pistonudos.com

Tudo o que fazemos de errado nas rotundas ou rotundas

Alguns podem alegar a desculpa de terem obtido a licença antes de serem inventados, e reconheço que muito pouco é feito nos meios de comunicação mais populares para treinar e sensibilizar os condutores, mas a verdade é que não temos desculpa, porque a segurança deve ser importante para todos nós, e também a ignorância não isenta do cumprimento de regulamentos e leis.

A ideia básica das rotundas é aumentar o fluxo de tráfego, minimizando os engarrafamentos de trânsito. Para conseguir isso, o ideal seria que a maioria dos veículos pudesse entrar na rotunda sem parar, desacelerar e fazer uma simples "ceder", ou, se isso falhar, parar o mínimo de tempo possível.


Portanto, é fácil chegar à conclusão de que para que as rotundas funcionem bem - e com segurança - é vital que os veículos já na rotunda o façam correctamente, pois isso facilita o acesso à rotunda para o resto do tráfego, e claro, a uma velocidade razoavelmente lenta, e utilizando os indicadores... e é aqui que falhamos miseravelmente.

O que diz a DGT (Dirección General de Tráfico)?

No site oficial da DGT você pode baixar o gráfico que ilustra este artigo, que mostra os comportamentos corretos e incorretos mais comuns. Você verá que a rotunda no gráfico tem três pistas, mas para fins práticos, as duas pistas internas (B e C) têm uma consideração semelhante. Para este artigo, modifiquei o gráfico da DGT criando gráficos novos e mais simples, o que me permitirá explicar com mais detalhes um assunto tão importante.

O erro mais típico: A chicane

Na maioria das vezes -e por razões lógicas-, atravessamos rotundas com a intenção de seguir em frente, e como estamos sempre com pressa, o nosso subconsciente sugere que devemos segui-los como se fossem uma chicane - para perder o mínimo de tempo possível-, e se há trânsito na faixa direita, e a fila é tola, então entramos pela faixa esquerda... errado, muito errado!


A trajetória do carro D -laranja - é totalmente incorreta, -e também as possíveis variações de amarelo, e se antes de chegar à rotatória, pretendemos seguir em frente - isto é, sair pela segunda saída da rotatória-, a única trajetória correta é a do carro A -azul-, que consiste em entrar pela pista direita, passar pela rotatória pela pista externa, e sair também pela pista direita.

Porque é que as trajectórias laranja e amarela estão incorrectas? É muito simples: ao seguir estas rotas, reduzimos muito pouco a nossa velocidade e utilizamos todas as faixas, dificultando a entrada de outro tráfego na rotunda e transformando-a numa espécie de cruzamento de passagem, onde o condutor mais ousado e agressivo tem o direito de passagem.

Trajectórias correctas

Na imagem podemos ver como o carro A - azul -, saindo da primeira ou segunda saída, entra na rotunda na sua faixa da direita, traça a rotunda na faixa exterior e sai na faixa da direita, e claro, usando o sinal de curva para indicar que estão saindo da rotunda.

Carro B - verde-, entra na rotunda na faixa da esquerda, traçando a rotunda na faixa interior, mas - muito importante -, muda para a faixa exterior antes de tomar a saída, para que ao sair da rotunda, o faça a partir da faixa exterior.

Trajectórias incorrectas

As trajectórias do carro C -rede - são incorrectas, porque o carro sai da rotunda a partir das faixas interiores - deve sempre sair da faixa exterior -. Quanto ao carro E -fuchsia-, também sai da rotunda de uma via interior, o que não é correcto.


O que acontece em caso de acidente?

  • Se um carro que circula na faixa C -reta - intercepta a trajectória de outro carro que circula na faixa B -verde - ou A -azul - e ocorre um acidente, o carro vermelho estará sempre em falta.

E o que deve fazer o carro vermelho se quiser deixar a rotunda e houver carros à sua direita? Muito fácil: contornar a rotunda de novo.

  • Se no momento da saída, o carro D -laranja - e o carro B - verde - colidirem, o carro D estará em falta, porque está a fazer uma manobra incorrecta ao sair de uma rotunda de uma via interior.

Para resumir:

  • Se vamos tomar a primeira saída, ou pretendemos atravessar a rotunda tomando a segunda saída, entraremos sempre na rotunda pela faixa da direita, e daremos a volta à rotunda na sua faixa exterior.
  • Só entre numa rotunda na faixa da esquerda se pretende virar à esquerda, ou seja, se vai tomar a terceira ou quarta saída da rotunda.
  • Utilize as vias internas da rotunda apenas se estiver a tomar a terceira ou quarta saída.
  • Use sempre o seu sinal de vez para indicar que está a sair da rotunda.
  • Se pretendemos mudar para uma faixa exterior, e esta estiver ocupada, respeitaremos a preferência do outro veículo, e se necessário, contornaremos novamente a rotunda até que possamos mudar para a faixa exterior.
  • Ao virar à direita para sair da rotunda, tome a faixa da direita, se estiver livre.
  • Não é uma regra, mas é senso comum conduzir nas rotundas a uma velocidade relativamente lenta, de modo a facilitar a entrada de outros condutores na rotunda.
  • Claro que no nosso país existem muitas rotundas mal concebidas, ou tão pequenas, que é quase impossível cumprir os regulamentos - em algumas, somos até obrigados a entrar na faixa da esquerda se quisermos continuar em frente - mas tenha em mente que, em caso de acidente, a desculpa de que "esta rotunda é demasiado estreita" não será válida.

Bem, estou ciente de que este artigo não vai chegar a todos, mas espero ter feito a minha parte neste campo, e se você achou interessante ou que pode ser de ajuda, eu ficaria muito grato se você pudesse fazer a sua parte, encaminhando-a aos seus amigos.




Adicione um comentário a partir de Tudo o que fazemos de errado nas rotundas ou rotundas
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.