Qual é melhor, um Nissan Leaf ou um Toyota Prius Prime?

O Nissan Leaf é um carro puramente eléctrico, o carro de maior sucesso sem motor de combustão interna de sempre, com mais de 250.000 unidades vendidas desde 2010. É fabricado nos Estados Unidos, Reino Unido e Japão, e é para muitos o carro elétrico de referência.

Do outro lado do ringue, o Toyota Prius Prime, a versão plug-in do híbrido mais vendido da história. Na quarta geração ele difere por ter mais alcance elétrico que o híbrido, por perder um assento e por ter um design diferenciado (para alguns, como eu, ele é "melhor"). Pode funcionar com electricidade e o resto do tempo como qualquer outro híbrido: com gasolina e electricidade recuperadas durante a condução.


A Nissan Leaf, na sua versão de maior capacidade (30 kWh), pode fazer 172 quilômetros de acordo com a EPA americana, em comparação com os 50 quilômetros que podem fazer o Prius Prime sem puxar a gasolina. A Nissan tem 109 cv, contra 95 cv para o Prius Prime em modo de emissão zero. Em todas as outras condições, o Prius Prime combina 122 hp. Na performance, o Prius Prime está ligeiramente à frente da Folha (aceleração e travagem), e bate-a na parte superior, embora esta última seja quase irrelevante. Os dados de aprovação da gama europeia são como papel higiénico, e é bom para o que é bom.

O Toyota pesa um pouco mais do que o Nissan, pois tem mais componentes mecânicos, mas tem um comportamento mais dinâmico devido à suspensão traseira multi-link e um centro de gravidade inferior graças à arquitectura TNGA. O Leaf tem uma capacidade de bagagens maior e cinco lugares, em comparação com os quatro do Prius Prime.


Qual deles consome menos energia? A resposta é complexa: em 50 quilômetros, o Toyota vence, pois utiliza menos quilowatts de energia da bateria. Para além desse limite, a eficiência do Prius é pior porque o motor a gasolina, um dos mais eficientes do mundo, desperdiça 60% do valor calórico do combustível. Além dos 170 quilômetros, o Prius pode continuar por mais algumas horas, enquanto a Folha tem que recuperar a carga, um mínimo de meia hora a 40 quilowatts para recarregar os elétrons por mais 150 quilômetros.

Na direção oposta, numa distância de 170 quilômetros a Folha não jogou nada para fora do tubo de escape, o Prius Prime tem sido poluente - embora pouco - por 120 quilômetros. Em sua defesa, deve-se dizer que nenhum carro de sua categoria emitiria tão poucos poluentes, e em ambos os casos estão a anos-luz de poluir como um diesel, ainda que o Leaf pertença a um asturiano que possui uma usina elétrica alimentada a carvão em frente à sua casa.

Finalmente, o Prius Prime é claramente mais barato, embora o exemplo seja calculado com base nos preços dos EUA, mas a Espanha será diferente. Além disso, em nosso país será muito mais fácil comprar uma Folha do que o Prius Prime, já que a Toyota Espanha trará poucos, equipados até o topo, e será cara. Em contrapartida, a Nissan oferece o Visia básico, e com uma bateria de 24 kWh é muito mais acessível, especialmente se em vez de possuir baterias forem alugadas à Nissan.


Qual delas é "melhor"? Considero o Prius Prime mais versátil, deixando de fora o quinto lugar, e mais amigo do ambiente em curtas distâncias. Em distâncias mais longas é mais prático, mas o Leaf bate. E se o Prius Prime não tivesse um motor de combustão interna e 30 kWh de baterias? Iria mais longe que a Folha carregando os mesmos kilowatts, produziria menos poluição indireta, mas teria um desempenho inferior para menos energia. Tanto quanto sei, um Prius puramente elétrico não está nos planos da Toyota, e se alguma vez chegarem a ele, será em meados da próxima década e duvido que o chamem de "Prius".


Esta infografia foi feita pelas subsidiárias da Toyota e Nissan, com dados do mercado norte-americano. Serve como um resumo do que acabei de explicar. Excepto pelos preços, as especificações são as mesmas.

Qual você escolheria?



Adicione um comentário a partir de Qual é melhor, um Nissan Leaf ou um Toyota Prius Prime?
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.