pistonudos.com

Todas as cabeças de gasolina estão erradas.

E a realidade pode ser muito dura. Veja o que está acontecendo com os carros nos últimos anos. Muitos carros desportivos estão a desaparecer, downsizing, SUVs, limites de velocidade apoiados por helicópteros com tecnologia militar, condução semi-autónoma... Menos e menos fabricantes nos apoiam como clientes alvo, porque ladramos muito, mas mordemos pouco.

No final, os planejadores do produto pensam se faz mais sentido satisfazer a esmagadora maioria das pessoas que tossem o dinheiro, ou uma minoria que gosta muito, baixar imagens para decorar suas mesas e conhecer o diâmetro das porcas do motor, mas não compre muito! Estas pessoas não dão dinheiro aos fabricantes, especialmente se compram modelos descontinuados de quarta e quinta mão que depois não pisam nas oficinas oficiais.


Não tenho complexos em admiti-lo, tenho uma grande boca. Se dependesse de mim, eu teria na minha colecção privada um Toyota GT 86, um Mazda MX-5, um BMW M235i, um Ford Mustang 5.0 V8, um Chevrolet Camaro 6.2 V8... e um Abarth 500 Biposto para fazer recados e conduzir ao longo da M-30 no corte de injecção. No fundo, o meu salário só é suficiente para comprar aqueles carros na escala 1:24. E tenho mais dois anos de contas para acabar de pagar o Prius.

Tenho a tendência de resmungar e protestar que cada vez menos fabricantes estão fazendo carros que eu gosto e cada vez mais estão fazendo coisas que eu detesto profundamente. No final, não sei se é por loucura, desarranjo mental temporário, conselhos vinculativos da minha futura esposa ou o alinhamento dos planetas, vou acabar com uma caixa de três cilindros, tração dianteira, engrenagem automática, com rodas de 20 polegadas e Internet instalada no painel para ouvir toda a discografia de Leonard Cohen no Spotify.


No outro dia um dos meus colegas de turma lembrou-me de uma verdade horrível, em todo o ano de 2015 apenas 50 Toyota GT 86 e Subaru BRZ foram registados em Espanha. Eu digo estes modelos porque são um bom exemplo de carros para fabricantes generalistas que quase ninguém compra. Os Premium fazem carros que eu também gosto, mas até que eles depreciem uma barbaridade eu só poderei babar quando os vir. E cuidado, 2015 foi o melhor ano de inscrições desde 2008.

Às vezes os proprietários de SUV me dizem, não sem muita razão, que com a quantidade de solavancos de velocidade urbana, problemas de costas generalizados na população, tantos limites de velocidade que não se pode saltar, tanto radar e tanta merda, por que diabos eles iriam querer um desses carros. Eles vão tão silenciosamente nos seus SUVs, com medo do DGT, com espaço para todas as coisas que vão carregar duas vezes por ano. Idiotas como eu vão ter de fazer solavancos muito lentamente, e se eu tivesse solavancos, eu faria solavancos à mesma velocidade que as tartarugas, ou destruiria a parte de baixo do corpo.

Também me disseram que no outro dia um leitor, com uma ortografia e gramática digna de alguém que foi largado numa ilha nos anos 40 sem saber ler ou escrever, e que acabou de se deparar com a equipa de filmagem de "Adão e Eva". Ele me disse: "Se você não consegue passar os limites de velocidade, por que quer tantos cilindros?" (a frase original que eu traduzi para o inglês). A BMW tem razão, e eles têm razão em fazer carros com tração dianteira de três cilindros, é o que o mercado pede, e pode ser muito premium com a combinação certa de estofados e contrastes interiores. Isso é o que importa, as pessoas normais não querem saber do resto, nem mesmo se elas próprias as iriam desmontar.


Começo a pensar que devo cumprir o meu dever como cidadão e atirar a Supra para um ferro-velho, é um carro velho, obsoleto e poluente, a ANFAC não está errada. Um diesel pode gastar a metade e eu poderia movê-lo mais de 2.000 quilômetros por ano, e com o que me dão do PIVE eu poderia comprar mais alguns pneus reshulonas para o meu próximo petroleiro. Normalmente não conduzo pela M-30, nem vou a Madrid durante episódios de alta poluição. Mas como disse Quixote ao Sancho, onde você vai fazer como quiser, já que vou poluir, eu faço como todo mundo, com um bom diesel que foge dos limites legais. Para não estar desafinado.

Não quero mais me sentir estúpido quando sou parado pela Guardia Civil depois de entrar numa rotunda com o Prius em três rodas. Da próxima vez que for parado com um SUV, poderei argumentar que estava a 40 km/h -o'clock- e que o carro começou a cair por razões fora do meu controlo, é que o carro anda assim.

Se os fabricantes estão fazendo cada vez mais carros lógicos, eficientes e espaçosos, eu devo estar errado. A tracção traseira não é perceptível no dia-a-dia, e é melhor ter um bom carro com tracção dianteira com uma cabina mais espaçosa, no caso de voltar a engordar e de faltarem centímetros. Além disso, nenhuma mulher vai querer começar uma família comigo se eu não tiver um SUV, ela vai pensar que eu não valorizaria a minha prole. E ela procurava outra pessoa com um SUV, com certeza, sou velho demais para os caprichos da adolescência.


Vou esmagar os detectores de radar com martelos. Vou comprar um SUV a gasolina de três cilindros que vai definir a velocidade máxima dependendo do sinal, e não terei de fazer nada quando me distrair a olhar para a paisagem. Então, poderei começar a desligar-me da condução até ao dia em que um carro conduza só para mim. A este ritmo, como jornalista motorizado não tenho futuro, deveria procurar um emprego em uma mídia que fale de telefones celulares, artigos para vestir e geladeiras com Internet IPv6.

Lá você tem os americanos e os orientais, alguns atrasados, que ainda insistem em fazer grandes motores, colocar tração traseira que os clientes não apreciam, ou fazer projetos que estão desatualizados a cada cinco anos. Os alemães sabem, o mesmo design repetidamente, com mudanças na linguagem, dão coerência e solidez, e seus carros são sempre reconhecidos. Que diabos, os alemães fazem os melhores carros do mundo, é por isso que há tantas conspirações contra eles.

Também estou errado sobre o GLP, o dia em que menos espero que meu carro voe para longe, como aquele taxista em Barcelona. Tudo para poupar uns míseros 3-4 euros a cada 100 quilómetros, a vida vale muito mais. Diesel é o futuro, a OPEP diz que até 2050 os motores convencionais serão 94% do mercado, como vou contradizer as pessoas que sabem tanto sobre isso?

Está na hora de se arrependerem e juntarem-se a mim no caminho da verdade. Estamos errados, e precisamos de ver a luz. Vamos parar de apostar nos modelos e marcas erradas que ainda vivem dos lucros dos anos 80. No dia em que menos se espera, eles pouparão metade da chapa para reduzir o peso, e voltaremos à deplorável segurança passiva que os carros daquela época tinham. Está na hora de ir pela lógica, bom senso, senso comum.

Vamos escolher carros melhores, vamos ser melhores condutores, e vamos pagar todas as nossas multas religiosamente. Certamente eles foram merecidos. Vamos colocar ambientadores de pinheiro no interior, o boneco Elvis no tablier e autocolantes ridículos no pára-choques. Olhemos de nariz em baixo para todas aquelas pessoas que conduzem como loucos em carros perigosos, eles estão errados.

NOTA: Antes de ligar para o 911 pensando que eu fiquei completamente louco, olhe para o calendário, e entenda que você tem sido o alvo de uma piada. No dia em que eu pensar assim, ordeno-te que me atropeles se me vires na rua. Não te vou denunciar. Vais fazer-me um grande favor, e se eu não tiver sido pai, também vais fazer um favor à humanidade. Não leve o artigo a sério, mesmo que contenha factos totalmente reais.

Feliz Dia do Bobo de Abril.

Adicione um comentário a partir de Todas as cabeças de gasolina estão erradas.
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.