Holden Commodore, outra vítima da globalização


Os australianos que amam o alto desempenho serão os que mais notarão isso. A tracção às rodas traseiras e os V8s vão passar para - na melhor das hipóteses - os V6s e a tracção integral. As versões mais convencionais utilizarão motores com tração dianteira e motores de quatro cilindros. Já é a norma nestas partes, mas será um pouco de choque lá.

O Commodore foi feito na Austrália desde 1978, e a geração atual (VF) foi exportada para os EUA como o Chevrolet SS, e para o Reino Unido como o Vauxhall VXR8. Devido à condução à direita, não havia uma versão Opel, e com os impostos automóveis tão prevalecentes no continente - e o elevado preço de exportação - o Insignia OPC foi suficiente para nós. É uma pena perder "biodiversidade", mas é assim que este negócio é.


O mesmo vai acontecer com o Ford Falcon australiano, porque todas as fábricas do país estão fechando em questão de meses. Os últimos a ir são a General Motors, Ford e Toyota, e antes disso a Mitsubishi. A Austrália é um daqueles países do primeiro mundo onde a vida é tão boa que não é mais interessante produzir carros. Holden torna-se uma marca inteiramente de carros rebranded que vêm de outros países. Quanto aos modelos mais locais, como os UTEs (pick-ups baseados em saloon), provavelmente desaparecerão.

A recriação digital do RM Car Design não parece propriamente má, e antecipa algumas características estilísticas do Insignia Grand Sport, o sedan. Em termos de tecnologia e equipamento, o Insignia/Commodore estará muito melhor equipado do que o seu antecessor, tendo em conta todos os gadgets tecnológicos do modelo alemão. Melhor equipado, mais eficiente no consumo de combustível, mais racional... mas menos australiano, com menos carácter e menos história. O preço do último Commodore VF com motor V8 será muito interessante a médio e longo prazo.




Adicione um comentário a partir de Holden Commodore, outra vítima da globalização
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.