Audi ganha no Spa em frente a um Porsche em dificuldades

Mas o problema é que quando você tira o dinheiro da televisão, você tem que criar um programa de massa. E um espetáculo de massa não pode ser técnico, avançado ou complicado. Tem de ser "espectáculo por espectáculo". É assim que você pode entender a luta perpétua entre as pessoas (riff-raff) do FOM, os lacaios, como eu digo, da Ecclestone, para transformar o campeonato de Fórmula 1 em uma espécie de taça de uma só mão, enquanto marcas e equipes procuram manter algumas coisas técnicas envolvidas, para mostrar que sua engenharia "é melhor", ou pelo menos, eles têm mais dinheiro para gastar com isso.


E enquanto o modelo de F1 está se tornando obsoleto, onde os canais de TV não estão mais dispostos a pagar o que Ecclestone e seu povo estão pedindo (o que a médio prazo pode colocar o campeonato em dúvida), a realidade é que pouco a pouco o campeonato mundial de enduro está consumindo relevância e espaço.

Não por causa de um público milionário. Não por causa da distribuição dos direitos televisivos. A beleza do CME é que é um campeonato que gira em torno do ACO e Le Mans, e onde as marcas concorrentes já são responsáveis por si mesmas (com maior ou menor sucesso) pela divulgação de sua participação e sucessos. Assim, os organizadores não têm a pressão de ter de desenvolver um campeonato tecnicamente rígido em busca de competitividade artificial.

Spa nos deixou uma corrida de poder a poder onde a Audi repetiu a vitória pela segunda vez na temporada, por uma pequena margem sobre o muito rápido Porsche.

Sob uma simples máxima de controle de energia (volume de combustível utilizado no final), o ACO criou um campeonato onde os fabricantes se sentem particularmente confortáveis, e onde o show é servido.


Sem chegar ainda ao evento principal do calendário deste ano, já vimos a corrida de Spa, onde Porsche e Audi correram com a configuração aerodinâmica de Le Mans, e onde vimos uma corrida com lutas de potência em potência, uma antecipação do que teremos na França no próximo mês.

A Porsche estreia este ano um 919 que, embora se pareça muito com o carro do ano passado, é praticamente um carro novo de dentro para fora, com um chassis de uma peça completamente novo, um motor completamente revisto e um novo sistema híbrido com novas baterias A123 Systems, que lhe permitem jogar na categoria de recuperação máxima e entrega de energia por volta (8 MJ).

O fato é que o Porsche, em uma volta, foi mais rápido que Audi e Toyota. A prova prometia muito nesse sentido, mas a volta a volta mostrou a típica realidade do enduro. O R18 e-tron tem uma velocidade média de volta superior ao longo das manobras. O R18 cuida melhor dos seus pneus, como demonstra o facto de que, quando o tempo médio dos duplos stints feitos com cada conjunto de pneus era mais rápido do que o Porsche.

Os 919s foram melhores assim que mudaram os pneus, mas depois o seu ritmo baixou. Além disso, o R18 parecia marginalmente mais eficiente no consumo de combustível, embora pareça que com a Porsche a jogar com os 8MJ, há uma vantagem para Stuttgart sobre Ingolstadt.

No final, vitória para o R18 número 7, conduzido magistralmente por Andre Lotterer (que chegou ao circuito dirigindo seu belo quattro vermelho do Audi), Benoit Treluyer e Marcel Fassler, com apenas 13 segundos de vantagem sobre o 919 de Marc Lieb, Romain Dumas e Neel Jani. O que é realmente importante? Bem, vimos dois carros que tecnicamente não têm nada a ver um com o outro, lutando num thriller emocionante, cheio de tensão, estratégia e desejo, que prendeu os telespectadores que realmente queriam ver o carro correndo. É claro que aos olhos de uma massa de espectadores, o CME é muito complexo, mas estas corridas valem mais, onde o "verdadeiro" fã pode desfrutar, e as marcas podem se gabar e fazer "valor e imagem de marca", ao invés de um estranho campeonato, adulterado, projetado para agradar "todos" e que no final "deixa todos insatisfeitos". Poupe-se a isso, Sr. Ecclestone.


A chave final da vitória esteve no facto de na última paragem, na recta final da prova, o Audi #7 também ter sido marcado um terceiro stint com os pneus já ligados, o que lhe permitiu manter a vantagem do tempo com o Porsche.

Le Mans é apresentado com muitas dúvidas, mas parece que a Audi tem para si a gestão do consumo de pneus, a velocidade Porsche numa volta e a Toyota demasiados problemas para aspirar à vitória.

Entretanto, Toyota teve um fim de semana horrível, com Nakajima rachando suas vértebras na prática, e com um TS040 que está sofrendo muito. Embora seja verdade que eles ainda não mostraram todas as suas cartas, funcionando com uma configuração aerodinâmica de downforce mais alta, ao invés da de Le Mans. A verdade é que o resto dos concorrentes melhoraram muito os seus carros, e a Toyota parece ter ficado para trás.


Seja como for, Le Mans continua a ser uma quantidade desconhecida. Parece que vamos ver o enredo familiar da Audi a jogar com estratégia e um carro rápido e consistente, enquanto a Porsche joga com um carro um pouco mais rápido mas mais destrutivo com as rodas. A chuva será um fator vital aqui, pois será o que marcará se a Audi puder aproveitar seu ritmo de consumo de pneus, ou se a Porsche tiver a opção de liquidá-lo. A Toyota terá um truque na manga? Esperemos que sim...

Em todo o caso, Le Mans 2015 parece emocionante.



Adicione um comentário a partir de Audi ganha no Spa em frente a um Porsche em dificuldades
Comentário enviado com sucesso! Vamos revisá-lo nas próximas horas.