pistonudos.com

95% dos condutores espanhóis dizem que conduzem melhor do que a média

No caminho de volta para casa, com um pouco mais de trânsito, tive um pequeno susto quando cheguei à primeira rotunda: estava na faixa da direita, a única que permite uma curva à direita, e quando comecei a conduzir, o carro que estava a conduzir na faixa do meio, reservado para aqueles que iam entrar na praça, atravessou o meu caminho. Eu buzinei e o motorista parou o carro, rolou pela janela e com uma certa superioridade me perguntou: "O que há de errado, você não me viu?


Bem, acontece que em pouco mais de 10 metros este condutor ignorou a obrigação de conduzir na direcção marcada pelos sinais horizontais da sua faixa, tentou sair da rotunda a partir da faixa central, omitiu a necessidade de sinalizar a manobra com o sinal de mudança de direcção e não se apercebeu, ou não quis perceber, que o requisito mais importante para mudar de faixa é que não haja veículos a circular na faixa para a qual nos queremos deslocar.

Pouco depois deparei-me com um cruzamento que também foi um pouco complicado devido aos movimentos laterais que tive de fazer em apenas 200 metros e onde muitos condutores parecem evitar a sinalização horizontal relativamente à pré-selecção das faixas e efectuar manobras que por vezes podem ser perigosas.

Perante estes exemplos, e com a experiência que adquiri com os quilómetros que percorri ao volante, cheguei à conclusão de que em todas as acções erradas ou insensatas que nós, espanhóis, tomamos na estrada, existe uma combinação perigosa de ignorância das normas actuais e de falta de educação ou de respeito pelos outros utentes da estrada, especialmente quando sabemos que aproximadamente 90% dos acidentes podem ser atribuídos ao factor humano.


A falta de educação e/ou falta de respeito para com os outros utentes da estrada não é mensurável, excepto em casos muito extremos. No entanto, o desconhecimento das regras gerais para os condutores pode levar-nos a cometer infracções de condução que, em casos muito graves, podem mesmo levar a acusações criminais.

Neste sentido, creio que o primeiro passo deve ser dado pela Direcção Geral de Viação, adaptando tanto o conteúdo do regulamento como o vocabulário utilizado para o mundo real em que vivemos. E daqui eu reclamo fortemente da convoluidade de alguns assuntos.

Por exemplo, na página 648 do código de trânsito e segurança rodoviária, na sua edição actualizada a 26 de Abril de 2016, existe uma tabela da qual extraí esta:

Tipo de luz Número Cor Situação Obrigatório ou não
Luzes indicadoras de direção Um número par maior que dois AMARELO AUTOMÁTICO Exteriores e bordas laterais Obrigatório

Todos nós que temos carta de condução sabemos o que são as luzes indicadoras de direcção e qual é a cor amarela do automóvel, mas mesmo assim penso que seria muito mais compreensível indicar que os "indicadores" devem ser "cor-de-laranja".


Uma vez obtida a nossa carta de condução, penso que é muito interessante para os condutores estarem cientes de possíveis alterações na regulamentação actual. No passado, a Direcção Geral de Viação costumava enviar folhetos aos motoristas quando havia uma mudança importante no regulamento geral para os motoristas. Hoje em dia, as únicas comunicações que temos são multas.

Recapitulando para fazer um breve resumo, até este ponto tenho falado sobre a má formação de alguns motoristas, sobre um regulamento que mais do que lê-lo você tem que decifrá-lo (bem como algumas questões dos testes teóricos) e sobre a inexistente comunicação da Direcção Geral de Viação com os motoristas, que ultimamente se reduz à sua participação em diferentes redes sociais.

Não sei se devo pedir desculpas antecipadamente, mas por favor não se ofenda se eu disser que com estes ingredientes a única coisa que estamos a receber é que os acidentes de trânsito tiram centenas de vidas humanas todos os anos e deixam sequelas físicas e psicológicas para os outros ao longo da vida.

Neste contexto, é evidente que, sem negar a eficácia dos radares, dos agentes de trânsito ou do cartão de pontos, algo está a correr mal em Espanha. É verdade que em 2015 atingimos o menor número de mortes em acidentes rodoviários desde o início dos registos em 1960, mas mantemo-nos a um nível semelhante ao do Reino Unido, que tem sessenta milhões de habitantes, muito menos quilómetros de estradas de alta capacidade do que a Espanha e uma frota de veículos que excede a nossa em cerca de dez milhões de veículos.


E se uma revalidação fosse imposta?

Presumo que seria uma medida impopular e ouso dizer que mesmo entre aqueles que a valorizariam como útil. Não atualizamos nosso celular ou tablet? Não prestamos atenção às últimas tecnologias? Por que não atualizar alguns conhecimentos cuja correta aplicação é vital para manter nossa integridade física em nossas viagens?

Não estou a pedir um estado policial perto do condutor, longe disso. Estou simplesmente propondo um método para minimizar não só o número de vítimas, mas também o número de incidentes rodoviários que acontecem todos os dias em Espanha.

Partindo do facto de que, para que a carta de condução de uma pessoa seja apreendida no nosso país, ela deve ter cometido um descuido muito sério, considero interessante que seja introduzido um método mais completo de renovação da carta de condução do que o actual exame médico e o seu estranho teste de duplo comando, mesmo que seja apenas como um teste piloto. A reanálise das cartas de condução pode ser uma boa ideia.

Logicamente, no clima econômico atual, estou ciente de que ter que passar por todo o processo de teste teórico novamente desequilibraria o orçamento mensal de milhares de famílias, além do tempo necessário. Além disso, não creio que a política espanhola em matéria de segurança rodoviária, que visa a constante vitimização dos condutores que sofrem há muito tempo e dos seus bolsos, seja também adequada.

Para este tipo de reavaliação do conhecimento que nós, espanhóis, temos da parte teórica do que fomos examinados na sua época, proponho dois tipos de condutores:

  • Profissionais (taxistas, motoristas de autocarro ou camião, motoristas de entregas...).
  • Criminosos reincidentes

Quanto à necessidade de avaliar os conhecimentos dos condutores profissionais, não creio que ninguém se oponha (excepto eles próprios). Estes profissionais passam muitas horas ao volante e estão mais expostos do que ninguém tanto para adquirir vícios de condução como para sofrer um acidente. Também não devemos esquecer que os motoristas de táxi ou ônibus devem assumir a responsabilidade por seus passageiros. Além disso, a forma como estes grupos profissionais conduzem, especialmente nas estradas urbanas, é repetidamente objecto de controvérsia com outros condutores.

No que diz respeito aos criminosos reincidentes privados, acho que também não encontrei nenhuma oposição, a não ser novamente por parte deles. A este respeito, devemos ter em conta que as penalizações que não implicam a retirada de pontos não são normalmente incluídas no registo histórico do condutor. Isto significa que, aos olhos das administrações públicas, um condutor que nunca foi multado é tão bom condutor como um condutor que é multado todos os meses por conduzir a 145 km/h numa auto-estrada.

Bem, é precisamente este tipo de pessoa que a Direcção Geral de Viação deve enviar uma carta para lhes explicar que, se mostrarem repetidamente falta de respeito e/ou conhecimento do Regulamento Geral para Condutores, terão de se reexaminar dentro de um determinado período de tempo.

Esta medida não é louca nem impraticável e atrevo-me a dizer que serviria como um dissuasor para o infractor e como uma medida tranquilizadora para o resto dos condutores que (ainda) fazem um esforço para cumprir os regulamentos actuais.

Não quero que pensem que sou uma espécie de ogre vigilante porque também penso que é extremamente importante que a Direcção Geral de Viação considere a necessidade de introduzir medidas que recompensem o bom comportamento ao volante para mostrar que é verdade que se preocupam com a nossa segurança e que as campanhas de "sensibilização" não são realmente campanhas de "angariação de fundos".

As nossas estradas e cidades não estão cheias de radares e câmaras? Porque não adaptar estes instrumentos para detectar também os bons condutores?

Estudos psicológicos com humanos e animais mostraram que as recompensas são mais eficazes do que o castigo, por isso a possibilidade das administrações públicas recompensarem os bons condutores de uma forma tangível não deve ser considerada uma loucura. Com isto quero dizer que não seria nada mau se fosse dado aos bons condutores, por exemplo, um pequeno desconto para combustível, seguro, a zona azul... Em suma, algo que nós condutores possamos desfrutar.

Como mencionei com o tema da revalidação da teoria da carta de condução, no caso dos prémios seria necessário ter em conta de alguma forma o número de ocasiões em que um condutor responsável é detectado contra aquele que não obtém qualquer registo. Logicamente, não se pode recompensar da mesma forma o condutor que faz milhares de quilómetros por ano e é observado pelas chamadas câmaras de vigilância a comportar-se de forma responsável como o condutor que faz muito poucos quilómetros por ano e para quem não há qualquer registo. De qualquer forma, acredito que os vários programas de fidelização que os grandes supermercados e postos de abastecimento de combustível têm podem servir de exemplo.

Esta medida, que eu acredito que seria muito bem recebida, representaria uma grande despesa para o Estado. Mas também não devemos esquecer que, em caso de acidente rodoviário, o custo de uma unidade móvel de apoio avançado pode exceder 400 euros por viagem, mais de 40 euros por hora de trabalho e mais de 1 euro por quilómetro percorrido. Se a gravidade do acidente exigir a transferência de helicóptero de uma vítima, o custo aumenta em cerca de 2.000 euros por hora de atividade. Além disso, às vezes é necessário reparar elementos da estrada como semáforos ou guardas que aumentam o custo gerado pelo acidente, além do custo humano e da dor de perder um familiar ou amigo, o que também gera custos sociais (psicólogos, licença médica...).

Se o número de acidentes graves fosse reduzido, os custos acima mencionados seriam minimizados, e se os acidentes menores fossem reduzidos, o custo de compensações menores, como entorses cervicais, também seria reduzido, assim como os derivados da reparação dos veículos envolvidos, o que deveria se refletir em uma redução no preço das apólices de seguro, algo que favorece diretamente o motorista.

Em todo o caso, o que é exposto neste artigo são apenas algumas propostas com uma certa viabilidade que aproximariam os condutores e as administrações públicas e teriam um impacto em estradas mais seguras. No entanto, até hoje, ainda há muitos condutores sem qualquer preocupação com a segurança rodoviária e as acções da Direcção Geral de Viação produzem um efeito de rejeição na nossa sociedade.

Adicione um comentário a partir de 95% dos condutores espanhóis dizem que conduzem melhor do que a média
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.