pistonudos.com

"Eu não quero mais um diesel"

"Como podes comprar gasolina, estás louco?" - Tenho a certeza que isto soa familiar a mais do que um de vocês.

Eu noto um tumulto na força. Os registos dos petroleiros começam a cair depois de terem atingido o seu apogeu. Os motores a gasolina estão lenta mas seguramente a recuperar a sua dignidade perdida graças a uma melhor economia de combustível. Quer estejamos falando de redução de tamanho ou não, a sede por gasolina não é mais um drama tão grande.


Não só isso, alguns dos actuais proprietários de motores diesel, depois de terem tido uma experiência menos que positiva, decidiram voltar à gasolina, e não só as pessoas que têm de percorrer menos quilómetros. Há também grandes corredores que preferem usar gasolina, mesmo que o enchimento de um petroleiro seja mais barato.

Consequentemente, o interesse pela gasolina está aumentando, basta olhar para os dados da ANFAC. Por outro lado, eu percebo isso no meu ambiente e nas consultas técnicas que recebo: o número de pessoas que me dizem que não querem voltar a ter um gasóleo está a crescer, e o que as recomendo.

E como é possível que haja pessoas que já não queiram ter outro gasóleo? Vamos olhar um pouco para o passado. Os petroleiros eram desajeitados, ásperos, fumegantes, lentos, mais caros... mas a longo prazo eles economizavam muito combustível, e eram motores muito mais propensos a durar centenas de milhares de quilômetros. Mecanicamente eles eram algo mais, com algumas exceções, na era dos motores naturalmente aspirados.

Depois vieram os turbos, a injeção direta (tanto a bomba injetora quanto o common rail), as válvulas de recirculação (EGR), os filtros de partículas (DPF/FAP), os tanques de uréia (SCR) ... e o escândalo das emissões nos meios de comunicação, a começar pela Volkswagen. Na União Europeia, o diesel deixou de ser o menino bonito para passar a ter muitas sombras. Há alguns dias, o Parlamento Europeu deu-lhes o último tiro no braço, ratificando o aumento de facto dos limites de emissões fixados pela Euro 6, uma infâmia.


Dos maus vapores às alternativas

Prefeituras como as de Madri, Milão, Frankfurt, Londres... estão se aproximando muito dos motores diesel, considerando quase todos aqueles em circulação como "poluidores", e sem aspas também, poluidores. As emissões de partículas sólidas (PM) e de óxidos de azoto (NOx) dispararam, agravando a saúde - ou matando - milhares de europeus.

De cada 100 carros registados em 2015, 35 eram a gasolina.

Há um clima de crescente hostilidade para com este tipo de motores, que reacendeu o debate entre gasolina e diesel, e as alternativas cada vez mais minoritárias têm vindo à tona. As pessoas estão começando a saber que existem carros elétricos, ou carros convertidos em gasolina, e que podem comprá-los agora.

Nos últimos anos, esta tem sido uma tendência crescente. O motor diesel já não é a única solução viável para quem faz mais quilómetros... ou para quem quer ter a sensação psicológica de gastar menos dinheiro em combustível. Algumas pessoas ficaram frustradas com os custos de manutenção preventiva e corretiva, e viram que as contas não funcionam.

Como sempre, você tem que fazer as contas, calculando os quilômetros anuais estimados, anos de propriedade mínima, custo da gasolina e do diesel (com preços atuais, otimistas, e preços de 2011, pessimistas) ... Mas isso não vai nos dar um veredicto confiável. Devemos considerar que as revisões, avarias e manutenção dos petroleiros podem enviar para o lixo as diferenças no conceito de combustível.


Eventuais restrições de mobilidade futuras devem ser levadas em conta.

O GLP está começando a ser uma boa alternativa para os grandes trotadores, desde que se movimentem por rotas com uma boa capilaridade de abastecimento. Temos cerca de 500 postos de abastecimento que vendem este combustível alternativo, um pouco longe dos 1.000 que a AOGLP disse que teríamos em 2015, mas eles são 10 vezes mais do que em 2009.

O gás natural (GNV/NGV) ainda falha como alternativa, os poucos pontos de venda estão concentrados em grandes centros populacionais, mas para o abastecimento de longa distância faltam "corredores". Qualquer modelo que funcione com gasolina, ainda tem um tanque de gasolina, mas é claro, que reduz a rentabilidade das viagens. Eles ainda são válidos para o uso intensivo regular de gás, e fazem fugas com gasolina.

Outro fenômeno interessante é como os registros híbridos estão aumentando, principalmente na marca Toyota, com seus modelos Yaris (B) e Auris (C), em segmentos de alto volume. Este fenómeno não é tão intenso nos seus concorrentes devido à falta de oferta, ou porque são muito caros, ou porque são produtos directamente Premium. Mais de 40% das vendas desta marca já correspondem a híbridos, a Lexus ultrapassa os 60%.

Eu noto que as pessoas me fazem mais perguntas sobre os híbridos de gasolina como substituto de um diesel. Pode acontecer que o custo do combustível seja muito semelhante -em euros- mas eles ganham na parte da manutenção por maior confiabilidade, e por serem, essencialmente, carros a gasolina, com tudo o que isso implica.


Eu entendo que alguém vai pensar que esta é uma das minhas talibãs. Há os dados, não estou inventando: os híbridos são cada vez mais registrados em maior número, embora tenham 2% de participação (incluindo elétrica). E mais seriam registados se houvesse mais modelos no mercado, e ainda mais subiriam se os preços do gasóleo voltassem a níveis escandalosamente elevados, como 1,3 euros/litro ou mais.

Os carros elétricos ainda são uma opção muito minoritária no momento, mas os fabricantes estão melhorando o produto a uma velocidade espantosa. Há dez anos, não havia sequer um carro (homologação M1) capaz de conduzir na auto-estrada com um mínimo de garantias. Hoje, há fabricantes que nos oferecem carros com homologações próximas a 200 km de autonomia, e não estou falando de nenhum Tesla.

Quanto ao hidrogénio ... no nosso país ainda está na sua infância, e permanecerá na sua infância por, pelo menos, mais 10 anos. A oferta comercial muito limitada de automóveis é um problema, o seu preço elevado outro, a rede de reabastecimento quase inexistente não é uma coisa pequena, e o preço do hidrogénio não incentiva a dar o salto.

Será que me esqueci dos biocombustíveis? Sim e não. Até chegarmos à segunda geração de biocombustíveis, que não dependem de cultivos suscetíveis à alimentação humana, esta continua a ser letra morta. A rede de postos de abastecimento de bioetanol ou biodiesel permanece anedótica, e o número de modelos compatíveis com combustíveis de origem vegetal (em alta concentração) até diminuiu. Tem sido um "bluff" retumbante.

Como pode o motor diesel sair desta espiral de problemas?

Vamos começar com o básico... eles devem melhorar muito o seu nível de limpeza para que a sociedade não lhes faça o que os japoneses fizeram há 15-20 anos: ostracizá-los. Nesse país, um dos mais avançados do mundo, as matrículas de automóveis a diesel são muito baixas, cerca de 1%, e as autoridades precisam aumentar o consumo de diesel para equilibrar as importações e exportações de produtos petrolíferos refinados.

Segundo, e não menos importante, eles têm que voltar ao que eram em termos de confiabilidade. Se um gasóleo começa a dar grandes problemas antes de ultrapassar o limiar de rentabilidade em relação a uma gasolina, é um problema real e está a custar mais do que a saúde de uma pessoa.

Tenho a certeza que mais do que um de nós até está feliz com isso. Tenho a certeza que mais do que um de vocês sofreu com o povo pró-diesel durante anos, e teve de aguentar os seus comentários... até o tempo os ter provado que estavam certos. Aqueles que fizeram a escolha certa, agora têm um motor que funciona corretamente - mesmo com mais de 200.000 km - e tem uma vida longa, que não consome tanto, e que não é tão socialmente demonizado.

É evidente que os motores a gasolina ganharam muito requinte nos últimos anos, atingindo níveis de ruído, vibrações e rugosidade muito semelhantes aos da gasolina. Se quisermos colocar como desvantagem um refinamento mais baixo, que é menos perceptível a cada dia, e a gasolina, por outro lado, está perdendo refinamento em muitos casos.

Além disso, o baixo deslocamento e a injeção direta podem levar a um aumento bestial das emissões de partículas.

Por vezes recomendo um gasóleo de quatro cilindros sobre uma gasolina de três cilindros - e também existem gasolinas de dois cilindros, embora apenas na Fiat - porque o gasóleo é mais equilibrado do ponto de vista mecânico. Muitos motores, abaixo das 2.500 RPM, são quase imperceptíveis como os motores a gasolina. Isso, há 10 anos, só aconteceu com sofisticados motores L6, V6 e V8, e com muito isolamento.

Em termos de desempenho... as coisas tornaram-se muito mais equilibradas. Há mesmo casos em que, com a mesma potência, o motor a gasolina é mais rápido que o seu equivalente a gasolina, como em alguns BMW em linha seis. E, repara, estou a falar de motores com a mesma tecnologia: ambos turboalimentados. Há cada vez menos gasolinas naturalmente aspiradas. Os motores a gasolina estão se tornando diesel, e os motores a gasolina estão se tornando diesel... parcialmente, é claro.

Em suma, caros amigos, estou cada vez menos inclinado a recomendar motores diesel. Na verdade, não consigo ver o dia em que um motor a gasolina entra na "minha garagem", embora não o exclua para certos tipos de carros. Para alguns segmentos, como os grandes SUVs, eu acho muito difícil recomendar gasolina, apesar de tudo o que já foi dito. Nos pactos e subcompactos as diferenças de consumo são pequenas, mas para certos carros... a gasolina tem muito progresso a fazer.

Digo novamente que é importante ter bons conselhos, e isso envolve muitos grupos. Os sogros têm que parar de recomendar o diesel com tanta alegria, os comerciais têm que ser mais sinceros sobre o que é melhor para o cliente, os jornalistas têm que ser muito comedidos nas nossas recomendações, e a opinião pública tem que parar de associar a gasolina a distúrbios mentais.

Um mito está a cair da cabeça de muitas pessoas...

O declínio do diesel estava destinado a acontecer um dia, mesmo na Europa. Estamos no único grande mercado que tem apostado muito neste combustível. Para além das fronteiras continentais, o gasóleo não vai progredir muito mais até que nos esqueçamos dos múltiplos escândalos de emissões. Os melhores dias desta tecnologia, para o melhor ou para o pior, ficaram para trás.



Adicione um comentário a partir de "Eu não quero mais um diesel"
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.