10 erros que você pode evitar antes de passar o ITV (II)

6 Opacidade da fumaça / diesel / tubo de escape com um furo no sistema de exaustão

Vamos começar com os fumos dos veículos a gasolina.

Se o veículo não for catalisado, apenas o valor de CO (monóxido de carbono) à velocidade de marcha lenta sem carga é verificado. No entanto, se o veículo for catalisado, os valores de CO são analisados tanto em marcha lenta como acelerada, bem como o valor Lambda, que indica a diferença entre a gestão da mistura que entra no motor e a teórica (mistura estequiométrica). O número ideal é 14.7:1.


A condução não tem tanta influência nos carros a gasolina como nos carros a gasóleo quando se trata de passar no teste de fumo.

A forma de passar um veículo a gasolina com garantias é que o veículo esteja quente e todos os elementos que influenciam a combustão e o tratamento dos gases estejam em bom estado (filtros, velas de ignição, conversor catalítico, tubos de escape sem furos, etc.).

Nos veículos a diesel apenas é medido o valor da opacidade. Como o seu nome sugere, é um valor que indica a opacidade da fumaça do veículo. O método consiste em introduzir a sonda através do tubo de escape do veículo e mudar o motor para o corte da bomba. Os gases de escape são então passados através de uma máquina que mede a opacidade através de um raio laser. Pode parecer um método um pouco "básico", na verdade é, mas é a única forma de verificar os fumos de uma forma simples e rápida.

E agora aqueles de vocês que têm "lulas", podem perguntar: Qual é o limite de opacidade do meu veículo?


Boa pergunta. É o fabricante que deve indicar este limite. A forma de o indicar é através de um número que pode ser localizado, dependendo do fabricante, na área do motor, nos caixilhos das portas, etc. Também pode ser indicado de muitas maneiras diferentes, seja com um autocolante, ou estampado na placa do fabricante, etc.

Se o veículo não tiver uma placa, o valor limite é tomado como indicado no Manual de Inspecção, que normalmente é menos restritivo. Agora, a partir de Maio de 2017 (para aqueles que não sabem em que dia vivem, como eu, é daqui a um mês e um pouco), se não tiverem esse número em qualquer parte do veículo, será notado como um pequeno defeito no relatório de Inspecção. Um lembrete de que pequenos defeitos não significa que não passaremos a MOT.

O problema surgirá em maio de 2018, quando a ausência deste número for um Defeito Grave. Então, sim, nós não passaríamos na inspecção.

Esta casuística é ainda mais agravada quando se tem em conta que o primeiro ITV é de 4 anos (na maioria dos casos). Vamos imaginar que compramos um veículo ontem, e nos primeiros quatro anos temos de mudar uma parte em que esse número é anotado. Nós iríamos à ITV sem este número porque eles não nos avisaram que quando formos à ITV será um Defeito Grave. Intolerável.

O ideal é saber onde este valor está localizado e comunicá-lo no ITV ao passar a inspecção se a pessoa que verifica o carro não o encontrar.


Como dica para passar favoravelmente no teste de fumaça do diesel, a recomendação é ir para uma viagem com o motor em altas rotações (sem correr e sem fazer nada selvagem). Evite os típicos conselhos de cunhado "sabichão", tais como deitar um litro de gasolina.

Uma limpeza do filtro de admissão pode fazer milagres (se estiver muito sujo não deixa entrar ar no motor e quando se acelera é injectado mais combustível do que é capaz de misturar e são geradas mais partículas). A limpeza do EGR também poderia ajudar, se nos oferecemos a cancelar é conveniente saber que em muitos casos o cancelamento envolve a luz MIL na tabela (falamos sobre esta testemunha na parcela anterior).

7 Cintos de segurança e portas

Todas as portas do veículo devem abrir-se tanto por dentro como por fora. Eles devem ser verificados, porque em caso de acidente, se uma porta for desactivada, pode impedir-nos de sair do veículo pelos nossos próprios meios e acabar em tragédia.

Algo semelhante acontece com os cintos de segurança. Deve haver tantos cintos de três pontos (os mais comuns nos carros) como assentos no veículo, tanto o cinto como a fixação devem ser acessíveis, e devem vir com a etiqueta de aprovação. Em veículos mistos se o cinto estiver integrado no próprio assento (no caso de algumas pessoas portadoras) para ver os assentos você só precisa ver as fixações dos assentos. Nos veículos em que o cinto de segurança está integrado na carroçaria, o cinto de segurança não pode ser removido. Isso significaria o cancelamento de um assento e seria considerado uma renovação.


8 Placas de matrícula

As placas numéricas devem ser de um tipo aprovado, devem estar em bom estado e o número deve ser perfeita e completamente visível. Existem veículos cujas matrículas estão mais expostas aos elementos, pelo que devem ser verificados com maior frequência. Também é comum que o sol apague a área da placa de matrícula onde indica que é espanhol e que pertence à União Européia. Se isto acontecer, também é considerado um Defeito Grave.

Antes de ir para a ITV é aconselhável verificar se a placa de matrícula está completamente legível. Se verificarmos que está errado e que é necessário substituí-lo, verificaremos também se foi feito correctamente e se coincide completamente com a chapa de matrícula que aparece na ficha técnica.

Como conselho, você não deve pintar a placa de matrícula para restaurar qualquer número, nem deve colar qualquer tipo de adesivo nela.

No caso das motos, os suportes da placa de matrícula devem cobrir todo o perímetro da placa de matrícula, caso contrário pode ser considerado como uma aresta afiada e seria um Defeito Grave.

9 Pneus

Poderíamos fazer um capítulo inteiro sobre pneus, mas vamos tentar resumir um pouco e tentar explicar os Defeitos Graves mais comuns.

Os pneus contêm núcleos de desgaste da banda de rodagem. Até agora, tudo bem. O que acontece é que muito poucos carros pisam correctamente, devido a paralelos mal feitos ou porque muitos carros têm câmara e piso negativo no interior do pneu. Muitas vezes isso leva ao erro, já que o exterior do pneu parece novo e o interior pode estar mostrando a lona com seus arames (Defeito Muito Grave).

Os pneus não têm - a priori - data de validade, pode haver pneus fabricados há dez anos que são "finos" e pneus fabricados há quatro anos que são rachados * ou cristalizados, tudo depende da qualidade do composto e se o pneu foi enrolado muito (geralmente não rachado porque estão muito tempo na temperatura ideal) ou pouco (geralmente rachado porque não atingem a temperatura ideal de funcionamento e a borracha está se deteriorando). Os fabricantes recomendam uma verificação anual dos pneus se os pneus tiverem mais de cinco anos de idade.

NOTA: O termo fissurado aplica-se a um pneu que não está cristalizado mas que apresenta sinais de envelhecimento, tais como fissuras tanto na banda de rodagem como no flanco.

Tamanhos de pneus incorrectos

Os pneus que devem ser montados no automóvel são os indicados pelo fabricante tanto na ficha técnica como na ficha reduzida, ou um equivalente (+/- 3% de rodagem por rotação) a qualquer um dos mencionados, mantendo ou excedendo os códigos de carga e velocidade.

Existem veículos que não possuem códigos de carga e velocidade na ficha técnica. Há uma lenda que diz que se não houver código de carga e velocidade na folha de dados técnicos, podemos montar os que quisermos. Isto não é verdade. O fabricante pode não o ter escrito, mas há sempre um mínimo que deve ser cumprido.

O código de carga indica o peso máximo que o pneu irá suportar por roda. Se houver duas rodas no mesmo eixo, a soma desses valores de peso nunca deve exceder a Massa Máxima Autorizada desse eixo. Quanto ao código de velocidade mínima, deve ser aquele especificado pelo fabricante na ficha técnica ou na ficha técnica reduzida. Se não estiver disponível, para carros de passageiros (M1) e camionetas com MMA inferior a 3500 kg (N1) é Q, válido para 160 km/h.

Os pneus de Inverno (M+S) devem ser pelo menos Q e se o código de velocidade do veículo para pneus convencionais for superior, deve ser colocado um autocolante no painel de instrumentos para alertar o condutor de que está a utilizar pneus de neve e não pode exceder a velocidade desse pneu.

10- Recauchutagem

Como mencionado no primeiro artigo da série ITV, as modificações devem ser anotadas na ficha técnica. Se tivermos uma reforma anotada e fizermos uma modificação para voltar ao estado original, devemos também passar pela ITV para anotar a respectiva desmontagem. Tomemos um exemplo prático: o nosso veículo tem alguns espaçadores anotados na folha de dados técnicos, mas estamos cansados deles. Se formos para a ITV sem eles não passaríamos favoravelmente, embora tenhamos voltado à configuração original. O mesmo se aplica às barras de reboque (também devem ter a vinheta de identificação e corresponder aos dados anotados na folha de dados).

Finalmente, gostaria de terminar com uma reflexão sobre uma frase típica ouvida na ITV: "Dê uma boa olhada porque estou carregando meus filhos nela". Os carros são sempre bem vistos, mas quando há um Defeito Sério e o cliente tem que gastar dinheiro e voltar, algumas pessoas não pensam mais que seus filhos estão nela.

Com esta série de falhas queremos, e queremos, ajudar, não só a passar o ITV, mas também que a nossa família vá em segurança no veículo que conduzimos.

Recordamos também que ter um veículo implica uma série de deveres, e um deles é tê-lo em bom estado de circulação para não ser um perigo para si ou para os outros. A intenção desta série de entradas para vir é aproximar o utilizador do ITV. O ITV é, ou deve ser, um local onde podemos ir com quaisquer perguntas ou para nos informar antes de fazer mudanças que possam envolver reformas.



Adicione um comentário a partir de 10 erros que você pode evitar antes de passar o ITV (II)
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.