pistonudos.com

Para a idiotização tecnológica dos automóveis

Antes de continuar, deixe-me fazer uma breve retrospectiva ao mundo da informática, onde estamos alguns anos à frente. Muito cedo, a programação era uma tarefa muito complexa, que estava nas mãos de especialistas, e eram utilizadas linguagens de baixo nível. Em outras palavras, a programação era feita com a máquina em que você estava trabalhando em mente.

Com o tempo, a acessibilidade a um mundo tão escuro e opaco foi ampliada, com a chegada de linguagens de alto nível como C, ou de muito alto nível, como Java. Em outras palavras, com o mesmo código ou muito poucas mudanças, o mesmo programa pode rodar em máquinas muito diferentes com sistemas operacionais muito diferentes. Isso é o que se chama abstração na ciência da computação, e isso incentivou a compatibilidade.


À medida que a compatibilidade se expande e que nos afastamos das especificações fechadas, é aí que os problemas começam. Os programadores não levaram (ou não puderam levar) em conta toda a casuística possível, então a eficácia dos programas começou a cair abaixo dos 100%. A probabilidade de fracasso começou a aumentar, uma coisa levando à outra.

Os sistemas informáticos mais seguros e estáveis são normalmente encontrados em empresas como os bancos. Há casos de programas que estão trabalhando há 30 anos (ou mais), e eles não ousaram mudar porque quem o projetou se aposentou, ou morreu. E se algo funciona, é melhor não lhe tocar. Eram programas que podiam funcionar durante anos e anos sem falhar, ou com taxas de falha insignificantes.

Hoje em dia, a informática é uma porcaria. Pagamos 70 euros por jogos incompletos que requerem actualizações quase constantes. Os nossos telemóveis, computadores, consolas de jogos... tornaram-se viciados na Internet, porque precisam de ser constantemente actualizados. Se não, eles podem até parar de trabalhar.


E sabes porque precisamos de nos actualizar tanto? Nas palavras de um engenheiro informático, porque você programa com o seu rabo. É tão simples quanto isso. Às vezes é porque algo novo é adicionado, ou alguma compatibilidade com algo que foi lançado após o dispositivo físico. Até esse ponto, podemos entender. O resto são consertos de bugs, que na maioria das vezes são de responsabilidade dos seres humanos por trás disso. Em teoria, os programas não cometem erros, nem podem cometer erros, mas esta é uma situação ideal e não uma situação comum.

Se todos os princípios da engenharia de software fossem respeitados, tais como testar o que é vendido, seria uma história diferente.

Hoje em dia, alguém que não sabe nada de programação pode fazer, se fizer um pequeno esforço, uma aplicação móvel. Não é necessário ter um conhecimento profundo das entranhas do dispositivo, ou ler toneladas de documentação, há coisas que podem ser feitas muito mais rapidamente com o design assistido (IDE). Obviamente para alcançar o melhor resultado que você precisa saber, e você precisa saber muito.

Os dispositivos que não acompanham o ritmo frenético das atualizações começam a ficar ultrapassados rapidamente. Um dia, o suporte termina, as atualizações terminam e se há insetos que você come (você vive com eles) ou se eles ficam congelados no tempo. Nós aceleramos drasticamente a obsolescência dos dispositivos (hardware) porque o seu software ficou órfão.

Por exemplo, um telemóvel de há cinco anos atrás, se tiver sido deixado sem actualizações há dois anos, pode ser um pisa-papéis para muitas tarefas, embora a funcionalidade básica das chamadas telefónicas, SMS, relógio ... funcione perfeitamente. Não estou a falar do Pleistoceno, mas de 2011. Poucas pessoas têm a paciência e o conhecimento para prolongar ao máximo a vida útil de certos dispositivos.


Pouco a pouco, o mesmo vai acontecer com os carros, e eu estou cheio de medo. Um dia, o suporte e as atualizações terminarão, e os sistemas se tornarão praticamente inúteis. O sistema Intellilink da Opel é um excelente exemplo. Saiu em 2013, e em 2015 foi condenado à morte digital. Saiu meio cozido, e nunca estará terminado. E eu tenho a boa autoridade de que aqueles que pagaram 1.000 euros por esse conceito estão a organizar-se para ir a tribunal, por essa coisa da publicidade enganosa. Uma vez que é um sistema fechado, também não pode ser melhorado fora da Opel.

Neste momento, um dos sistemas que mais rapidamente se tornam inutilizáveis são os navegadores. Requerem actualizações de mapas e, no caso de o fabricante se comprometer a fornecer uma, pode custar 150 euros para a actualização. Estamos a falar de dispositivos que custam bem mais de 3.000 euros em alguns casos. Em muitos dossiês de imprensa é dito que o último modelo de navegador terá atualizações por cinco anos, a partir de então, pagando, até que eles parem de trazê-los para fora.

Permita-me divagar, vamos falar de clássicos. Mesmo que há 15-30 anos o fabricante já os tenha transmitido, se tiverem sido mantidos, funcionam e podem ser utilizados sem - na maioria dos casos - quaisquer restrições. Eles não cumprem as normas de segurança ou de emissões, mas no seu tempo cumpriam o que estava disponível. Alguns fabricantes deixaram de fornecer peças, mas outras empresas fornecem-nas desde que haja procura. Quando as peças sobressalentes acabarem, coisa ruim, teremos que puxar artesanato, ou sucata. Similar ao que acontece com a electrónica, mas estamos a falar de uma vida útil muito mais longa.


Desde os primeiros carros de imprensa topo de gama que tive, por vezes veio uma pré-instalação para telemóvel, mas de uma marca e modelo muito específicos. Isso é uma porcaria inútil, a menos que a Sony Ericsson ou a Motorola ainda estejam trabalhando. Algo foi aprendido com isso, agora existem basicamente dois sistemas de carregamento, o MicroUSB e o iPhone, e o sistema Bluetooth garante a compatibilidade quase total entre telefones e carros. Até que um novo padrão apareça e tudo vá para o inferno.

Veja o que aconteceu com a TV analógica: ou você comprou uma TDT, ou deixou de receber TV. Com o rádio isso está acontecendo, muito mais lentamente, porque já existe o DAB (rádio digital terrestre), e o desligamento analógico leva mais tempo para chegar. Quanto mais estabelecida é uma tecnologia, mais difícil é dar o salto para a próxima. Enquanto isso, AM continua a funcionar, que pode ser ouvido a centenas de quilômetros de distância com clareza, a menos que você passe por cabos de muito alta tensão. Às vezes a coisa mais simples funciona melhor, e por muito tempo.

No outro dia mencionei no primeiro teste do Audi A4 que alguns módulos são actualizáveis no futuro, precisamente para evitar isto. Até que a Audi pare de mantê-lo, e se as especificações não forem divulgadas ao público (o que eu não espero que eles façam), o carro terá mais elementos inutilizáveis. E isto pode acontecer em absolutamente qualquer marca.

Há actualizações que são viáveis com uma tecnologia de ponte. Por exemplo, ainda podemos usar um rádio do início dos anos 90 com a mais recente tecnologia de som - até mesmo música da internet - desde que funcione com trocadores de CD. Você adapta um conector e o sinal, e ainda está operacional. Há outras melhorias que não fazem sentido, porque a fiação é incompatível, ou não pode lidar com tanta informação, ou é economicamente impensável fazer a melhoria.

Hoje, as plataformas móveis dominantes são o iPhone (Apple) e o Android (Google). Na velocidade a que tudo vai, em apenas 10 anos podem ser totalmente obsoletos e descontinuados. Basta ver o que aconteceu com a Nokia, desde ter a liderança total da tecnologia móvel, até ser insignificante. Um carro modelo tardio, com compatibilidade com essas plataformas, será praticamente inútil nesse sentido quando a próxima tecnologia for lançada.

Se seguirmos o outro caminho, assegurar a compatibilidade perpétua pode ser um erro grave. Isto é o que acontece por exemplo com o Windows, ele tentou manter compatibilidade retroativa com tantas coisas, que chegou a um ponto em que o sistema operacional era uma monstruosidade de complexidade, bugs e vulnerabilidades. E você tinha que limpar a ardósia, e sair com algo novo que tornasse as coisas antigas inutilizáveis, a menos que você usasse emuladores e outros subterfúgios.

Nos automóveis autónomos, a minha preocupação é elevada à nona potência, tanto pela fiabilidade, como pela usabilidade a longo prazo e pela segurança lógica.

E já que estou a falar de vulnerabilidades, este é um tópico muito interessante. A Internet está sendo cada vez mais utilizada para sistemas de bordo, primeiro para infoentretenimento, depois para coisas mais sérias como condições reais de tráfego. O precedente de poder invadir um carro à distância e fazer todo tipo de merda ao motorista já foi quebrado, porque existem embarcações comunicantes entre as áreas críticas do carro e o mundo exterior. Sem atualizações constantes, a porta é deixada aberta, e isso é muito perigoso.

Tesla, por outro lado, pode atualizar seus carros remotamente e melhorá-los no local... até que eles decidam parar de fazê-lo... até que eles decidam parar de fazê-lo.

Imagine por um momento que carros com mais de 20 anos poderiam ser parados remotamente, porque o fabricante não tem mais atualizações e os bugs não são corrigidos. É o que vai acontecer daqui a 20 anos, tal como parece. Dependemos da boa fé dos fabricantes, não há leis que os obriguem a dar apoio durante décadas, mesmo que seja assim tão grave. Eles são obrigados a fornecer peças de reposição físicas, mas não as lógicas.

Mesmo que todo o software seja perfeito (o que é dizer muito) e livre de bugs, mais cedo ou mais tarde ele precisará de atualizações, e se não houver mais, a funcionalidade estará claramente ameaçada. E não pense que os fabricantes se preocupam muito com o que venderam há 20 anos ou mais. Vão dizer-nos para comprarmos o novo modelo e para nos livrarmos do nosso. Com essa mentalidade, poucos carros históricos teriam chegado até os dias de hoje.

Imagine por um momento o que aconteceria se não houvesse pneus de substituição, nenhum aditivo para substituir o chumbo tetraetilo, e você não poderia mudar coisas como choques, freios, limpadores e esse tipo de coisa. Seria o caos completo.

Num modelo tardio, com toda a instrumentação num ecrã TFT, quando o ecrã avaria, o condutor será como em 1910: não saberá a que velocidade vai, ou quanta gasolina lhe resta, ou para onde vai, ou como soa, ou quem lhe chama, ou se alguma coisa se parte... Será como conduzir um carro sem instrumentação, como está. As reparações serão possíveis, mas não baratas.

Os fabricantes, com toda a honestidade, tentam tornar os seus designs mais duráveis ao longo do tempo e têm taxas de falha mais baixas, utilizando componentes de maior qualidade e mais caros do que os normalmente utilizados na indústria de tecnologia pura e simples. Eles são menos propensos à obsolescência planejada. O segundo investimento mais caro que as pessoas tendem a ter nas suas vidas é suposto durar muito tempo, mas os hábitos de alongar a vida útil dos carros já não é o que costumava ser. A crise atrasou o processo ou o reverteu temporariamente, até que ele passe.

Vejam o que aconteceu em Cuba. As pessoas ganharam a vida para manter os carros em circulação de todas as maneiras possíveis: usando peças de caminhão, motores russos, encanamentos artesanais... e há monstruosidades reais circulando. Se quiseres, podes, mas... ufff. No primeiro mundo, os consumidores são responsáveis, queremos o mais recente e desprezamos o "velho", e os fabricantes tomaram nota.

Habituámo-nos a aparelhos de curta duração e a substituí-los por novos porque "não vale a pena" consertá-los. Isso já passou para toda a electrónica de consumo, mesmo que tenham uma maçã de alumínio estampada e custam o dobro ou o triplo. Será que vamos permitir que os carros também se tornem aparelhos? Vamos dar-lhes tempo. Além disso, a propriedade do carro vai ficar cada vez menos popular, as fórmulas "quanto você o usa, tanto você paga" já estão aqui.

Voltando ao caso da Opel, neste momento é quase imperceptível, mas muitas pessoas podem virar-lhes as costas da próxima vez que quiserem comprar um carro, por terem criado o precedente de vender uma tecnologia mal cozinhada e não a deixarem funcionar. Para uma parte no valor de 1.000 euros. Se os consumidores não punirem aqueles que são descuidados com seu produto já vendido (após a venda), isso vai acontecer novamente, e assim por diante, até que todos nós o aceitemos, e se torne normal.

Antes de me despedir, quero dar outro aviso, que é que quando um produto está tão dependente de atualizações, seus criadores têm muito mais controle sobre ele, como já avisei em um artigo anterior. Uma grande empresa quase lançou um console que exigia uma conexão com a internet só para funcionar, mas os consumidores não pularam pelos arcos. Se o tivessem feito, um dia um servidor seria desligado e milhões de consoles se tornariam decoração vintage.

Portanto, o meu conselho é o seguinte: antes de comprar qualquer sistema avançado nos nossos carros, devemos pedir as condições legais por escrito. Você tem que saber quantos anos de manutenção serão garantidos, ou quantas atualizações custarão, e se há casos flagrantes de obsolescência planejada no passado do fabricante.

No mundo dos computadores, quando compro algo, estou muito consciente do apoio que é dado aos produtos "legados". Isso me dará uma idéia de quanta vida útil me resta no que eu compro, ou seja, quando eu terei jogado meu dinheiro fora. Chama-me esquisito, mas eu estou a pensar em usar as coisas o máximo de tempo possível, por razões económicas e ambientais. Mesmo o papel higiênico, bem embalado, pode ter uma vida útil muito maior do que alguns aparelhos eletrônicos que excedem 2.000 euros e com uma taxa de uso regular.

Alguns fabricantes vão querer tomar-nos por idiotas, nas nossas mãos estará a dar-lhes a razão, ou recompensar com o nosso dinheiro aqueles que fazem as coisas bem. Não estou falando em manter carros até a aposentadoria, mas também não devemos aceitar a idéia cada vez mais difundida de que um carro com cinco anos já é meio inútil, e em 10 anos, algo completamente inútil e que deveria ser jogado fora. Esta mentalidade está a conduzir a civilização humana e a sociedade de consumo para a perdição.

Adicione um comentário a partir de Para a idiotização tecnológica dos automóveis
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.