pistonudos.com

Os compradores de carros novos estão ficando cada vez mais velhos


O próprio SEAT fala agora muito da sua mudança de direcção com um produto mais e melhor direccionado "para as famílias" e abandonando o seu foco dinâmico.

Mas há quinze anos as coisas não eram assim. SEAT fez carros para uma faixa etária diferente, mais jovem e fez dinheiro com isso. Os gostos mudaram ou os compradores mudaram? Uma rápida olhada nas estatísticas recentes revela a realidade por trás da mudança radical na gama de carros que vimos ao longo dos últimos cinco anos.


Puxando as estatísticas, pudemos saber que a idade média do comprador de um carro novo na Europa é de 53 anos praticamente agora mesmo. Em Espanha, a idade média é de 46 anos, sete anos mais nova do que a média europeia. O que é ainda mais importante é que apenas um em cada quatro compradores europeus tem menos de 45 anos, o que move a mediana (o valor mais típico) acima da barreira dos 45 anos.

Comparando os dados históricos, a idade média dos compradores em Espanha aumentou seis anos no período de 2007-2013. Porquê? Bem, por muitas razões, mas entre outras, o enorme desemprego no país para os menores de 25 anos, a diminuição do interesse na compra de novos veículos dos actuais vinte e poucos (outra estatística revela que uma em cada duas pessoas com menos de 25 anos não está interessada em possuir o seu próprio carro no nosso país), e a extrema dificuldade de acesso ao crédito, que ainda nos atormenta. E o fato é que a maioria das compras de carros novos é feita em dinheiro, embora possa parecer estranho (de fato, olhando os dados, encontramos pesquisas e dados para todos os gostos, com resultados que dizem que a maioria das operações são financiadas, e outros dados que dizem exatamente o contrário).


O mercado de segunda mão é o responsável por alimentar os automóveis mais jovens, mas os fabricantes não concebem automóveis para o segmento do Veículo Usado (VO). As marcas estão interessadas em vender carros novos, que é o que elas vivem e fazem negócios, fundamentalmente.

Assim sendo, a mudança na idade média e "fashion" dos compradores europeus está a ter um enorme efeito no design e layout do produto. O desaparecimento de uma grande parte dos compradores com menos de trinta anos do mercado europeu fez com que todos os fabricantes tivessem tomado duas decisões fundamentais: deslocar os produtos do segmento B para o tamanho do segmento C, procurando oferecer carros "versáteis" com quatro assentos e uma bagageira de tamanho considerável e, ao mesmo tempo, o segmento C tornou-se "o carro familiar por excelência", mas sem exigências estéticas ou riscos dinâmicos.

As duas marcas que mais "abusaram" da procura do jovem condutor no início do século (provavelmente Opel e SEAT) tiveram de alterar a configuração dos seus produtos do segmento C (Astra e Leon) para criar carros mais familiares, menos ousados e agressivos, que já não são "tão fixes".

Para SEAT esta tem sido uma importante mudança cultural. Para começar, partiu da necessidade de se livrar da sua "hispanodependência" com o Leão. Não conseguia concentrar quase todas as vendas do carro compacto em Espanha, já que isso o deixaria enfraquecido. Visar o resto da Europa significou oferecer um carro para pessoas com 45 anos ou mais, e isso significou, ao mesmo tempo, deixar para trás as chaves que fizeram do Leon um sucesso como um "compacto desportivo". Não há mais espaço para kits de "afinação" do corpo, mas há espaço para corpos familiares.


A Fiat, por sua vez, acabou por matar o Punto, e especialmente a sua versão desportiva, o Punto Abarth, noutro exemplo claro de como a procura de um produto que concentrava as suas vendas em pessoas com menos de trinta anos de idade chegou ao fim. A família 500 e os Panda são produtos que "se vendem" aos "quarenta e poucos".

Mas onde nos levará tudo isto? A tímida recuperação do mercado implicará certamente uma diminuição gradual da idade média dos compradores. Mas vai ser muito lento e discreto. A falta de interesse em comprar um carro novo e a emigração da população para as megacidades está fazendo com que o carro seja visto como "algo ultrapassado do passado" (uma em cada quatro pessoas na Europa já pensa assim, de acordo com o estudo do Cetelem sobre hábitos de compra de carros).


O surgimento da condução automatizada, das cápsulas e dos serviços do tipo Uber para a partilha de meios de transporte individuais irá colocar um problema ainda maior. A mudança dos gostos da população jovem afectará profundamente uma indústria que terá de se reinventar para se adaptar ao mercado existente.

Então, aqueles de nós que sempre reclamaram sobre "como é brando e suave o novo compacto da marca xis", mas a realidade é que quando você visa um homem de 45-50 anos como principal cliente do seu produto, e você segue a máxima de "nunca desagradar ao seu público-alvo" (algo lógico, por outro lado) há pouco espaço para licenças radicais e ousadas.

Dados: Eurostat, observatório do Cetelem, ACEA
Adicione um comentário a partir de Os compradores de carros novos estão ficando cada vez mais velhos
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.