pistonudos.com

Michelin CrossClimate, teste de longa duração (parte 2)

Com uma temperatura média inferior a 7 graus, os compostos de inverno são melhores, e acima dos de verão. A maioria dos espanhóis usa normalmente pneus de Verão, alguns estranhos consideram a utilização sazonal de pneus de Inverno e outra minoria usa pneus "de temporada inteira" porque o seu carro vem com eles de série (como alguns SUV) ou porque preferem um meio-termo: os pneus não vão 100% em qualquer dia do ano.

Foi por isso que decidi experimentar os pneus da Michelin da época, o CrossClimate. Após um ano de testes e cerca de 15.000 quilómetros percorridos, posso dar algumas conclusões que são mais do que preliminares. Já enfrentei dias ensolarados, chuva forte, neve sem sal, neve... um pouco de tudo. Vamos ver se as expectativas de aderência, quilometragem, conforto, versatilidade durante todo o ano e assim por diante são cumpridas.


Durante o verão passado, os pneus comportaram-se quase tão bem como se fossem pneus convencionais de verão. Apesar da agressividade do piso, que parece a roda traseira de um trator, eles não são mais ruidosos, nem se desgastam rapidamente, e o piso do carro é praticamente o mesmo de sempre. Mesmo em condução desportiva são pneus fiáveis, avisam-me em tempo útil antes de me desviar da trajectória.

O efeito mais notável que comecei a notar com os novos pneus foi uma redução no consumo de combustível. A homologação destes pneus no tamanho 225/45 R17 94W é C, ou seja, a médio prazo. Eu tinha acabado de remover do eixo dianteiro algumas rodas com classificação E (largura 215), e sim, foi notado. No verão passado (junho a setembro), eu tinha uma média de 6,22 l/100 km de GLP, comparado com 6,63 l/100 km para o mesmo período do ano passado. É uma economia de 0,4 l/100 km ou 7% menos.


Mas o mais surpreendente são estes dados. No mesmo período em 2014 eu ainda estava usando pneus Goodyear EfficientGrip de eixo dianteiro, com aprovação do consumo de combustível B, e nessa época minha média era de 6,05 l/100 km. Além disso, esses pneus tinham 210mm de largura. Assim, embora o CrossClimate seja 15mm mais largo e tenha uma homologação menos favorável, a diferença mal foi notada. Tanto em 2014 como em 2015 eu ainda estava usando o Goodyear EfficientGrip no eixo traseiro, então eu só falei sobre os pneus dianteiros, que é o que mudou.

Por ocasião do inverno, era hora de uma revisão geral do carro, os 150.000 quilômetros, e eu fui ao meu lugar habitual, a concessionária Kobe Motor em Villalba. Eu aproveitei a oportunidade para procurar qualquer defeito que pudesse alterar para pior o desgaste dos pneus. A mecânica da Toyota só encontrou as pastilhas de travão dianteiras no limite, que eram as de série (2009), e procedeu à colocação de novas. Isto dissiparia quaisquer dúvidas sobre a eficácia dos travões quando se tiram conclusões. O resto estava tudo em ordem.

Quando começou a esfriar, bem em novembro, a temperatura na área já é de 7 graus ou menos, uma época em que os pneus de verão começam a perder mais desempenho devido ao endurecimento da borracha. Nas manhãs, quando fazia muito frio, havia uma diferença perceptível no desempenho, o CrossClimate teve um desempenho muito mais parecido com o resto do ano. A temperatura mais baixa que vi no medidor foi de -4°C, e eu diria que senti falta dela no que diz respeito aos pneus. Os pneus Goodyear EfficientGrip tendiam a perder mais aderência nas rotundas e sem condução rápida ou agressiva, o que é normal para pneus deste tipo.


Com a homologação de inverno, se forem necessárias correntes, com estes pneus não é necessário (nem recomendado).

Não é uma área onde a neve é uma grande ameaça, na verdade há muito poucos dias por ano em que tenho problemas, e é um problema muito relativo, porque o limpa-neves geralmente passa antes do seu verdadeiro. Uma manhã encontrei neve por todo o lado, o suficiente para ter problemas com pneus normais, mas não o suficiente para correntes. O momento foi imortalizado com este tweet:

Eu tinha comentado nas primeiras impressões que eles são silenciosos, mas se você se concentrar você pode ouvir um som fraco quando as paredes laterais estão funcionando. Tenha em mente que o Prius é um pouco mais silencioso que um carro normal, muito provavelmente um condutor médio com um carro normal nem sequer notará este ruído. Em qualquer caso, nunca é irritante, se é que se nota alguma coisa.

Mais tarde enfrentei camadas de neve virgem em condições mais complicadas, ruas sem a passagem de limpa-neves em Cercedilla, um dos lugares mais frios da região. Fiz o mesmo teste que fiz com a Supra com pneus 100% de inverno, começando a subida para verificar a sua eficiência. Depois a Supra subiu em primeira velocidade sem qualquer dificuldade, mas é preciso dizer que não tem assistência de tracção electrónica e que tem um diferencial de autobloqueio.

Com o Prius, tentei subir e a tracção foi muito pior. O controle de tração notou uma perda de id idem e começou a limitar a potência do motor e a aplicar os freios. É a mesma sensação que quando fiquei preso na areia da praia, seguir em frente era praticamente impossível. Tenho que dizer algo que não é óbvio: não é culpa dos pneus, mas do próprio carro.


O Prius 3g é um dos poucos carros que dirigi que não tem botão ou menu para desativar o controle de tração. Isto significa que o tenho sempre ligado, e em condições em que se tem de deixar as rodas deslizar para escavar, este carro não pode. De fato, uma tração dianteira com controle inteligente de tração (como um PSA com Grip Control) em seu programa de neve teria progredido, pois permite o deslizamento controlado das rodas. Consultei um especialista da Michelin e ele explicou que eu teria tido o mesmo problema com pneus de inverno puros.

Não tive esse problema de mobilidade em outra ocasião, quando me deparei com uma rua onde o arado de neve não tinha passado, com menos inclinação, onde entrei com alguma inércia e o carro avançou com quase nenhuma dificuldade, praticamente como se eu estivesse usando correntes naquele momento. Eu tinha tentado o mais difícil até agora: a partir de uma parada, subindo e com um controle de tração que atuava como uma âncora. O resultado teria sido muito diferente sem a assistência eletrônica, que foi o que aconteceu com a antiga Supra.

Outro teste que fiz foi para travar um pouco brusco sobre uma camada de neve de alguns centímetros. A travagem foi logicamente mais longa do que em alcatrão limpo, mas não tão longa como se tivesse sido com pneus de Verão, onde o ABS teria deixado o pneu deslizar muito mais. Além dos testes e situações forçadas, posso facilmente dizer que poderia esquecer a temperatura exterior. Senti-o na forma de frio no compartimento dos passageiros, pois o Prius demora mais tempo a gerar calor para o aquecimento, pois tem o hábito de desligar o motor. De manhã, até chegar à auto-estrada, nem sequer tenho 50 graus de líquido de refrigeração, por isso, logicamente, reparo no arranhão. As rodas não.

Durante o período mais frio, de novembro até o final de janeiro, notei um aumento no consumo (6,7 l/100 km), mas não posso culpar tanto os pneus, mas o próprio carro. Já reparei que no Prius o consumo aumenta sempre no Inverno, e a razão é óbvia: o motor perde mais calor e mais gasolina (GPL, neste caso) tem de ser utilizada para manter um nível adequado. O efeito é parcialmente disfarçado porque mantenho o radiador coberto durante quase todo o ano, mas o frio infiltra-se por outros locais para além da entrada de ar frontal.

Em comparação com os pneus de Inverno puros, o CrossClimate é claramente mais silencioso. Há também uma diferença notável no facto de o volante se sentir menos áspero. Por outras palavras, no meu caso pessoal, não teria notado vantagens apreciáveis se tivesse conduzido com pneus de Inverno convencionais, como os Alpin que uso no meu outro carro: gastaria mais, teria mais ruído e em termos de mobilidade ficaria mais ou menos como estou.

Assim que a temperatura começou a estabilizar a níveis mais ou menos semelhantes aos da mola, a redução no consumo de combustível tem sido perceptível. Também notei que faço viagens de longa distância, onde normalmente vou muito carregada porque partilho lugares em Blablacar e não tenho tão fácil de consumir pouco (mais auto-estrada, menos cidade). De março até agora, a média caiu para 6,5 l/100 km. Meu pior tanque, e dando-lhe cana, eu não passei de 7,8 l/100 km. Eu insisto que isto é GPL, o equivalente em gasolina é inferior a 6 l/100 km.

Deixa-me falar um pouco sobre condições húmidas, que são mais comuns do que a neve. Eu não dirigi em gelo puro em nenhum momento (e estou grato). Na água eles deveriam teoricamente ser ótimos, porque sua classificação de molhados é A, a melhor da tabela. E assim é, aproveitei um dia quando algumas jangadas se formaram para atacá-los a 90 km/h e a direção permaneceu muito estável e sem desviar-se. Na água eu ando com muita confiança, ainda mais do que com o Pirelli Pzero Nero que usei antes no eixo dianteiro.

Eu notei um pouco mais de subviragem no limite ou sob travagem brusca. Eu me resuma ao fato de que agora tenho pneus mais largos, porque tenho 225 em ambos os eixos, então é totalmente normal que nestas condições eu seja penalizado em comparação com pneus mais estreitos como o Goodyear. O tamanho padrão (215/45 R17) é um pouco estranho e tive que usar tamanhos compatíveis, o que não foi um problema no ITV ou ter um tamanho dianteiro e traseiro (o regulamento deixou a critério do inspetor da estação).

De qualquer forma, todos os carros vão pior quando chove e o meu não é excepção. Na ausência de poder fazer uma medida mais séria, vou deixar "parece-me que", porque com os travões deste carro tão pouco potente nunca tive a sensação de travar numa folha de papel. Tem sua justificação, com a frenagem regenerativa é que eu mal uso as pastilhas ou discos, é por isso que eu durei 150.000 quilômetros as pastilhas originais. Além disso, os amortecedores ainda são os de série, e isso também tem as suas consequências na travagem.

De qualquer forma, os dias em que mais choveu foram os que mais tenho usado carros de imprensa, por isso não tenho conduzido tantos quilómetros como gostaria com estas rodas naquelas condições. Fora essa impressão pessoal, eles vão como devem: muito bem. E isso leva-nos à forma como eles se vestiram.

Depois de 15.000 quilômetros eu medi uma profundidade de banda de rodagem de cerca de 6 milímetros em todos os quatro pneus, considerando que as frentes geralmente duram cerca de metade do tempo que as traseiras deste modelo. Eu usei um medidor ocular, há decimais, mas nas rodas dianteiras a figura é ligeiramente inferior a 6mm, mas não é bem 5,5mm. As costas têm um pouco menos de desgaste. Quanto à banda de rodagem, as paredes laterais têm ranhuras um pouco mais castigadas, mas isso deve-se à forma como eu levo as rotundas... um pouco mais rápido, se o trânsito me permitir.

A eficiência da neve deve começar a ser perdida quando há menos de 4mm de profundidade de ranhura.

Considerando a taxa de desgaste dos meus conjuntos dianteiros anteriores, é bem provável que eu possa ir até 50.000 milhas no eixo dianteiro, o mesmo que o Goodyear durou, enquanto o Pirelli disse o suficiente com cerca de 30.000 milhas (3mm de ranhura). Como as coisas estão, não faz sentido para mim trocar a frente e a traseira, o desgaste está a ser muito homogéneo. Darei dados de desgaste mais tarde, cerca de 30.000 quilómetros.

Conclusões após um ano de utilização

De uma forma mais compacta e resumida, como os pneus de Verão são perfeitos, e no Inverno tenho praticamente as vantagens dos pneus de Verão e Inverno, sem os inconvenientes de um ou de outro. Sem poder remover o controle de tração não posso desfrutar 100% do desempenho que tem o piso sobre a neve, é uma vergonha.

O consumo de combustível é praticamente o mesmo que eu tinha com rodas de categoria energética superior (B) e com 15 mm a menos de largura. Além disso, no inverno as puras de verão (B) me deram o mesmo consumo de combustível que o CrossClimate (C), então a matemática em mãos, os Michelin são mais eficientes quando a temperatura cai: a borracha fica menos dura, o motor faz menos esforço.

Não notei nenhum efeito adverso em comparação com os pneus que usei antes, nem em comparação com o EfficientGrip (HP) nem em comparação com o Pzero Nero (UHP). Quer eu esteja a andar devagar em modo eléctrico ou a exceder facilmente 120 km/h, em todas as circunstâncias eles provam ser pneus com um grau de versatilidade que não vejo desde que comecei a andar.

Eles atendem a todas as expectativas anunciadas pelo fabricante, não há pegada e não há alarido.

E também não são escandalosamente caros! O preço recomendado (que sempre desce na prática) é de 125 euros por roda de acordo com o site da Michelin, muito na média do valor das rodas desse tamanho (225/45 R17) nos tamanhos de verão. A menos que apareça um modelo tecnologicamente superior, para fins estritamente pessoais, não consideraria experimentar qualquer outro modelo de pneu. Neste momento, posso dizer que este é o pneu ideal para mim.

Ainda me pergunto se vão durar 50.000 quilômetros ou não, porque a banda de rodagem central aguenta perfeitamente, mas duvido um pouco das paredes laterais, elas podem se desgastar mais rápido devido à agressividade da banda de rodagem. Vou verificá-lo à medida que o odómetro avança. Tenho verificado as pressões a cada dois ou três meses, como são pneus com pouca tendência a esvaziar, nunca fiquei abaixo de 2 bar de pressão.

A tudo isso, acrescente que não encontrei nenhum comentário negativo sobre o Michelin CrossClimate, mesmo em Forocoches falar bem deles. No ano passado eles apresentaram sua evolução, CrossClimate+, com um composto diferente. Não vejo nenhuma razão para mudar para o novo composto, embora eu tenha o tamanho exato do meu carro, eles são mais caros e não melhoram nem a eficiência na água nem a economia de combustível, embora pareça que o composto dure mais quilômetros. Vamos ver.

Adicione um comentário a partir de Michelin CrossClimate, teste de longa duração (parte 2)
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.