pistonudos.com

A evolução, brilhantismo e queda da graça do design do painel de instrumentos americano

Curiosamente, antigamente, as coisas não eram assim. De fato, se olharmos para trás, nos perguntamos como os clientes norte-americanos permitiram e solicitaram interiores que perderam tudo, absolutamente tudo, o seu apelo de décadas atrás.

Vamos dar uma breve olhada, com exemplos específicos, no estranho processo de melhoria, realização e declínio sofrido nos três grandes.

Uma vez ouvi um cliente dizer uma frase completamente realista. Você pode comprar o carro para suas linhas externas, mas a realidade é que você vai passar a maior parte do seu tempo com ele sentado dentro, então deveria ser mais importante o que ele parece lá dentro do que o que ele parece lá fora, porque o exterior é o que os outros vão ver?


No outro dia Motorpasión publicou um curioso e recomendável artigo sobre a origem do termo "painel" (você pode lê-lo aqui). Os primeiros tempos dos veículos motorizados com formas já semelhantes ao que entendemos hoje por carro limitavam-se a instalar um simples painel de instrumentos em frente ao motorista, com alguns relógios para indicar parâmetros importantes do funcionamento da mecânica.

Eram momentos em que a fiabilidade não era garantida e o controlo da carga do alternador, da pressão do óleo ou da temperatura do líquido de refrigeração era vital e obrigatório. Em modelos mais básicos e económicos, que são os que vamos focar neste relatório, com orçamentos muito apertados, não havia dinheiro nem para ter instrumentos, por isso tudo foi reduzido para mostrar um interior onde o painel que ia por baixo do pára-brisas era uma tábua de madeira envernizada, localizada atrás do volante.

1912 Ford Modelo T

Na década de 1920, até os carros mais baratos podiam incorporar um relógio e instrumentação. O design do tablier começou então a evoluir de algo completamente simples e funcional para algo mais elaborado.


Inspirados nos móveis de madeira da época e nos relógios suíços, os fabricantes de automóveis americanos, como os do velho continente, optaram por integrar os painéis do relógio como se fossem uma espécie de ornamento de jóias nos seus painéis atrás do volante.

Ford Modelo A 1929

A evolução continuou imparável rumo à Segunda Guerra Mundial, e no início da mesma começamos a ver painéis de instrumentos já realmente trabalhados no seu design, incorporando um certo grau de ourivesaria, com decorações que, embora não fossem necessárias, ajudavam a dar ao interior dos veículos um certo aspecto de design típico no design arquitectónico de interiores da época.

Assim, reminiscente das rádios e jukeboxes da época, podemos ver interiores mais elaborados e melhor acabados.

Chrysler Imperial Business Coupe 1937

Um dos interiores mais marcantes que encontramos ao puxar o arquivo do jornal foi o utilizado pela Ford no seu V8 Deluxe de 1942 (imagem abaixo), onde a estética nos lembra uma Jukebox logo após a Segunda Guerra Mundial, pelas curvas, pela mistura de cromo e pela selecção de cores e materiais.

Ford V8 Super Deluxe Station Wagon 1942

Mas o grande salto no design veio pouco depois do fim da Segunda Guerra Mundial. Com jovens retornando da frente militar e um amor por aviões de caça, as tendências automotivas e visões futuristas capturaram a mente de toda uma geração de designers, ansiosos para explorar temas inspirados no jet-inspired para decorar os painéis dos carros.


Em qualquer caso, antes de ir a esse extremo, designs mais simplistas, como o Ford Custom abaixo, chegariam ao mercado com painéis metálicos coloridos e um certo minimalismo na forma de um único, mas muito elaborado, relógio tridimensional.

Não havia sobrecarga de elementos, mas tudo parecia, e olhava, apelando para os olhos e para o toque.

1949 Ford Custom Coupe

A profusão de cromados, relógios múltiplos em vários planos e o design inspirado na aerodinâmica dos aviões de combate (não apenas para os exteriores de cauda grande) podem ser vistos perfeitamente no Cadillac sessenta e dois na imagem abaixo.

Nele também podemos destacar a escolha da cor "água do mar" para muitos elementos, o formato de tablier "bar bar" que tinha a forma de uma prateleira que rodava com o pára-brisas panorâmico, também na moda da época.

Cadillac Sixty-Two 1958

Os velocímetros horizontais, mais do que os circulares, também se tornariam uma tendência para além dos Estados Unidos. De facto, curiosamente, a tendência de exportar estilos de design dos Estados Unidos para a Europa prevaleceria, com modelos como o Simca 1000 ou o Renault 8 a copiar ideias do que na América, numa escala muito maior, funcionava comercialmente.

Carros como o Ford Thunderbird fizeram um percurso diferente, com menos cromo, embora mantendo a ideia do tablier plano na forma de uma barra que acompanha a janela panorâmica.


1957 Ford Thunderbird

O uso de couro e cores claras e a multiplicidade de relógios continuou a demonstrar um amor pelo design de interiores e pela elaboração e decoração dos interiores, com um genuíno favo de mel de alumínio a dividir as duas alturas do tablier.

Mas se existe um interior futurista, cheio de relógios, colorido e marcante desta época dourada dos painéis de instrumentos americanos, é o do Corvette C1, no início dos anos 60.

Chevrolet Corvette C1, 1961

O uso da cor vermelha vibrante já chamava a atenção. Os relógios claramente tridimensionais salientes dele, e os relógios auxiliares agrupados horizontalmente atrás do volante deram aquele toque técnico e assim do tempo.

Não havia outro carro como ele no mercado.

E depois veio o ponto de viragem e a queda com os anos setenta. A chegada do plástico e do vinil como materiais predominantes nos interiores facilitou uma selvagem redução dos custos de produção e montagem nos interiores dos veículos, mas também trouxe consigo a perda do cuidado com os diferentes materiais, cores e desenhos complicados.

1972 Dodge Dart Demon

O interior do Dodge Dart Demon só nos deu uma amostra das (más) coisas a vir, a tendência e o gosto pelas linhas rectas que em breve se combinariam com a explosão digital para dar origem a interiores que ou eram demasiado brandos, ou tentaram mostrar algo digital e futurista, sem um resultado que o tempo tenha julgado "interessante".

1982 Ford Crown Victoria

Os designs mais generalistas, como este do Ford Crown Victoria (o quintessencial táxi de Nova Iorque), mostram uma perda de gosto pelo design. As linhas rectas são impostas, o que não é necessariamente uma coisa má, mas optam por uma decoração com muito plástico, e madeira falsa, onde o "equipamento tecnológico" estaria rapidamente ultrapassado por uma tentativa de apostar demasiado num futuro que nunca chegaríamos a ver.

Em carros de performance, como o Pontiac que você vê abaixo (e que seria usado como base para o KITT), as coisas também não pareciam melhores...

1989 Pontiac Firebird, com curiosos comandos no volante

Os anos noventa trariam a reintrodução da curva ao tema do painel, abandonando as linhas duras impostas nos anos oitenta. Mas a América estava então presa num caminho onde o design do painel de instrumentos não tinha lugar.

Procurou-se simplicidade, ergonomia e economia, com materiais, acessórios e formatos totalmente pobres e pouco inspiradores.

Ford Crown Victoria 1991

Mesmo as tentativas mais corajosas de conceber coisas mais ousadas e desportivas, como o Mercury Cougar do final dos anos 90 (o nosso Ford Cougar), acabaram mal. E não porque o design em si fosse tão mau, mas porque o uso de materiais, o ajuste e o acabamento eram insatisfatórios.

O que queria parecer alumínio, era plástico pintado de cinza com um toque muito pobre. As distâncias entre as peças e seus ajustes, e o uso de elementos comuns entre modelos das mesmas marcas, levaram seu pedágio.

1997 Mercury Cougar

O início do século continuou a trazer tentativas de recuperar a carga de design, como no Chrysler 300M, com uma grande carga de formas no seu interior, mas com um novo mau julgamento em ajustes, acabamentos e materiais.

O que parecia ser madeira não era madeira. Os plásticos eram duros, e rangeram após alguns dias de uso.

Chrysler 300M 2004

O uso de botões "OEM" comuns ainda era demasiado doloroso, e eles eram forçados a parecer falsos, assim como os múltiplos mostradores de cristal líquido preto ou LED com dígitos de teal, que pareciam algo de um relógio digital de 5 euros.

As distâncias entre os painéis plásticos também se destacaram, e os volantes epicamente grandes, presididos pela necessidade de integrar airbags grandes que não podiam ser dobrados como podem agora, também não ajudaram.

Cadillac CTS 2002, cuidado com o console central, que se parece com um Mac

Mesmo carros um pouco europeus, como resposta possível a prémios importados, como o Cadillac CTS no final da primeira década deste século, não conseguiam igualar o que se fazia na Europa.

Mas depois houve uma mudança radical. Com a crise financeira, com rivais asiáticos e europeus apertando os parafusos nas três grandes empresas de Detroit, eles decidiram, finalmente, responder, e se aplicar. Como se tivessem concordado ao mesmo tempo, decidiram abandonar os desenhos mais típicos das últimas décadas, e apostaram em tentar algo melhor.

2007 Cadillac CTS-V

Um exemplo perfeito desta transformação radical vivida nos últimos sete anos é o salto radical feito pela General Motors no seu CTS, que passou de ter o aspecto horrível que você viu acima, para ter a cabine que você tem direito nesta foto, acima destas linhas, onde o interior recebeu um acabamento que misturava plástico "piano black" com um painel de couro genuíno, uma tela retrátil, relógios elaborados e um ajuste de primeira fila.

Foram-se as linhas de separação entre os elementos plásticos. Não havia mais espaço para elementos OEM feios no meio do painel de instrumentos para os controles climáticos ou para o rádio. Sim, ainda havia alguns botões e elementos a mais, mas isso foi curado nos anos seguintes.

Cadillac CTS 2012

A evolução leva agora os fabricantes a tentarem minimizar a quantidade de botões físicos, após um tempo em que "mais botões significavam mais tecnologia" (veja o CTS 2002). Os interiores americanos recuperaram o gosto, o design, o carácter e os bons acabamentos.

Embora não possamos prever exactamente o futuro, o que os três grandes de Detroit parecem ter aprendido é que num mercado global, onde os produtos estrangeiros ofereciam interiores muito melhores do que os deles, não podiam continuar a criar designs embaraçosos, porque perderiam clientes e sofreriam o ataque da opinião dos testadores.

Mas também é curioso ver como durante os anos 60 os EUA foram "o berço do design", a vanguarda em idéias para interiores, e em questão de duas décadas perderam essa liderança para se tornarem "os piores dos piores".

Artigo originalmente publicado em Abril de 2014, recuperado para Pistonudos
Adicione um comentário a partir de A evolução, brilhantismo e queda da graça do design do painel de instrumentos americano
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.