos Mini, ele seria chamado de "PlugIn".

Hoje em dia no CarPlay está disponível em mais de 100 modelos de 40 fabricantes diferentes, incluindo a Ferrari, devido ao facto de Eddie Cue, Vice-Presidente Executivo de Software e Serviços de Internet da Apple, pertencer ao conselho de administração da marca Prancing Horse desde 2012. Em qualquer caso, a crescente disponibilidade do CarPlay em veículos novos, como o do Android Auto, é suportada pelo facto de a maioria dos fabricantes optarem por ter ambos os sistemas disponíveis nos seus carros, para que alguém não compre um Honda NSX porque tem um Samsung em vez de um iPhone. A Ferrari, devido aos seus laços de gestão, é um exemplo de um fabricante que optou por apenas um sistema.


Como é que funciona?

Quando entrarmos no nosso carro e nos sentarmos, se ligarmos o nosso iPhone através de um cabo USB, veremos a interface CarPlay assumir o controlo do sistema de infoentretenimento do nosso veículo. Isso não significa que toda vez que conectarmos nosso iPhone teremos necessariamente que usar o CarPlay; se sairmos do CarPlay com nosso telefone conectado e não voltarmos, a próxima vez que conectarmos nosso iPhone CarPlay respeitará nossa preferência para usar o sistema de infoentretenimento do nosso carro. Se, por outro lado, da última vez que o nosso iPhone foi conectado, o CarPlay tinha o controle da tela do nosso sistema de infoentretenimento, ele retornará quando voltarmos a conectar o iPhone.

Este comportamento também se estende ao uso dos alto-falantes; se a última vez que nosso iPhone foi conectado, ouvimos música através do CarPlay, quando o conectamos, a reprodução é retomada. Se, por outro lado, mesmo com o iPhone ligado estávamos a ouvir música através do sistema de infoentretenimento do carro, ligar o iPhone novamente não vai afectar a reprodução. Portanto, CarPlay compartilha com o sistema de infoentretenimento do nosso carro o controle da tela, alto-falantes e microfone, respeitando a todo momento nossas preferências de uso. Ou seja, podemos ouvir música do CarPlay mas manter o sistema de informação e entretenimento do nosso carro no ecrã, e vice-versa.

Software

Em termos de aplicações, o CarPlay satisfaz as necessidades básicas: chamadas, acesso a calendários, mensagens através do serviço iMessage da Apple, navegação curva a curva com o Apple Maps e música através do Apple Music ou de aplicações de terceiros. Através do seu sistema de reconhecimento de voz, poderemos digitar mensagens sem tirar os olhos da estrada, e o próprio assistente de voz da Apple se encarregará de ler as mensagens recebidas para nós. Quando se trata de funcionalidade básica, CarPlay e Android Auto estão no par.


O curioso acontece quando decidimos puxar a cortina que é a interface do usuário, e olhar para o que está por trás dela. Tenho sido um programador profissional de aplicações Android e iPhone, por isso a minha visão dos dois sistemas vai além das simples diferenças ao nível do utilizador. E deste ponto de vista, ambos os sistemas operacionais móveis têm muito em comum: eles implementam os mesmos conceitos, o que significa que praticamente tudo o que você pode fazer com um pode ser feito com o outro. Quando um se antecipa à curva com uma melhor implementação ou uma nova funcionalidade, no prazo máximo de um ano ou dois, aparece no outro. CarPlay e Android Auto são exemplos disso: primeiro a Apple o anunciou, um ano depois o Google o fez.

E porque te estou a dizer isto? Porque as diferenças internas que eu vejo entre CarPlay e Android Auto são ainda menores. Tal como no Android Auto, no CarPlay todo o vídeo e áudio emana do iPhone, por isso a premissa permanece: para actualizar o CarPlay não é necessário actualizar o carro, é necessário actualizar o sistema operativo iOS do seu telefone. E em relação aos aplicativos de terceiros, acontece que a Apple e o Google decidiram restringi-los da mesma forma: nenhum aplicativo de terceiros pode projetar sua própria interface de usuário. E os únicos aplicativos que são permitidos por enquanto, são reprodutores de áudio como os que usaríamos para música, rádio e podcasts.

O que é que isto significa? Que um reprodutor de áudio que queira aparecer na tela do CarPlay simplesmente lhe envie a lista de possíveis conteúdos para tocar e, uma vez que o usuário escolha uma música, o CarPlay pedirá a esse aplicativo para tocar esse conteúdo, mas sem desenhos específicos de IU. O resultado? Aumento da segurança, como discutimos no caso do Android Auto, mas para o usuário todas as aplicações acabam parecendo iguais.


Os próprios aplicativos dos fabricantes, que são incorporados ao CarPlay, recebem uma menção à parte, mas não são aplicativos de terceiros, por isso vamos discuti-los abaixo.

Requisitos fundamentais

A Apple declara uma série de requisitos mínimos que devem ser cumpridos pelo sistema de infoentretenimento em automóveis que qualquer fabricante queira tornar compatível com o CarPlay. Esses requisitos se encaixam em cinco categorias: display, alto-falantes e microfones, métodos de interação do usuário, sensores e conexão com um iPhone. As duas primeiras categorias são muito lógicas; para exibir a interface CarPlay, o carro precisa ter um touchscreen com uma boa resolução (o mínimo suportado é 800×480 e o máximo 1920×1080 ou Full HD).

Quanto aos altifalantes, também é necessário que o veículo tenha pelo menos dois canais de áudio, um principal e um para notificações, para que, por exemplo, o utilizador possa ouvir música e, ao mesmo tempo, receber instruções do navegador para seguir o percurso desejado. O microfone é essencial para poder realizar tarefas utilizando o reconhecimento de voz. E como a conexão física com o iPhone é óbvia, vamos focar no mais interessante: os métodos de interação do usuário e os sensores.

O CarPlay suporta três métodos de interacção do utilizador: o ecrã táctil, os botões e controlos do próprio carro e o reconhecimento de voz. O reconhecimento de voz, claro, é realizado pela assistente Siri da Apple. Siri, como qualquer bom assistente digital em 2016, não se limita apenas a ler as nossas mensagens recebidas e a ajudar-nos a responder por voz enquanto conduzimos, mas também pode realizar acções como mudar a estação de rádio, tocar música de um determinado artista, encontrar rotas para o nosso destino, ligar para um contacto, mostrar-nos a agenda do dia e assim por diante.

A Apple requer que o Siri tenha um botão físico no volante para que o usuário possa acessar este assistente a qualquer momento, explicando que o acesso ao Siri é o equivalente no carro do botão que nos leva ao ecrã inicial dos nossos smartphones. Caso o sistema de infoentretenimento do carro tenha seu próprio sistema de reconhecimento de voz, o Siri pode ser ativado por um longo aperto do botão (cerca de 600 milissegundos), para que o usuário possa acessar os dois sistemas quando um iPhone estiver conectado ao carro.

Quanto aos sensores, o CarPlay precisa saber sempre a velocidade do carro; o porquê e o que usa esta informação não está especificado. Não é difícil imaginar que o CarPlay possa usá-lo para enviar uma mensagem SOS se detectar uma colisão ao abrandar abruptamente, mas não temos mais nenhuma informação sobre isso. Se o carro tiver sistemas de posicionamento por satélite como o GPS, é necessário que o CarPlay tenha acesso a essa informação. Além disso, se houver sistemas de posicionamento no carro, CarPlay requer o uso de GPS (sistema americano) e GLONASS (sistema russo), e também recomenda o uso do sistema de posicionamento Galileo (sistema europeu).

Modo sem fio

A primeira alteração significativa que a Apple introduzirá no CarPlay será a possibilidade de utilizar este sistema sem fios. Ou seja, poderemos deixar o nosso iPhone no bolso ou no porta-luvas do carro e ver como o CarPlay é activado no nosso carro depois de o desbloquear e de nos sentarmos nele sem fazer absolutamente nada. Independentemente de ligarmos o iPhone sem fios ou com fios, o CarPlay respeitará a nossa decisão de controlar a visualização e a fonte de som do sistema de info-entretenimento. No entanto, provavelmente levará mais tempo para que o carro detecte a presença do iPhone sem fio do que quando conectado por um cabo.

Como é que se faz a ligação? Se você se lembra do nosso extenso artigo sobre o Android Auto, nós explicamos porque optamos pelo Google para implementar o modo sem fio do Android Auto via Wi-Fi e não via Bluetooth. Nesse caso, o Google não detalhou como o recurso seria implementado. A Apple, por outro lado, explicou como o fará: é através de uma combinação de Bluetooth e Wi-Fi. O Bluetooth será utilizado para iniciar as comunicações entre o carro e o telefone e, uma vez estabelecidas, mudará para uma ligação baseada em Wi-Fi para transmitir os dados em si, cortando a ligação Bluetooth.

Lembre-se de que o iPhone deve transmitir para o sistema de infoentretenimento do carro todo o vídeo e áudio, onde o vídeo requer uma grande quantidade de dados para exibir cada pixel na tela. Além disso, é essencial que a latência ou o atraso entre a interação do usuário, seja através da tela ou de um dos controles, com o carro seja o mais baixo possível, pois caso contrário o usuário perceberá imediatamente essa espera. E como todos sabemos, se há uma coisa que nos frustra a todos quando usamos qualquer tipo de sistema de computador, é entrar num comando e ver que ele não é executado imediatamente.

Além de Wi-Fi e Bluetooth, a Apple aponta que um pré-requisito para o modo sem fio é que o carro tenha seu próprio sistema de rastreamento via satélite. Isto porque, segundo a Apple, no modo sem fio as chances do iPhone estar em um bolso ou bolsa são muito altas, então o telefone terá dificuldade para detectar sua posição. Para que o usuário possa contar sempre com o correto funcionamento dos mapas, é necessário que o carro atenda a este requisito. No caso de uma conexão com fio, o CarPlay usará os sensores de geolocalização do iPhone se o carro não os tiver.

Dado este requisito, é possível que apesar de termos o CarPlay no nosso carro, se não tivermos o kit de navegação, não poderemos desfrutar do modo sem fios. E mesmo que o tenhamos, resta saber se a exigência de sistemas de geolocalização por satélite se aplica retroactivamente a todos os carros no mercado com o CarPlay; se surgir uma incompatibilidade para carros já na estrada dentro de alguns meses, não me surpreenderei de todo.

Navegação curva a curva no painel de instrumentos

Este é um ponto em que a Apple quase não quis dar detalhes. Como o CarPlay faz parte do sistema operacional iOS e esta melhoria foi introduzida juntamente com a nova versão do iOS 10, é possível que tenhamos mais detalhes por volta de setembro. Mas por enquanto, o que sabemos é que a Apple está melhorando o modo de navegação em seu aplicativo Apple Maps para iOS e que essas mudanças serão refletidas no CarPlay.

No iOS 10, a navegação oferece uma melhor visão da rota à frente, "zooming in" quando nos aproximamos de uma curva e zooming out quando alcançamos uma reta ou uma estrada/estrada que não temos que sair logo. Também podemos avançar ao longo da rota para ter uma ideia disto e ao mesmo tempo ver quais são as áreas de maior e menor densidade de tráfego. Finalmente, CarPlay nos oferecerá rotas alternativas (mais rápidas) se depois de escolher uma, o sistema encontrar uma rota mais otimizada.

No carro, e como visto na foto acima, é adicionado que o CarPlay será capaz de exibir as instruções do percurso a seguir na tela auxiliar do painel de instrumentos. Entendemos que este novo recurso pode não ser possível nos modelos existentes após a atualização, a menos que o uso de tal recurso de carro tenha sido planejado a partir da primeira versão do CarPlay. O acesso a um novo recurso in-car envolve o uso de protocolos de comunicação com o carro para decidir quem vai usar aquela tela, semelhante à forma como o sistema de infoentretenimento e o iPhone se comunicam para decidir quem fica com o controle da tela no meio do painel de instrumentos.

De qualquer forma, parece que a Apple, ao contrário do Google, ainda não está pronta para assumir o controle total do painel de instrumentos, ou que decidiu não ir por esse caminho, então o CarPlay estará limitado, de acordo com o que vimos, a ajudar-nos a seguir o nosso caminho sem olhar para o painel de instrumentos, mas sim para o conjunto de instrumentos.

Mensagens via Siri e Aplicações do Fabricante

Na secção "Software" da secção "Current Status" mencionámos que o CarPlay apenas permite aplicações de terceiros que sejam leitores de áudio, enquanto o Android Auto adiciona a possibilidade de ter aplicações de mensagens de terceiros, tais como o WhatsApp e o Telegram. Além disso, no nosso extenso artigo sobre o Android Auto também mencionámos que o Google está a trabalhar na incorporação de aplicações adaptadas a cada veículo.

O problema de permitir aplicativos de mensagens de terceiros no CarPlay está na Siri, que trata tanto do reconhecimento de voz quanto da transcrição da mensagem do usuário para entrega sem a necessidade de o usuário tirar as mãos do volante. O Siri é um problema porque até a conferência de desenvolvedores realizada recentemente, não havia API ou interface de programação para que outras aplicações pudessem ensinar o Siri a realizar ações com eles. Por exemplo: se dissermos à Siri para "mandar um SMS ao Javier", ela sempre usará o aplicativo de mensagens da Apple, iMessage. Agora, com a API que acaba de ser anunciada para a próxima versão do iOS, um aplicativo como o Telegrama pode ensinar a Siri para que possamos dizer "envie uma mensagem para Javier via Telegrama" e ter o comando reconhecido corretamente.

Esta API agora torna possível aplicações de mensagens de terceiros para o CarPlay. Lembre-se que tanto a Apple quanto o Google controlam a interface do usuário o tempo todo, tanto para aplicativos pré-instalados quanto para aplicativos de terceiros, portanto a cola que nos permite usar outros aplicativos para enviar mensagens enquanto mantém a interface padrão é o reconhecimento de voz, um problema que a Apple acabou de resolver para a próxima versão do CarPlay. Portanto, a Apple anunciou que os aplicativos de mensagens de terceiros serão oficialmente suportados na próxima versão.

Quanto aos aplicativos feitos pelo fabricante do veículo, eles foram permitidos pela Apple desde o lançamento do CarPlay, e são publicados pelos fabricantes como aplicativos para o iPhone na App Store e após serem instalados em nosso telefone aparecem como mais um na tela principal do CarPlay. É provável, embora não tenhamos a certeza, que eles tenham privilégios dentro do sistema operacional para acessar APIs não permitidas para aplicações de terceiros. Por que eu acho isso? Porque, para começar, esses aplicativos poderão desenhar suas próprias interfaces de usuário na tela, algo que aplicativos de terceiros não podem fazer. Assim, também é viável que estes aplicativos tenham acesso a todos os dados do carro que o CarPlay conhece, tais como velocidade do veículo e informações de localização.

O que posso dizer é que a partir de agora as aplicações do fabricante terão acesso à Siri, abrindo-lhe a possibilidade de lhe pedir para executar tarefas relacionadas com o carro. Por exemplo, se essa informação estiver acessível ao CarPlay (porque a unidade de controle correspondente do carro a envia para ele), podemos perguntar à Siri sobre o estado da pressão dos nossos pneus, ou para nos dizer o consumo médio de combustível durante a viagem. Estes são pequenos detalhes que, mais uma vez, podem manter os nossos olhos fora da estrada, mesmo que por apenas alguns segundos. E se a interface entre o carro e o CarPlay o permitir, talvez no futuro possamos pedir à Siri para baixar todos os vidros do carro, ou para os levantar e ligar o controle climático a uma certa temperatura, para dar exemplos.

Naturalmente, quanto mais integração, mais cuidadosos devem ser os fabricantes e desenvolvedores (neste caso, a Apple e o Google) com a segurança. E se aprendemos alguma coisa até agora, é que qualquer um pode ter um lapso (ou dois), e, portanto, teremos sempre hackers para descobri-los.

Conclusões

Para quem está lendo isso, o CarPlay não funciona com um iPad , então você pode parar de pensar em como vai conectar seu iPad ao seu carro e deixá-lo lá para não ter que usar seu iPhone. Você também não poderá acoplar o seu iPad Mini ou iPhone 6/6s Plus ao painel e ter o CarPlay ao lado do painel de instrumentos porque não existe tal funcionalidade; isto é algo que não vejo a Apple adicionando, mas quem sabe?

Pessoalmente, a mensagem que estou tirando desta conferência de desenvolvedores da Apple é que o CarPlay não tem recebido muita atenção. Tem-se falado muito nos últimos anos que a Apple tem uma equipa de desenvolvimento de software muito limitada em comparação com outros gigantes do Vale do Silício, e que estas equipas são por vezes arrancadas do seu trabalho quotidiano para apoiar outra equipa mais importante. Duvido muito que o CarPlay tenha a sua própria equipa; pelo contrário, penso que é uma característica extra do iOS que foi muito importante no lançamento, e que agora se estão a concentrar noutras coisas.

Quem sabe se eles estão ocupados a trabalhar mais no sistema de infoentretenimento do carro deles. Também é verdade que a Apple não costuma falar sobre seus planos até que eles estejam prontos, então talvez daqui a alguns meses estejamos falando sobre mudanças que não foram anunciadas na conferência de desenvolvedores, mas que chegaram à versão final. Até lá, estaremos assistindo até que essas mudanças anunciadas vejam a luz do dia com o lançamento do iOS 10 e do novo iPhone por volta de setembro.



Adicione um comentário a partir de Apple CarPlay em profundidade
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.