pistonudos.com

Por que não existem marcas francesas premium?

Então porque é que a França deveria ser diferente? Afinal, é o berço das marcas mais famosas de todos os tipos de produtos de luxo, como Chanel, Louis Vuitton, Hermés ou Cartier. Paris é o local de nascimento da alta costura, responsável por vestir as mulheres mais elegantes do mundo. É também uma verdadeira meca para os gourmets, sempre atentos às estrelas Michelin ou ao melhor vinho tinto Bordeaux ou ao melhor conhaque. Como se isso não fosse suficiente, a Cote D'Azur é um paraíso internacional para celebridades, magnatas, xeques e realeza, ostentando a maior concentração de milionários do mundo.


Sim senhor, sem dúvida os franceses são amantes do glamour e do que eles chamam de savoir vivre. E não me diga que esta busca pela excelência tem sido limitada aos produtos de consumo, porque a França é também o lar de prestigiados fabricantes de iates de luxo e jatos executivos como Beneteau e Dassault, respectivamente. Em particular, lembremos que em solo francês nasceu (e infelizmente também morreu) o famoso Concorde, uma maravilha tecnológica que ainda hoje surpreende os amantes da aviação.

E então, porque é que hoje todo este ilustre património não se reflecte adequadamente na sua indústria automóvel? Por favor, não me interpretem mal, adoro carros franceses e acredito verdadeiramente que alcançaram grandes alturas em tecnologia, design e qualidade; é que falta algo mais que, por muito bom que seja, um Peugeot, Citroën ou Renault não pode oferecer.

No entanto, nem sempre foi assim. Na primeira metade do século passado, houve vários fabricantes franceses de carros de luxo que esfregaram os ombros com os melhores do mundo, com marcas como Delage e Talbot-Lago se destacando. O primeiro teve uma história ilustre com carros de competição, produzindo diferentes modelos cuja expressão máxima foi o Delage D8, movido por um motor de oito cilindros em linha de mais de quatro litros, o primeiro desenvolvido pela indústria francesa. Por sua vez, a Talbot-Lago desenvolveu uma linha de voitures de sport que competiu com sucesso com os Alfa Romeos, Ferraris e Bentleys da época em vários grandes prémios e as 24 Horas de Le Mans; a firma também produziu grandes coupes e sedans que estavam entre os carros mais luxuosos e rápidos do seu tempo.


Ambos os fabricantes mantiveram uma abordagem tradicional nas suas operações, produzindo chassis que foram depois acabados por vários carrossiers galeses, incluindo Letourneur et Marchand, Chapron, Figoni et Falaschi, Pourtout e Saoutchik, responsáveis por alguns dos designs mais elegantes e ousados que o mundo já viu. Mais tarde, a Talbot-Lago introduziu modelos com desenhos próprios, como o recorde T-26. Basta olhar para um Delage D8-120 S Portout Aerodinamic Coupé ou um Talbot-Lago T150-C SS Teardop (Goutte d'Eau) Coupé para ver que estes carros eram verdadeiras obras de arte destinadas a um público exclusivo. Diz-se que muitas estrelas da época, como Marlene Dietrich e Christian Dior, assim como presidentes da República Francesa, eram donos desses carros. Claro, se nenhum destes modelos satisfazia os gostos de uma clientela tão refinada, havia sempre Automóveis Ettore Bugatti?

O ponto de viragem

No final da Segunda Guerra Mundial e com a economia em ruínas, o Estado francês (que ainda tinha uma longa tradição de intervenção na indústria) estabeleceu um programa de austeridade e controle rígido das fábricas do país sob a nova doutrina do dirigismo. Face a uma escassez crítica de fornecimentos (incluindo aço precioso), foi decidido que demasiadas marcas independentes estavam a operar no sector automóvel e que a consolidação era necessária, com um pequeno grupo de fabricantes a ser favorecido e a concentrar a sua produção em automóveis de baixo custo. Além disso, foram impostos impostos impostos muito elevados sobre a compra de modelos de deslocamento elevado. Esta situação, aliada a uma procura enfraquecida pela difícil situação económica do pós-guerra, acabou por levar à ruína das marcas de automóveis de luxo em França e no final dos anos 50 havia apenas quatro grandes fabricantes: Citroen, Peugeot, Renault e o agora extinto Simca.


A Renault foi nacionalizada após a guerra devido ao seu carácter colaboracionista com o Terceiro Reich.

Neste contexto, não posso deixar de mencionar a Facel Vega, uma linha de grand routiers sofisticados fabricados em quantidades limitadas a partir de 1954, seguindo o melhor da tradição francesa. Estes coupées, com carroçaria acabada à mão, interiores estilo avião aparados em couro inglês e equipados com potentes motores Chrysler V8, foram mais caros do que um Maserati 3500 ou um Aston Martin DB4. Com tanta qualidade artesanal não é de admirar que tenham encontrado favores com muitas celebridades, desde celebridades de Hollywood como Ava Gardner até pilotos de Fórmula 1 como Stirling Moss; até Ringo Starr e Pablo Picasso eram donos de um. Infelizmente, apesar do sucesso inicial, dez anos após o seu início, a produção teve de ser abandonada.

Um pouco mais tarde, a Citroen SM (para a Série Maserati) chegou ao mercado, um coupé de vanguarda e aerodinâmico 2+2 com quase cinco metros de comprimento, resultado de uma colaboração com o fabricante italiano de automóveis. Era um automóvel com tracção dianteira accionado por um motor V6 de alumínio - de origem Maserati - que também apresentava a revolucionária suspensão hidropneumática, direcção assistida variável e auto-centrada, travões de disco de quatro rodas e faróis direccionais. Apesar da sua tecnologia avançada, a SM não conseguiu criar um nicho significativo para si própria entre os potenciais compradores que preferiam designs mais clássicos, como um BMW 3.0 CS. Todo este investimento no desenvolvimento de novas tecnologias teve o seu impacto na solvência financeira da Citroen e em 1976 foi assumido pela Peugeot para formar a PSA.


Além das notáveis exceções mencionadas acima, os fabricantes franceses há muito abandonaram o segmento premium. É verdade que, mais recentemente, tem havido esforços para conseguir uma fatia de um mercado tão lucrativo com carros revolucionários como o Renault Avantime e o Vel Satis, mas certamente não têm tido muito sucesso. Na verdade, as baixas vendas da Avra foram responsáveis pela Matra, a filial da Renault responsável pelo projecto, abandonando definitivamente a produção automóvel. Hoje em dia até os próprios japoneses são mais relevantes com as suas marcas Infiniti e - acima de todas - Lexus.

Parece que as montadoras francesas finalmente se convenceram de que, para ter uma chance real de sucesso no mercado premium, é necessário fazê-lo com marcas exclusivas e dedicadas. De facto, em 2014 a PSA anunciou a criação da DS como a nova marca Premium do grupo, enquanto a sua vizinha Renault, num projecto inicialmente partilhado com a inglesa Caterham, está prestes a lançar uma reedição da sua antiga marca de automóveis desportivos Alpine.

Inicialmente criado para identificar Citroens de alta qualidade, o DS (pronunciado déssse ou deusa em francês) recebeu o nome do icônico modelo epônimo produzido pela casa francesa entre 1955 e 1975. Como já era característico da marca, o DS destacou-se pelas suas qualidades técnicas e de design inovadoras, sendo o primeiro carro desenvolvido com suspensão hidropneumática sobre as quatro rodas. Uma verdadeira obra de arte industrial, a sua proeza técnica foi demonstrada por vitórias em competições de rali na Finlândia e em Monte Carlo.

Não foi por nada que o Citroen DS ficou em terceiro lugar no prémio "Carro do Século", à frente de ícones como o Volkswagen Beetle e o Porsche 911 (para os curiosos, o vencedor foi o Ford Modelo T). Hoje, a gama da nova DS Automobiles continua a ser baseada em modelos Citroen que partilham estilos de carroçaria e a maioria dos motores. No entanto, a partir de 2018, se tudo correr como planeado, começarão a ser lançados modelos mais diferenciados com novas tecnologias (propulsão híbrida, condução autónoma, 4WD...) e um estilo avant garde digno da herança francesa.

A estratégia seguida pela Régie é muito diferente, pois procura o renascimento da Alpine, a lendária marca de carros desportivos desenvolvidos a partir de motores Renault. Desde o primeiro carro produzido em 1955, o minúsculo A106, foi desenvolvida uma série de modelos que tiveram um desempenho brilhante em numerosas competições de rali, incluindo a Coupe des Alpes, da qual deriva o nome da marca. Temidos rivais dos Lancias e Porsches, todos os modelos Alpinos tinham em comum a carroçaria compacta em fibra de vidro, interiores austeros, tracção traseira e motores traseiros de baixo deslocamento e origem Renault; embora seja verdade que os últimos se afastaram um pouco desta fórmula de sucesso por terem dimensões maiores e incorporarem mais equipamento e motores V6.

O carro mais emblemático da empresa é sem dúvida o A110 que foi fabricado entre 1961 e 1978. A marca Alpine, que tinha sido adquirida pela Renault em 1974, permaneceu no mercado até 1995, quando a última A610 saiu da linha de produção; a partir daí, a fábrica Dieppe dedicou-se à produção de modelos Renault Sport. Vinte anos depois, Carlos Ghosn, actual presidente e CEO da Renault, apresentou em Monte Carlo o protótipo Alpine Vision do novo modelo que será lançado no próximo ano, de olho no Porsche 718 Cayman.

Introduzir (ou no caso da Renault reintroduzir) uma nova marca no mercado actual é, no mínimo, uma tarefa difícil. Os investimentos no desenvolvimento de novas tecnologias e designs podem ser surpreendentemente altos, sem mencionar o esforço de marketing para posicionar adequadamente a marca, algo especialmente crítico no segmento premium. Isto pode ser ainda mais difícil quando se considera que as novas gerações podem não estar muito conscientes da herança histórica que se quer evocar. Afinal, a Audi levou pelo menos 15 anos para alcançar o reconhecimento mundial como um fabricante premium.

No mercado competitivo e globalizado de hoje, mesmo os alemães (aparentemente imbatíveis) não podem descansar sobre seus louros. Além dos fabricantes franceses, outros também estão fazendo grandes esforços para expandir o seu espaço no mercado premium. Na América do Norte, a Cadillac e a Lincoln procuram reinventar-se, enquanto os suecos da Volvo querem elevar a imagem da sua marca a todo o custo; em Itália, a Alfa Romeo e a Maserati estão a expandir a sua gama em busca de novos clientes, tal como a Jaguar e a Land Rover no Reino Unido. Até mesmo os coreanos querem se envolver com sua nova marca de prestígio Genesis.

Na minha opinião, a estratégia seguida pela PSA na tentativa de pegar um valioso património de design e tecnologia com a DS é a estratégia certa. No entanto, ainda não estou convencido da sua implementação porque desde a sua concepção inicial como sub-marca DS tem estado intimamente associada à Citroen, que também produz automóveis económicos. As primeiras impressões contam, e muitas. Se os próximos modelos não oferecerem diferenciação significativa em design, tecnologia e qualidade, a marca jovem corre o risco de ser raptada indefinidamente como uma Citroen topo de gama e não como um concorrente genuíno da Volvo, Audi ou BMW.

No caso da Renault, vejo a situação um pouco mais clara. A marca Alpine tem uma herança técnica única e uma forte identidade que deve ser bem recebida entre os amantes de carros esportivos, mesmo que a marca não seja tão bem conhecida fora da França. O protótipo apresentado em Monte Carlo, pintado em bleu de frança, parece certamente um herdeiro digno das Berlinettes de dias passados. Além disso, o novo Automóvel Alpino poderá alargar o seu alcance a outros segmentos de maior volume que lhe permitirão crescer no futuro; de facto, já se fala em desenvolver um SUV desportivo para competir com o Porsche Macan. Sacrilégio? Pode parecer a alguns, mas a estratégia tem funcionado muito bem para a Porsche e, mais recentemente, para a Jaguar. Neste caso, o desafio será manter o DNA da marca intacto sem diluir o seu apelo histórico.

No final, o tempo dirá se esta cruzada para recuperar até mesmo uma parte da glória perdida num mercado saturado com concorrentes é bem sucedida. Mas o que é certo é que os próximos anos serão muito emocionantes para a indústria automóvel francesa, que merece ter um lugar de destaque ao lado das melhores marcas do mundo.

Adicione um comentário a partir de Por que não existem marcas francesas premium?
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.